Política Marcelo: "Eu não mudo, sou muito determinado quanto às linhas do meu mandato"

Marcelo: "Eu não mudo, sou muito determinado quanto às linhas do meu mandato"

Marcelo Rebelo de Sousa descreveu-se hoje como uma pessoa tranquila e um Presidente determinado quanto às linhas do seu mandato, defendeu que o seu papel é o mesmo nesta fase da legislatura e afirmou que não muda.
Marcelo: "Eu não mudo, sou muito determinado quanto às linhas do meu mandato"
Miguel Baltazar
Lusa 27 de outubro de 2017 às 19:41
"Eu não mudo", afirmou o Presidente da República, em declarações aos jornalistas, no final de uma visita à Escola Básica e Integrada Gaspar Frutuoso, na Ribeira Grande, na ilha de São Miguel, nos Açores.

O chefe de Estado descreveu-se como uma pessoa "muito serena e tranquila", na aparência e na realidade, e acrescentou: "Por detrás disso, sou muito determinado naquilo que são as linhas do mandato, que, aliás, correspondem àquilo que recebi dos eleitores na base do que me comprometi a fazer na campanha eleitoral. Portanto, não vai haver mudanças".

Questionado se tem um novo papel nesta etapa da vida política nacional, respondeu: "É sempre o mesmo. O Presidente, do princípio até ao fim do mandato, tem sempre exactamente os mesmos poderes, não mudam, a Constituição é a mesma, tem a mesma leitura dos poderes, não muda".

Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que mantém "a mesma exigência" na procura de que haja "compromissos nacionais de regime, quando for possível", de que "o Governo seja forte e governe e dure a legislatura" e que também "a oposição seja forte e constitua uma alternativa para o caso de os portugueses no momento das eleições - que decorrem ainda no mandato presidencial - quererem escolher uma outra solução de governo".

O Presidente da República disse ainda que continua com a mesma linha "no domínio das relações internacionais" e na preocupação com "a descrispação, o diálogo social, a concertação social", concluindo: "Foi assim, é assim, será assim. Eu não mudo".

Interrogado sobre declarações do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, contra divisões nas políticas de combate aos incêndios, Marcelo Rebelo de Sousa declarou que essa tem sido a sua posição.

"Tenho apelado a um consenso, um pacto, uma convergência de regime sobre essa matéria. Se for possível haver essa convergência sobre o plano de emergência, sobre a solução que vier a ser adoptada, o mais rápido possível, mas devidamente estudada, sobre prevenção e combate, e também sobre a floresta, eu acho que isso era muito bom para o país", considerou.

Em termos de prioridades da acção política, segundo o chefe de Estado, "o grande desafio do ano e meio que passou foi o desafio orçamental e, com ele, o desafio, porventura às vezes mais difícil da estabilização e consolidação do sistema bancário, que foram vencidos - embora esta vitória tenha de ser construída todos os dias".

Agora, "o grande desafio" continua a ser "de crescimento económico e de criação de emprego, o que significa maior justiça social", mas "ao mesmo tempo, fazer face a problemas que irromperam e um deles como uma prioridade política óbvia, que é o da floresta".

Ou seja, "o acento tónico, muda", mas, "dentro disso, o Presidente está sempre na mesma linha, na mesma orientação", resumiu.

Os jornalistas perguntaram-lhe sobre o estado das suas relações com o primeiro-ministro, António Costa, com quem não se reuniu esta semana por se encontrar nos Açores, mas o Presidente da República nada quis dizer.

Quanto ao seu estado de espírito, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou: "Eu sou um optimista realista, nunca deixo de ser optimista e nunca deixo de ser realista. Comecei assim o mandato, termino assim o mandato".



A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
eleitor Há 3 semanas

Ao falar das próximas legislativas nestes termos , temo que as "linhas do mandato" tenham como objectivo tecer um enxoval de noivado para o seu Partido com a Nação !!!!.......IMPARCIALMENTE

Será pertinente perguntar ao PR. se nas Há 3 semanas

linhas do seu mandato (irrevogáveis segundo ele) estava previsto, incêndios ? desta magnitude, ou se estava previsto o roubo das armas ? etc.etc. se estava, convém explicar essa previsibilidade. Parece que este PR., quer que o atual governo expie todos pecados cometidos pelo seu partido. Tenha tento

Bela Há 3 semanas

Está a dar força a direita. Tem que ser imparcial. Vamos ver que mais surpresas nos reserva está figura

General Ciresp Há 3 semanas

Quando a gerigonca usava o selfie como um "PARA NICAS"o peao estava de brilho intacto.,tudo corria as mil maravilhas.

ver mais comentários
pub