Política Marcelo chama atenção para importância da "estabilidade fiscal"

Marcelo chama atenção para importância da "estabilidade fiscal"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, chamou a atenção para a importância da "estabilidade fiscal" para o investimento, numa declaração ao jornal económico 'online' Eco.
Marcelo chama atenção para importância da "estabilidade fiscal"
Bruno Simão/Negócios
Lusa 10 de Outubro de 2016 às 07:38

Num vídeo colocado na página do jornal em que, segundo explica o Eco, foi convidado a "enunciar as prioridades que gostaria de ver respondidas" no Orçamento do Estado do próximo ano, Marcelo Rebelo de Sousa fala na necessidade de haver "uma atenção à estabilidade fiscal, que é uma estabilidade importante em termos de investimento".

 

O Presidente afirma que "o futuro imediato" de Portugal "levanta vários desafios", sendo o primeiro "continuar a manter o rigor (...) para que se aponta este ano e no ano que vem a nível orçamental".

 

"Mas juntar a esse rigor, para além justiça social, a preocupação do crescimento económico e da criação de emprego. O que significa, em última análise, o fomento das exportações e a confiança necessária para mais investimento interno e externo. São prioridades comuns a toda a sociedade portuguesa, que depois têm consequências no plano orçamental quando se pensa no equilíbrio a estabelecer entre uma contenção apreciável de despesas", acrescenta.

 

"E também uma atenção à estabilidade fiscal, que é uma estabilidade importante em termos de investimento", enumera ainda.

 

O Presidente acrescenta que o momento actual do país também "convida a uma preocupação" que tem tido "desde o início do mandato, que é a da estabilidade política, da estabilidade institucional, da inexistência de crises, da 'discrispação', da distensão do diálogo entre partidos e parceiros económicos e sociais".

 

O jornal Eco arrancou esta segunda-feira, 10 de Outubro, numa "ocasião muito importante da vida mundial, europeia e nacional", segundo Marcelo Rebelo de Sousa, para quem, no contexto internacional, "uma série de acontecimentos políticos", que não concretiza, "poderão vir a condicionar a situação económica, financeira e social por todo o mundo".

 

Em relação à "encruzilhada" da Europa, diz ser preciso "avançar com respostas para problemas como as migrações, os refugiados, a circulação interna, Schengen e a própria afirmação externa da União".




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas



PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.


comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas


SALÁRIO MÉDIO DOS PROFESSORES PORTUGUESES É O 3.º MAIS ALTO DA EUROPA, EM 2015.

"No caso dos docentes com salários mais altos, em que o rendimento dos docentes é superior ao PIB per capita, Portugal aparece em destaque como o terceiro com salários mais elevados da Europa: Bosnia Herzegovina (327%), Chipre (282%) e Portugal (245%)."

Relatório da Eurydice.

Anónimo Há 3 semanas

E eu chamo a atenção para o PR, em quem maldita hora votei , que ponha os pés na terra e que veja como estamos de taxas e taxinhas , o maior aumento de impostos , e ele muito Feliz com o senhor Contente.Ele sabe como está o País ,não porque perceba de ecónomia mas tem quem o aconselhe.

Anónimo Há 3 semanas

marcelo no seu melhor

Anónimo Há 3 semanas


FP e CGA - SEMPRE A ROUBAR À GRANDE

E não deixa de ser anedótico que o contribuinte que vê a sua reforma cada vez mais longe e mais baixa, ainda seja chamado para pagar as reformas da CGA.

Fica aqui a lista do pilim que a CGA consome ao OE (e que todos os contribuintes pagam):

Milhares de € - Pordata

Ano - Receitas CGA / Trf Orç. Estado / Despesa total

2008 - 2.298.320,0 / 3.396.097,0 / 6.705.927,0

2010 - 3.453.777,2 / 3.749.924,6 / 7.489.193,3

2012 - 2.846.863,0 / 4.214.632,7 / 7.196.785,9

2015 - 4.927.319,1 / 4.601.342,3 / 9.528.661,4

ver mais comentários
pub