Mundo Marcelo: Impedir Obiang de ir a Fátima "seria oposto à ideia de mobilidade"

Marcelo: Impedir Obiang de ir a Fátima "seria oposto à ideia de mobilidade"

O chefe de Estado português não esclareceu hoje se convidou o Presidente da Guiné Equatorial a visitar Fátima, mas defendeu que impedir essa a visita a qualquer cidadão lusófono "seria oposto à ideia de mobilidade" na CPLP.
Marcelo: Impedir Obiang de ir a Fátima "seria oposto à ideia de mobilidade"
Bloomberg
Lusa 01 de Novembro de 2016 às 16:29
"Seria oposto à ideia de mobilidade e de circulação no espaço da CPLP o estar a colocar entraves a quem quer que seja na ida a Fátima no próximo ano", declarou o Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa falava numa conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro português, António Costa, no final da XI Cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Brasília, a propósito da vontade manifestada pelo Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema, de visitar o Santuário de Fátima.

A comunicação social perguntou-lhe se nesta cimeira de Brasília estendeu a Teodoro Obiang o convite que fez há três dias aos chefes de Estado e de Governo da Cimeira Ibero-Americana para que visitem Fátima no próximo ano, por ocasião do centenário dos acontecimentos de 1917 na Cova da Iria.

O Presidente português começou por responder que "é uma razão de satisfação que o maior número de chefes de Estado, chefes de Governo, representantes políticos, cidadãos comuns vão a Fátima pelo centenário das aparições, coincidindo com a visita papal".

Sem esclarecer se convidou ou não Obiang, acrescentou: "Portugal, que é um país aberto, folga com a ida dos dignitários dos mais diversos países e não tem nenhuma relutância nem nenhuma oposição, pelo contrário, seria oposto à ideia de mobilidade e de circulação no espaço da CPLP o estar a colocar entraves a quem quer que seja na ida a Fátima no próximo ano".

Depois de três perguntas da comunicação social portuguesa sobre a Guiné Equatorial, o primeiro-ministro português disse não resistir "a uma pequena ironia".

"Havia uma certa ideia de que a Guiné Equatorial era porventura o país da CPLP com quem nós teríamos menos relações e menor proximidade, mas eu vejo que pelo interesse dos jornalistas na Guiné Equatorial que se calhar nós estávamos enganados", afirmou.

Prosseguindo em tom irónico, António Costa concluiu: "Afinal, a nossa relação com a Guiné Equatorial é muito mais intensa do que a que temos com Angola, com o Brasil, com Cabo Verde, com a Guiné-Bissau, com Timor-Leste, com Moçambique. Eu julgava que com todos estes países a nossa relação era muito mais intensa, mas vejo pela vossa curiosidade que não, afinal o principal país com quem nós temos relação é a Guiné Equatorial. Para mim é uma lição".



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
jose Há 1 semana

o comentário do ministro Tuga sobre a pena de morte na Guiné equatorial, é claro que para a Esquerdalhada ignorante, o comentário do nosso MNE não é uma ingerência nos assuntos de um país soberano! ingerência só acontece se for o Schauble a falar de Portugal! kakakak, afinal eles são pretos, né?

Anónimo Há 1 semana

Se o homem quer ir a Fátima, por que razão não pode ir? desde quando a politica pode impedir alguém de exercer a sua religião? Se fossemos a ver o Salazar deveria ter sido impedido de ir a Fátima assim como os seus seguidores.
Nota: Não concordo com ditadores nem brancos nem negros nem às riscas.

Anónimo Há 1 semana

Impedir e uma coisa,convida-lo e outra.Ja vimos que nao importa com quem,importante e haver bodas a farta.Infelizmente o pagador(privado)nao e perdido nem achado nestas bogigangas astronomicas que ate por sinal tem o nome de POUPADINHO.Estou curiosio por ver o que trazes de encomendas par a eco.port

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub