Justiça Marcelo diz que sistema de justiça "é um problema"

Marcelo diz que sistema de justiça "é um problema"

O Presidente da República lamentou a "lentidão" do sistema judicial, "sobretudo nas áreas muito especializadas". E disse que as alterações ao mapa judicial são um retoque "apreciável em muitos aspectos" da reforma anterior.
Marcelo diz que sistema de justiça "é um problema"
Miguel Baltazar
Lusa 28 de Dezembro de 2016 às 14:28
O Presidente da República afirmou hoje em Coimbra que o sistema de justiça "é um problema", considerando que uma justiça lenta "é uma justiça que é um travão enorme" para todos os domínios da sociedade portuguesa.

"Há um sistema de justiça que é um problema", alertou Marcelo Rebelo de Sousa, considerando que o problema fundamental da justiça portuguesa que tem de ser resolvido "é a sua lentidão, sobretudo nas áreas muito especializadas".

Para o Presidente da República, este problema "não é fácil de resolver", recordando que fez um apelo no dia de abertura do ano judicial para que os parceiros da justiça "dialogassem e vissem se chegavam a acordo antes dos partidos políticos se porem a falar do sistema de justiça, mas aparentemente não é fácil".

De acordo com Marcelo Rebelo de Sousa, o problema não está relacionado com a qualidade dos profissionais deste sector, "que é muito elevada", mas com "questões organizativas".

"Acabo de promulgar um diploma legal sobre o mapa judicial. É a segunda reforma no espaço de menos de cinco anos", notou, considerando, apesar disso, que o diploma é um retoque "apreciável em muitos aspectos" da reforma anterior.

A justiça "não é um domínio irrelevante numa sociedade que se quer diferente", vincou o chefe de Estado, que falava no 5.º Fórum Anual de Graduados Portugueses no Estrangeiro (GraPE).

"Uma justiça lenta é uma justiça que é um travão enorme em termos culturais, económicos e sociais", alertou Marcelo Rebelo de Sousa.



A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 2 semanas

Bom, "a coisa" marca e define a diferença entre a sociedade civilizada e a sociedade tipo lei da selva, é tão simples quanto isto Sr PR.
Sem democracia não há sociedade civilizada; sem Estado de Direito não há democracia; sem sistema judicial funcional e eficiente não há Estado de Direito.
Será difícil perceber isto?

comentários mais recentes
pertinaz Há 2 semanas

SE HOJE É ASSIM, COMO FOI ATÉ 2011???

COM UM ESTUPOR A DESGOVERNAR PORTUGAL

E DOIS MAFIOSOS NA PGR E SUPREMO TRIBUNAL JUSTIÇA???

SALAZAR Há 2 semanas

SÓ O DIZ AGORA? QUALQUER UM PERCEBE ISSO HÁ DÉCADAS... E ESTE SENHOR É PROFESSOR DE DIREITO HÁ DÉCADAS TAMBÉM, COMENTADOR NA TV, E NUNCA LHE OUVI ANTES UMA PALAVRA SOBRE ISSO.

JCG Há 2 semanas

Bom, "a coisa" marca e define a diferença entre a sociedade civilizada e a sociedade tipo lei da selva, é tão simples quanto isto Sr PR.
Sem democracia não há sociedade civilizada; sem Estado de Direito não há democracia; sem sistema judicial funcional e eficiente não há Estado de Direito.
Será difícil perceber isto?

Upside Há 2 semanas

MRS diagnostica bem o problema, mas como resolver?
Passaram quase 43anos!!! 43 - desde 25/4/1974 e os maiores falhanços desde essa data são, em meu entender, precisamente a administração da justiça e a educação. Quantas mais décadas serão necessárias para que, governos, partidos, magistrados, juizes, advogados, polícias,pessoal de apoio , informáticos etc. etc., consigam estabelecer um plano geral e sectorial com prazos definidos, envolvendo duas/três legislaturas, para que Portugal tenha uma administração da justiça ao nível dum pais do primeiro mundo, contribuindo eficazmente para o desenvolvimento económico de Portugal, o que desgraçadamente neste momento não faz? Só com lamentos não vamos lá...

Resposta de JCGa Upside Há 2 semanas

O deficiente funcionamento do sistema judicial não é apenas fruto de inércia e da incompetência organizacional: há interesse em que assim seja por parte dos gangues que se servem do poder, manipulando-o em seu benefício. E essa intervenção corruptora começa logo no fabrico das leis. São feitas à medida dos interesses dos DDT.

ver mais comentários
pub