Finanças Públicas Marcelo diz que redução da dívida pública é "dado novo e positivo do final de 2017"

Marcelo diz que redução da dívida pública é "dado novo e positivo do final de 2017"

O Presidente da República apontou hoje a redução da dívida pública como "um dado novo e positivo do final de 2017", eventualmente posterior à análise do Tribunal de Contas sobre o endividamento do país agora tornada pública.
Marcelo diz que redução da dívida pública é "dado novo e positivo do final de 2017"
Lusa 18 de dezembro de 2017 às 16:57

Durante uma visita à Sé de Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado sobre o alerta para os riscos de "a acumulação de elevados níveis de dívida pública" deixado hoje pelo presidente do Tribunal de Contas, Vítor Caldeira, na apresentação do parecer sobre a Conta Geral do Estado de 2016.

 

"A dívida pública vai reduzir substancialmente daqui até ao fim do ano, tem vindo a reduzir", contrapôs o chefe de Estado, acrescentando: "Eu penso que esse é um dado novo que, porventura, não está presente em relatórios feitos já há algum tempo. É um dado novo e positivo do final de 2017".

 

O Presidente da República ressalvou, no entanto, que, "como o senhor ministro das Finanças tem dito uma, duas, três, várias vezes", é importante prosseguir a redução da dívida.

 

"Uma das prioridades é o desendividamento do país", afirmou.

 

Hoje, numa apresentação aos jornalistas do parecer sobre a Conta Geral do Estado de 2016, Vítor Caldeira referiu que o Tribunal de Contas detectou "erros materialmente relevantes" nesse documento e identificou riscos para a sustentabilidade das finanças públicas.

 

O presidente do Tribunal de Contas alertou para "a acumulação de elevados níveis de dívida pública, bem como as responsabilidades contingentes associadas a empresas públicas, mas também a sociedades-veículo, como o BPN, e ao sector financeiro".

 

"As boas notícias quanto ao 'rating' da dívida pública não devem ser confundidas com a dívida a descer", considerou Vítor Caldeira. 




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado JCG 18.12.2017

Mas qual redução nem qual merda*! Estes tipos andam todos bêbados? Como é que a dívida pode reduzir com a continuação de défices na conta anual do Estado? O Prof Marcelo arranjou assessores económicos com cursos feitos na universidade do Sócrates e do Relvas? Mas onde anda a inteligência do Prof? Como é que alguém pode reduzir dívida se gasta mais em despesas correntes do que aquilo que recebe? Só vendendo anéis... mas Portugal/ o estado português tem alguns anéis para vender?








comentários mais recentes
JCG 18.12.2017

Mas qual redução nem qual merda*! Estes tipos andam todos bêbados? Como é que a dívida pode reduzir com a continuação de défices na conta anual do Estado? O Prof Marcelo arranjou assessores económicos com cursos feitos na universidade do Sócrates e do Relvas? Mas onde anda a inteligência do Prof? Como é que alguém pode reduzir dívida se gasta mais em despesas correntes do que aquilo que recebe? Só vendendo anéis... mas Portugal/ o estado português tem alguns anéis para vender?








Bom para os portugueses 18.12.2017

Horrível para os estrangeiros

General Ciresp 18.12.2017

Olha la oh professor diminuir 1 divida a custa de outra ela nao reduz pelo contrario.E vergonhoso ver um professor com AR de palerma.Sais do teu leito para dizeres disparatadas,melhor sera nao saires das margens.Tapar o sol com um CRIVO e com sucesso e LASTIMOSO,PENOSO,SIMBOLO DE IGNORANCIA e de....

é importante prosseguir a redução da dívida 18.12.2017

E não seria importante sugerir à PGR a reabertura do processo Tecnoforma, na sequência da recomendação da Comissão Europeia? Ou os 6,7 milhões de euros são um assunto sem importância? E os senhores jornalistas também não se lembram de lhe fazer a pergunta? A raríssimas ocupa-lhes o tempo todo?

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub