Política Marcelo diz que feriado do 1.º de Dezembro "nunca deveria ter sido suspenso"

Marcelo diz que feriado do 1.º de Dezembro "nunca deveria ter sido suspenso"

O Presidente da República defendeu que o feriado do 1.º de Dezembro, que assinala a Restauração da Independência de 1640, "nunca deveria ter sido suspenso". Marcelo afirmou ainda que a independência financeira de Portugal "recusa subserviências intoleráveis".
Marcelo diz que feriado do 1.º de Dezembro "nunca deveria ter sido suspenso"
Miguel Baltazar
Bruno Simões 01 de Dezembro de 2016 às 11:13
Marcelo Rebelo de Sousa criticou a suspensão do feriado do 1.º de Dezembro, que assinala a Restauração da Independência e que hoje se volta a celebrar. O Presidente, que falava nas cerimónias de comemoração na praça dos Restauradores, em Lisboa, elogiou a coragem do primeiro Governo Provisório da República, que o criou, e acrescentou que se trata de um "feriado que nunca deveria ter sido suspenso".

O 1.º de Dezembro deixou de ser feriado em 2012, por iniciativa do Governo de Pedro Passos Coelho. Hoje é a primeira vez desde esse ano em que este dia volta a ser feriado nacional.

Marcelo recordou que, dos anos 1920 aos anos 1970, se assinalou "sempre com relevo a data simbólica da independência nacional", e que nas últimas quatro décadas tem sido a Câmara de Lisboa, em conjunto com a Sociedade Histórica da Independência de Portugal e o Movimento 1.º de Dezembro, a ter um "papel essencial" na celebração deste dia.

O que "celebramos e celebraremos sempre é a nossa pátria e a nossa independência", resumiu Marcelo. E a independência a vários níveis. Em primeiro lugar, a "independência política, que tanto deve às nossas Forças Armadas, desde os primórdios da nacionalidade", que "são penhor da nacionalidade e garante do Estado de Direito" e "merecem o inequívoco respeito de todos, poderes e cidadãos".

Depois, celebra-se também a "independência financeira e económica, que exige rigor, crescimento, emprego e justiça social", e que "recusa sujeições espúrias, subserviências intoleráveis, minimizações inaceitáveis", afirmou, numa aparente crítica às intromissões de Bruxelas. Especialmente "quando todos sabemos que as nossas e os nossos compatriotas são cá dentro e lá fora os melhores dos melhores", acrescentou.

Celebra-se também a "independência ética, que impõe o respeito pela dignidade da pessoa humana, dos direitos e deveres fundamentais, da isenção, honestidade, da transparência na vida comunitária, em particular no serviço público ou na gestão do dinheiro público".

Europa é o berço, mundo é o destino

Numa mensagem que pretendeu ser mobilizadora, Marcelo aludiu a um futuro de Portugal que assentará num "universalismo humanitário" e num "V Império feito de língua, cultura e gentes", e com uma aliança entre a "Europa, o nosso berço, e o mundo, o nosso destino".

O futuro deverá cumprir algo que "para nós é indiscutível: um Portugal verdadeiramente independente, que não é uma abstracção, feito do somatório de milhões e milhões de portuguesas e portugueses ao longo dos séculos", rematou.

A terminar, o Presidente deixou vivas aos "heróis de 1640" e ao "Portugal de ontem, de hoje e amanhã". "Viva o Portugal eterno!"


(Notícia actualizada com mais informação às 11:34)



A sua opinião84
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 6 dias

Estou de acordo!! Entre o 1º Dezembro e o 25º de Abril, ou implantação da República, ou os feriados religioso podíamos ter mantido o 1º Dezembro.
25 de Abril : Dia que o PCP, e PS aproveitam para tomar para si, estupidamente, a Democracia. É como se o dia da festa do Avante fosse tornado feriado.
5 de Outubro : Os ditos amantes da república, na realidade amam é a sua vez para lascar um pouco mais, a plebe. Uma espécie de monárquicos à vez. Ora roubas tu, ora roubo eu. Na esmagadora maioria do tempo em república nunca este país viu nem riqueza, nem navegantes, nem politicos sérios, nem HOMENS com H!!

comentários mais recentes
aper Há 5 dias

Comemorar o feriado 1 de Dezembro sem dizer nada de mobilizador consistente para o país deixa muitas dúvidas.

Estas banalidades de tipo cassete “A nossa pátria depende da nossa independência”. Presidente da República diz que o feriado que assinala a restauração da independência “nunca deveria ter sido suspenso” são demasiado fúteis para a natureza desse dia glorioso nacional.

Talvez tivesse sido melhor os monarcas espanhóis terem permanecido no país por mais um dia e o rei de Espanha ter feito um discurso solene...

Nada resta aqueles que o supremo Há 5 dias

gozo é dizer mal. Vivem para destilar o veneno que acumulam seja contra quem for. Eles fazem parte dos desenraizados da vida seja por culpa própria ou pelas vicissitudes da mesma, procurando bodes expiatórios para desculparem a sua vida falhada e sem rumo.

pertinaz Há 5 dias

CONCORDO


HOJE EM DIA ESTAMOS NAS MÃOS DOS ESPANHÓIS


SÓ OS ALEMÃES NOS PODEM SALVAR

Anónimo Há 5 dias

ehehehehe... a quantidade de aziados que por aqui andam... Olhem, sigam o conselho do vosso querido nazi e emigrem para a Alemanha. Lá não há o 1º de Dezembro... eheheheheh...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub