Orçamento do Estado Marcelo garante que "não vai haver nem solavancos nem crises a propósito do Orçamento"

Marcelo garante que "não vai haver nem solavancos nem crises a propósito do Orçamento"

Presidente da República deixa recados ao Governo e à oposição. Marcelo quer um Executivo "reformista" e uma oposição em condições de substituir o Executivo em 2019 caso seja esta a vontade do eleitorado.
Marcelo garante que "não vai haver nem solavancos nem crises a propósito do Orçamento"
Cofina Media
Marta Moitinho Oliveira 09 de outubro de 2017 às 16:39

O Presidente da República defendeu esta segunda-feira que não espera que o Orçamento do Estado para 2018 motive uma crise na vida política portuguesa e pediu reformas ao Governo e uma oposição forte que possa substituir o Executivo, caso seja essa a vontade dos eleitores nas legislativas de 2019.

"Não vai haver nem solavancos nem crises, a propósito do Orçamento do Estado, na política portuguesa", disse Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas à margem da comemoração do centenário do Museu João de Deus.

O chefe de Estado explicou que termina esta segunda-feira as reuniões com partidos e parceiros sociais sobre o Orçamento – recebe hoje a UGT ao final da tarde - e que esta é a conclusão que retira dos encontros com os partidos.

"Embora o OE só me chegue às mãos em Dezembro, não fiquei preocupado com a hipótese de não haver OE", afirmou, acrescentando que tudo vai acontecer nos calendários previstos.

Questionado pelos jornalistas sobre a estabilidade política, depois das eleições autárquicas de 1 de Outubro, o Presidente da República deixou recados tanto para o Governo como para a oposição.

"O objectivo é a legislatura cumprir-se até ao fim", disse Marcelo, acrescentado que "é importante para nós, até económica e financeiramente, cá dentro e lá fora, e agora mais do que nunca, que a legislatura se cumpra e que o Governo seja forte – tenha um espírito reformista - e que a oposição seja forte e se constitua como uma alternativa ao Governo".

O Presidente da República reforçou as balizas que devem orientar o panorama político português. "Para Portugal continua a ser importante que a legislatura que dure até 2019, que o Governo faça o que tem de fazer, para que o percurso económico se traduza em crescimento, o percurso financeiro em equilíbrio orçamental e o percurso social em justiça".


"E que haja de um lado um poder político forte. E que haja uma oposição igualmente forte em condições de poder substituir se for essa a vontade dos portugueses em 2019."

A declaração de Marcelo sobre a oposição acontece numa altura em que o PSD - o maior partido da oposição - procura um novo líder após a saída de Passos Coelho, na sequência das autárquicas.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
A Social Democracia está no PS ou PSD ? 09.10.2017

Pergunto, face às Candidaturas Perfiladas chega-se á Conclusão, Afinal o PSD não é um Partido Social Democrata, Apenas se Vê Candidaturas Neoliberais, Pois afinal a Social Democracia está no PS, a ser como parece, o Eleitorado social democrata tem vivido num Logro, já que afinal o PSD é uma Mentira.

Invicta 09.10.2017

Porque não se cala este homem? Porque tem de dar faladura de tudo?

Ma 09.10.2017

Este martelo e comunista

Santana “Marcelo convidou-me há 09.10.2017

cerca de 3 semanas” diz SL hoje, depois de um lauto almoço com PR. Nada de mal, no convite, apenas convém tomar a devida nota que em caso de eleito no PSD, SL é o delfim de Marcelo. Ou seja será hipoteticamente o pau mandado do professor ;Marcelo. Nesta coisas o que parece é

ver mais comentários
pub