Política Marcelo "tranquilo" com segunda metade da legislatura

Marcelo "tranquilo" com segunda metade da legislatura

Marcelo Rebelo de Sousa manifestou-se hoje um "Presidente tranquilo" com a segunda parte da legislatura e afirmou que não vê motivos para o Governo não ir até ao final do mandato, em 2019.
Marcelo "tranquilo" com segunda metade da legislatura
Lusa 24 de setembro de 2017 às 20:08

"Não vejo razão para questionar aquilo que é uma meta importante: cumprir-se a legislatura", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, à margem da Festa do Livro, no Palácio de Belém, em Lisboa.

 

A pergunta aconteceu no final de um dia em que o líder do PS e primeiro-ministro, António Costa, pediu que o seu partido saia "reforçado" nas autárquicas do próximo domingo, sublinhando que tal é necessário para melhor percorrer a "metade que falta" da legislatura iniciada há dois anos.

 

Para Marcelo Rebelo de Sousa, foi muito importante o que se conseguiu nesta legislatura, um governo PS minoritário, com o apoio parlamentar da esquerda, PCP, BE e PEV - a "estabilidade política, institucional, económica e financeira".

 

Até 2019, há duas eleições, já no domingo, as autárquicas e, depois, as europeias.

 

O "debate político e o confronto", as questões sociais são "normais em democracia", afirmou. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 24.09.2017

Ai aguenta, aguenta! Protegido como está pelo professor costa e pela geringonça, se um cair, cai tudo. Não sei é se nós aguentaremos. Também, se já aguentamos sócrates...

Anónimo 24.09.2017

Mais 2 anos ? Não aguento.