Segurança Social Marcelo quer que sistema de Segurança Social seja sustentável

Marcelo quer que sistema de Segurança Social seja sustentável

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse hoje esperar que o sistema de Segurança Social nacional seja sustentável.
Marcelo quer que sistema de Segurança Social seja sustentável
Lusa 08 de maio de 2017 às 15:10

"Queremos que o nosso sistema de Segurança Social perdure no futuro, é ao que se chama, na linguagem dos especialistas, que seja sustentável. Quer dizer, que haja maneira de pagar indefinidamente, não é só por mais três anos, cinco ou dez anos: é indefinidamente", sustentou.

 

Na sua intervenção numa visita à Associação de Solidariedade Social e Recreativa de Nespereira, no concelho de Cinfães, Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou a importância de se continuar a trabalhar para ir respondendo às necessidades de um Portugal que mudou e tem hoje um grande número de população envelhecida.

 

"Por outro lado, que se vá trabalhando também para garantir que a Segurança Social é sustentável e tem condições financeiras para continuar a dar aquilo que é necessário e, se possível, dar mais e melhor, mas continuar a dar, por um período muitíssimo mais longo de tempo", acrescentou.

 

O Presidente da República destacou que, de vez em quando, surge a preocupação em saber se haverá condições para pagar o sistema de Segurança Social actual.

 

"Lembro-me que, quando estava na liderança partidária, se discutia se chegaria, até que ponto no século XXI, até que ano. Depois houve mudanças nas leis e na forma de funcionamento e hoje já ninguém tem uma preocupação que havia há 20 anos, que era: como é que vai durar para além de 2020, mas 2020 é já depois de amanhã", referiu.

 

Aos presentes apontou que ouviu hoje "o senhor ministro [da Segurança Social] dizer que, pelo menos até 2030, tal como está o sistema, não havia nenhum problema de financiamento".

 

"Mas, foi o primeiro a dizer que estão a trabalhar para não ficar por 2030 e ir para lá em 2030. É bom que se trabalhe como se está a trabalhar, com qualquer dos governos, pois isto não é um problema de governo de uma cor ou de outra, é um problema do país", disse.

 

Ao longo da manhã, Marcelo Rebelo de Sousa visitou as instalações da Associação de Solidariedade Social e Recreativa de Nespereira, que recebeu parte dos 45 mil euros que sobraram da sua campanha presidencial.

 

Os 20 mil euros entregues em Março serviram para a instituição comprar uma carrinha de apoio ao serviço domiciliário, que acabou por experimentar, numa altura em que seria feita a entrega de almoços.

 

Nesta ocasião foi ainda entregue um terço feito pelos utentes mais idosos da instituição, que solicitaram ao Presidente da República que o fizesse chegar ao papa Francisco, durante a visita que tem prevista a Fátima.

 


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Ele diz que quer muita coisa mas esteve sempre do lado dos que não querem reformar o que quer que seja neste país.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Ó Marcelo, o que tu queres são votos, likes e dar palmadinhas nas costas. Vai enganar outro. O excedentarismo dá-te votos, as pensões de reforma que dão tudo hoje e nada amanhã dão-te likes e as palmadinhas nas costas dos pobrezinhos e esquecidos é o que melhor sabes fazer sem contudo solucionares de modo inteligente, justo e sustentável o que quer que seja.

Anónimo Há 2 semanas

As reformas pararam e o despesismo com salários injustificáveis e futuras pensões disparou, iniciando a contagem decrescente para o próximo resgate à República. O engano ou ilusão que se viveu entre 2005 e 2010 está a ser minuciosamente replicado pelo novo governo socialista. Não tenhamos dúvidas disto. Portugal julga-se imune à quarta revolução industrial e mais uma vez opta por não participar nela ou não se adaptar a ela julgando ser possível viver como economia de elevado rendimento usando o paradigma do funcionalismo público excedentário alavancado pelo crédito bancário e tendo fé no turismo.

Anónimo Há 2 semanas

Ele diz que quer muita coisa mas esteve sempre do lado dos que não querem reformar o que quer que seja neste país.

pub
pub
pub
pub