Política Sondagem: Marcelo recupera popularidade pela primeira vez em quatro meses

Sondagem: Marcelo recupera popularidade pela primeira vez em quatro meses

No mês em que pediu mais investimento e crescimento para a economia, Marcelo Rebelo de Sousa voltou a subir nas avaliações dos portugueses, o que não acontecia desde Janeiro passado.
Sondagem: Marcelo recupera popularidade pela primeira vez em quatro meses
Paulo Zacarias Gomes 14 de maio de 2017 às 20:00

A avaliação da actuação do Presidente da República recuperou no último mês pela primeira vez em quatro, depois de em Janeiro deste ano – quando comemorava um ano de mandato - ter atingido o valor mais elevado, de 19,1 valores.


No Barómetro Político da Aximage para o Jornal de Negócios e Correio da Manhã, o antigo comentador político é avaliado pelos inquiridos com 18,4 pontos, uma subida de 0,1 pontos em relação ao barómetro de Abril, no mês em que veio dizer que os resultados orçamentais do Governo Costa são sustentáveis, e que o desempenho económico do Governo socialista confirma e melhora o do Executivo Passos.


Para 88,1% dos inquiridos, Marcelo actuou "bem", enquanto 5,3% dizem que a acção do Chefe de Estado foi "assim-assim". Para 4,4%, Marcelo esteve "mal" enquanto mais alto magistrado da Nação.



Ficha técnica

Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel.

Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 603 entrevistas efectivas:270 a homens e 333 a mulheres; 55 no Interior Norte Centro, 91 no Litoral Norte, 112 na Área Metropolitana do Porto,105 no Litoral Centro, 159 na Área Metropolitana de Lisboa e 81 no Sul; 95 em aldeias, 167 em vilas e 341 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral.

Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido nos dias 5 a 8 de Maio de 2016, com uma taxa de resposta de 79,8%.

Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 600 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,020 (ou seja, uma "margem de erro" – a 95 % -de 4,00 %).

Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda .,sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 14.05.2017

Portugal bateu no fundo com este presidente. Não tem ideias nem ideais para Portugal. É o deixa andar com um sorrizinho sempre pronto para as selfies. Um líder que quer agradar a toda a gente não devia ser líder, devia ser vendedor da carrinha de gelados.

comentários mais recentes
Anónimo 14.05.2017

Portugal bateu no fundo com este presidente. Não tem ideias nem ideais para Portugal. É o deixa andar com um sorrizinho sempre pronto para as selfies. Um líder que quer agradar a toda a gente não devia ser líder, devia ser vendedor da carrinha de gelados.

Anónimo 14.05.2017

Este gajo não é PS, não é BES, não é PSD nem é CDS, não é nada. Este gajo é de quem lhe der votos, popularidade e estiver no poder.

Conselheiro de Trump 14.05.2017

O selfie MINUSCULO faz lembrar aquela avozinha que esconde o neto debaixo do avental depois de ter partido a molga do caldo.

pub