Economia Marcelo: Nesta hora de dor e combate, guardemos as interrogações que nos angustiam

Marcelo: Nesta hora de dor e combate, guardemos as interrogações que nos angustiam

O Presidente da República apelou à união do país nesta "hora de dor, mas também de combate", e pediu aos portugueses que guardem no imediato as interrogações que os angustiam sobre o incêndio no distrito de Leiria.
A carregar o vídeo ...
Lusa 18 de junho de 2017 às 21:07

Numa comunicação ao país, a partir do Palácio de Belém, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou: "Nesta hora, há também interrogações e sentimentos que não podem deixar de nos angustiar, a começar por um sentimento de crescida injustiça, porque a tragédia atingiu aqueles portugueses de quem menos se fala, de um país rural, isolado, com populações dispersas, mais idosas, mais difíceis de contactar, de proteger e de salvar".

 

"Guardemos, contudo, no imediato, este e outros sentimentos que legitimamente nos sobressaltam, inconformistas que somos, no mais fundo do nosso coração", pediu.

 

"Sem os esquecermos, concentremos agora a nossa vontade no essencial: prosseguir o combate em curso, manter e alargar de forma activa e consequente a nossa solidariedade a todos quantos sofreram e ainda sofrem a tragédia, demonstrando que nos instantes mais difíceis da nossa vida como nação, somos como um só, por Portugal", acrescentou.

"A nossa dor neste momento não tem medida, como não tem medida a nossa solidariedade, a solidariedade de todos nós para com os familiares das vítimas da tragédia de Pedrógão Grande", declarou o chefe de Estado.

 

Marcelo Rebelo de Sousa referiu que "uma só morte em tais circunstâncias é sempre uma tragédia" e acrescentou que "tantas dezenas de mortos representam uma tragédia quase sem precedente na história do Portugal democrático".

 

O Presidente da República expressou "gratidão" e "incondicional apoio" a todos os que estão envolvidos no combate ao incêndio e no apoio às populações atingidas, "bombeiros, Proteção Civil, INEM [Instituto Nacional de Emergência Médica], Guarda Nacional Republicana, Polícia Judiciária, Forças Armadas, autarquias locais, estruturas de saúde e sociais, povo anónimo". "Com eles estarei nos próximos dias, a partir já de amanhã [segunda-feira]", adiantou.

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado IS 18.06.2017

Muito bem o PR nesta comunicação ao País.

comentários mais recentes
Ze Manel 19.06.2017

O populismo em demasia aborrece. Desta vez não disse nada que se aproveite. A única altura em que este tema é debatido é quando está tudo a arder, portanto pedir para estarem calados é empurrar o problema com a barriga como sempre tem sido feito.

IS 18.06.2017

O lado labrego do iletrado que se esconde atrás do nick ridículo de "Conselheiro de Trump" [Leitor não registado] está evidenciado. Um mero senil rude sem noção e sem educação mínima que tem uma competência comunicativa medíocre e escreve comentários profundamente estúpidos ao nível da sua incapacidade..

IS 18.06.2017

Muito bem o PR nesta comunicação ao País.

pub