Impostos Marcelo promulga lei que obriga fisco a divulgar estatísticas de transferências para "offshore"

Marcelo promulga lei que obriga fisco a divulgar estatísticas de transferências para "offshore"

O Presidente da República promulgou o diploma que obriga o fisco a divulgar as estatísticas com o valor total e destino das transferências de dinheiro de Portugal para paraísos fiscais (‘offshore’).
Marcelo promulga lei que obriga fisco a divulgar estatísticas de transferências para "offshore"
Miguel Baltazar
Lusa 15 de abril de 2017 às 11:59

De acordo com a informação publicada hoje no portal na Internet da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa aprovou o "diploma que determina a publicação anual do valor total e destino das transferências e envio de fundos para países, territórios e regiões com regime de tributação privilegiada (vulgo offshores), alterando a Lei Geral Tributária, aprovada pelo Decreto-Lei n.º 398/98, de 17 de Dezembro".

 

Este diploma foi aprovado em março no parlamento, por unanimidade, após a polémica em torno da não publicação, pelo Governo anterior, do PSD/CDS-PP, dos dados estatísticos referentes a transferências para ‘offshore’.

 

Com a alteração da lei, a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) fica obrigada a publicar anualmente, no seu ‘site’, o valor total anual das transferências e envio de fundos que tenham como destinatários cada um dos países, territórios e regiões com regime de tributação privilegiada mais favorável.

 

Entre 2011 e 2015, quando o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais era Paulo Núncio, não foram publicadas as estatísticas da AT com os valores das transferências para ‘offshore’, uma publicação que tinha passado a ser feita regularmente desde 2010, por despacho do então secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Sérgio Vasques (último governo de José Sócrates).

 

As estatísticas só voltaram a ser publicadas no Portal das Finanças por decisão do atual secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, sendo que o Ministério das Finanças detetou que houve 20 declarações de operações transfronteiriças (os modelos 38, enviadas pelos bancos ao Fisco) que "não foram objeto de qualquer tratamento pela Autoridade Tributária".

 

Em causa estavam quase 10.000 milhões de euros que foram transferidos para ‘offshore’ sem o tratamento pela Autoridade Tributária e Aduaneira entre 2011 e 2014.

 

Inicialmente, em declarações ao Diário de Notícias, Paulo Núncio começou por responsabilizar a AT pela não divulgação pública das estatísticas, afirmando que "essa divulgação não estava dependente de uma aprovação expressa ‘a posteriori’ do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais".

 

No entanto, Paulo Núncio acabou por ser desmentido, no mesmo dia, pelo antigo diretor-geral do Fisco Azevedo Pereira, que garantiu ter solicitado autorização, por duas vezes, ao ex-secretário de Estado para publicar dados relativos às transferências para ‘offshore’, mas "em nenhum dos casos" esta lhe foi concedida.

 

No parlamento, o ex-secretário de Estado dos Assuntos Fiscais acabou por admitir depois que deu uma "não autorização" de publicação das estatísticas sobre as transferências para as ‘offshore’, considerando que não era obrigado legalmente a fazê-lo.

 

E assumiu que essa não divulgação se deveu "ao facto de ter dúvidas se as devia publicar ou não devia publicar", devido a "duas ordens de razão": a publicação das estatísticas "podia dar algum tipo de vantagem ao infrator" e inclusive "prejudicar o combate à fraude e evasão fiscal".

 


A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 15.04.2017

Quanto mais tentam controlar , mais descontrolam; Se o dinheiro sai, e' porque nao ha liberdade economica; oferecam alguma estabilidade e proteccao ao investiment privado e verao que ninguem mai quer offshores, e o dinheiro volta em vez de sair.

comentários mais recentes
Anónimo 15.04.2017

Será que para o Gibraltar é proibido? não faz parte da UE? ou para o Luxemburgo? ou para as ilhas inglesas de Man ou tantas outras? ...se não souberem perguntem ao tal amigo do ex 1º ou ao tal da mota de água....A velha England agradece.

Anónimo 15.04.2017

Os imigrantes em vez de enviarem as divisas deviam era de colocar em off shores ou deixar o dinheiro onde o ganharam, depois de o enviarem já tem limitações para o poder retirar.
Enquanto são imigrantes são lambuzados de promessas, vejam o caso BES , quando regressam são esquecidos e gozados.

Anónimo 15.04.2017

Quanto mais tentam controlar , mais descontrolam; Se o dinheiro sai, e' porque nao ha liberdade economica; oferecam alguma estabilidade e proteccao ao investiment privado e verao que ninguem mai quer offshores, e o dinheiro volta em vez de sair.

free 15.04.2017

Envios só? Porque não também recebimentos? E porque só para destinos com tributação privilegiada (offshores)? Porque não publicar estatísticas regulares sobre todos os movimentos de capital de e para todos os destinos do mundo, com ou sem tributação privilegiada? Escondem algo à custa de offshores?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub