Economia Marcelo diz que economia em constante mudança exige União Europeia 4.0

Marcelo diz que economia em constante mudança exige União Europeia 4.0

O Presidente da República defendeu hoje que uma economia 4.0 exige uma União Europeia, sistemas políticos e sistemas sociais também 4.0, considerando que não basta pensar nos novos empregos, mas sim nas crescentes desigualdades e clivagens.
Marcelo diz que economia em constante mudança exige União Europeia 4.0
Lusa
Lusa 07 de fevereiro de 2018 às 15:08

No discurso de encerramento do XII Encontro COTEC Europa - que decorreu em Mafra e contou também com a presença do rei de Espanha e do Presidente da República italiano - Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou a mudança diária da economia, "a ritmo vertiginoso", como tinha descrito o comissário Carlos Moedas no mesmo fórum.

 

"Aqui chegados é, porém, tempo de pararmos uns minutos para nos interrogarmos: Esta economia 4.0 não exigirá uma União Europeia 4.0? E sistemas políticos 4.0? E sistemas sociais 4.0?", perguntou.

 

Apesar de concordar que "nada parará a mudança", o chefe de Estado sublinhou que esta "poderá ser mais ou menos rápida, mais ou menos duradoura e, sobretudo, mais ou menos justa conforme seja acompanhada - para não dizer antecipada - por uma União Europeia 4.0, sistemas políticos 4.0, sistemas sociais 4.0".

 

"Isto é, por um ambiente ajustado à era digital, que maximize vantagens e minimize fragilidades nas instituições europeias, nos sistemas políticos e nos sistemas sociais", defendeu.

 

Sobre os sistemas sociais, Marcelo Rebelo de Sousa começou por explicar que "nem a economia nem a política são fins em si próprios" e "existem porque há pessoas de carne e osso", referindo que apesar da alucinante mudança económica, o "tempo de vida dessas pessoas é diverso".

 

"Não basta pensar no novo trabalho, nos novos empregos, é preciso pensar nas crescentes desigualdades, nas crescentes clivagens, nas pessoas concretas, seus diversos tempos e seus múltiplos modos", avisou.

 

O Presidente da República considerou ainda que a União Europeia deve aproveitar "os poucos meses que faltam para o início do longo processo eleitoral de 2019" e ousar "ir mais longe", como por exemplo na definição do horizonte para além de 2021 ou na união económica e monetária.

 

"Não podemos querer ter economias 4.0 com sistemas políticos 2.0 ou 3.0. Podem não inviabilizar, mas travam com certeza o ritmo do futuro", defendeu.

 

De acordo com Marcelo Rebelo de Sousa, vive-se com "mais ciência, mais tecnologia, mais inteligência criativa na economia", mas com "estruturas políticas concebidas para a Europa e para o mundo dos anos 70 a 90, estruturadas ultrapassadas, rígidas, distanciadas dos povos".

 

No início do discurso, o chefe de Estado português dirigiu-se ao rei de Espanha, Felipe VI, e ao presidente italiano, Sergio Mattarella, considerando que recebe-los no Palácio Nacional de Mafra "simboliza bem" o que une e desafia Portugal, Espanha e Itália "neste tempo de elevadas esperanças e tão pesadas angústias".

 

"Temos que continuar a ser universais", pediu.

 

Marcelo Rebelo de Sousa insistiu na necessidade destes países serem "profundamente europeus, refazendo a União Europeia, sem hesitações nem estados de alma".

 

"E agora mãos à obra de novo, que a missão é árdua, mas empolgante. A vossa missão, a missão da COTEC com estas e estes empresários que representam milhares e milhares de outros e, não esqueçamos, milhões e milhões de trabalhadores espanhóis, italianos e portugueses que estão a mudar a face do mundo com coragem, excelência e constante recreação", disse, no final do discurso, agradecendo o seu trabalho.

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Ciifrão 07.02.2018

A vertigem da mudança é só na cabeça do PR, corre muito mas não sai do sítio.

PARTIRAM OS CORNOS AO RPG 07.02.2018




ELE PÔS - SE A REMAR CONTRA A MARÉ DO MILENIUM BCP RESULTADO PARTIRAM - LHE OS CORNOS agora têm de o PEGAR de RABO que aliás diga - se de passagem é como ELE MAIS GOSTA

General Ciresp 07.02.2018

Afinal o q e isto de 4.0.Por acaso nao e o codigo lusoperiferico restrito nao.Coisas ha q por vezes por lapso deixamos passar.Porque razao as pessoas procuram sempre os da sua relacao quando se juntam em grupos variados,quando a intensao e q eles se misturem para haver troca de ideias?Quem se juntou