Política Marcelo homenageia Cavaco e sublinha "sensibilidade social" do seu antecessor

Marcelo homenageia Cavaco e sublinha "sensibilidade social" do seu antecessor

O Presidente da República homenageou esta segunda-feira o seu antecessor no cargo, sublinhando a "sensibilidade social" demonstrada por Cavaco Silva há dez anos, quando elegeu a inclusão como uma prioridade política.
Marcelo homenageia Cavaco e sublinha "sensibilidade social" do seu antecessor
Bruno Simão
Lusa 10 de Outubro de 2016 às 14:24

"Quero agradecer-lhe ter sabido compreender o que se passava na sociedade portuguesa, ter sabido eleger a inclusão social como tema do primeiro roteiro presidencial e ter sabido dar o seu próprio exemplo no lançamento da Bolsa de Voluntariado", afirmou o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, na cerimónia que assinalou os 10 anos do lançamento da Bolsa de Voluntariado, que decorreu na zona de Alcântara, em Lisboa, e contou também com a presença de Aníbal Cavaco Silva.

 

Admitindo que a memória das pessoas às vezes é curta, Marcelo Rebelo de Sousa disse ser necessário reconhecer que "representa uma percepção, uma sensibilidade social muito aguda" lançar em 2006 um roteiro preocupado com a inclusão social quando o mundo ainda não tenha conhecido a crise que atravessaria anos mais tarde.

 

"As memórias não prescrevem, a memória do actual Presidente da República não prescreve, a memória dos portugueses também não prescreverá", enfatizou, insistindo que há dez anos Cavaco Silva compreendeu o problema da inclusão social e assumiu-o como "prioridade política e social", além de também ele próprio ter dado o exemplo ao ser o primeiro a inscrever-se como voluntário na Bolsa de Voluntariado.

 

"Os gestos valem mais do que as palavras, valem mil palavras, e o gesto da inscrição pelo Presidente Cavaco Silva valeu, do ponto de vista de responsabilidade política e social, por muitas palavras", acrescentou.

 

Marcelo Rebelo de Sousa, que preferiu "deixar o coração falar" em vez de seguir o discurso que tinha preparado, destacou ainda o papel que Maria Cavaco Silva, mulher do ex-Presidente da República, também desempenhou, não só inscrevendo-se como "número dois na Bolsa de Voluntariado", como pelo forma como no dia-a-dia foi dando apoio, conforto, ânimo e incentivo "a milhentas instituições sociais".

 

O Presidente da República fez igualmente referência aos milhares de voluntários que existem por todo o país, destacando a viragem que se foi assistindo na sociedade, anteriormente com uma rede de apoio social baseada na família e na vizinhança e, agora, com uma nova resposta, com novas instituições e uma nova forma de organização e sistematização.

 

"O voluntariado é um desafio que o Presidente Cavaco Silva intuiu e que é cada vez mais importante na sociedade portuguesa, é mais importante e necessário do que há dez anos e vai ser mais necessário daqui a 10 anos", referiu.

 

No final da sua intervenção, o chefe de Estado destacou ainda "o papel liderante" de Isabel Jonet, não só na Bolsa de Voluntariado, como no Banco Alimentar Contra a Fome ou na Entreajuda, confessando gostar do seu estilo, com "a boca ao pé do coração" e dizendo "aquilo que entende dizer e que não é politicamente correto ou não é socialmente correto".

 

"As pessoas devem olhar não tanto para uma ou outra palavra, mas para o exemplo de vida que é excepcional", vincou, adiantando que, oportunamente, o Estado também lhe prestará homenagem, galardoando-a.

 

Já no final da cerimónia, Marcelo Rebelo de Sousa justificou a homenagem a Cavaco Silva, dizendo que ele a "merece" e reiterando que "ele viu por antecipação uma situação social que o preocupou e percebeu a importância do voluntariado".

 

"É uma homenagem justa, quando há homenagens a prestar, devem ser prestadas", salientou.

 

Os jornalistas tentaram também falar com Cavaco Silva, mas o ex-Presidente da República passou pela comunicação social no final da cerimónia em passo apressado, ao lado da mulher, não tendo sequer parado.




A sua opinião46
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Carla Alves Há 3 semanas

Ao ler a notícia fui confirmar se não estava a ler o " Inimigo Publico" ... Ao ver que não , temo seriamente pela sanidade mental do nosso presidente!

comentários mais recentes
As aves de rapina do PSD. Há 3 semanas

Por este andar o Presidente ainda vai dar uma medalha ao presidente da Câmara de Celorico de Bastos,que é arguido por corrupção e continua no poleiro.

JCG Há 3 semanas

Não votei em Marcelo, nunca dei grande coisa por ele, não valorizo a banha da cobra, Marcelo não é a referência de que os portugueses precisam, é especialmente um vendedor de banha da cobra e um artista de variedades de feira de provìncia.

Ao mesmo tempo que vem a lume mais um detalhe da personalidade e comportamento de Cavaco - parece que andou a aldrabar o fisco - nada como vir Marcelo a elogiá-lo.

Péssima pedagogia Sr Presidente, a de misturar oportunistas e vigaristas com gente séria que é para confundir a percepção social que os portugueses têm destas coisas. Como é óbvio, isso tem consequências. O pântano em que nos afundámos é uma delas. E não é com pieguices que saímos dele, mas com orientação competente e trabalho organizado e motivado.

Esquerda Volver Há 3 semanas

mmmpinto das 23H44, o sr que se diz bem informado devia saber que as tais 500 toneladas de ouro estão depositadas nos EUA. Quanto ao facto da direita estar recheada de ladrões da "coisa publica, é uma grande verdade. Aí concordo consigo. Não preciso de dar exemplos pois são por demais conhecidos.

mmmpinto Há 3 semanas

Pois é Presidente...
Neste país que agora Preside, qualquer palavra de louvou, a alguém que a mereça e, não seja conotado com os "génios" que nos tomaram em 1974, tem muitos dos comentários abaixo. Nem interessa, se esses comentários ofendem que lhe deu, em consulta popular, 4 maiorias absolutas!!! Agora, já devem ser comentários das "ninhadas" dos "heróis" de Abril. Os cerca de 230 mil milhões de euros que a Pátria deve, mais as 500 toneladas de ouro que se eclipsaram e, ainda a fortuna existente em Abril de 1974 que se simiu, sabe-se lá como, foram tudo "obra" do cavaquismo!!!
Registe, o que vão dizer de V.Excelência, mesmo não sendo governo, quando terminar o seu mandato.
Nessa altura, pelo andar da carruagem, pode imaginar-se, como estarão as contas públicas. Ora, como para a onda reinante, actualmente em moda, só há ladrões na "direita", é muito provável que sobre para o Presidente da República!!!

ver mais comentários
pub