Política Marcelo: "Temos de ter acordos explícitos ou implícitos de médio prazo"

Marcelo: "Temos de ter acordos explícitos ou implícitos de médio prazo"

Marcelo pediu aos partidos políticos e aos parceiros sociais para que olhem além da espuma dos dias e se entendam sobre o essencial.
Eva Gaspar 23 de Novembro de 2016 às 11:32

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, voltou a defender a necessidade de os agentes políticos em Portugal se articularem sobre uma estratégia de médio prazo para o país, considerando que essa articulação já está em vários domínios a ser realizada, ainda que "de forma tácita" e mesmo por quem se apresentava contra o sistema. 

 

"Mantendo as divergências e a diversidade próprias das democracia, e que tem impedido o surgimento de populismos como noutros países europeus, é fundamental ter a noção do que é crucial e duradouro. Espero que isso prevaleça em 2017 e nos anos vindouros".

 

Falando na abertura da conferência anual do Negócios, que decorre nesta quarta-feira, 23 de Novembro, em Lisboa, Marcelo frisou que essa convergência é essencial para recuperar e manter a confiança, o que é fundamental, por seu turno, para o investimento.

 

A este propósito, o presidente mostrou-se optimista, afirmando existirem várias decisões  de investimento pendentes, sendo que algumas poderão ser antecipadas para o próximo ano, designadamente na área da distribuição.

 

"Tudo  o que fosse um centrão artificial seria pouco clarificador para o país", contudo "temos de saber ir além da espuma dos dias" e ter "uma espécie de regime não escrito" em domínios como a defesa, a política europeia e externa ou sobre "o essencial das finanças públicas", precisou.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub