Política Marcelo: Não fiquem à espera de "eleições que não chegam" e façam acordos

Marcelo: Não fiquem à espera de "eleições que não chegam" e façam acordos

O Presidente da República apelou esta quarta-feira a parceiros sociais e partidos políticos para que pensem no futuro, em vez de ficarem à espera de "eleições que não chegam", e façam acordos de médio e longo prazo.
Marcelo: Não fiquem à espera de "eleições que não chegam" e façam acordos
Bruno Simão/Negócios
Lusa 12 de Outubro de 2016 às 17:43

Durante uma sessão comemorativa do 25.º aniversário do Conselho Económico e Social (CES), na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa reiterou que acredita "em entendimentos, ao menos parcelares, na saúde, na educação, nalguns domínios laborais, na reforma do Estado" e eventualmente - "quem sabe se mais longinquamente" - na Segurança Social.

 

"Tudo dependerá de os parceiros sociais, tal como os partidos políticos, optarem por estratégias de curto ou de médio e longo prazo. Se preferirem pautar a sua conduta pelo conjunturalismo, vários deles esperando todos os dois meses eleições que não chegam, dificilmente olharão para o médio e longo prazo", disse.

 

O Presidente da República acrescentou que, "se optarem por uma óptica de médio longo prazo, terão boas razões para levarem mais longe acordos sociais".

 

Marcelo Rebelo de Sousa insistiu no apelo: "Pensemos todos um pouco menos no dia de amanhã ou depois de amanhã, pensemos todos um pouco mais no Portugal, já não digo de 2020, 2030, 2040 ou 2050, mas pelo menos de 2019, 2023, 2027, 2031, para nos atermos ao ritmo quadrienal das legislaturas, que é um bom ritmo em termos de estabilidade política".

 

O chefe de Estado salientou que "não há posições relativas eternas" em democracia: "Quem ontem se sentia mais confortável sente-se hoje com menos espaço de manobra, e o mesmo poderá sempre acontecer no futuro".

 

"Para Portugal, o ideal seria e será que parceiros económicos e sociais, tal como partidos políticos, não desperdicem as suas energias numa estrita perspectiva de curto prazo e olhem para o futuro a prazo mais longo. É esse o meu apelo", concluiu.

Durante este discurso, o Presidente da República considerou que "nos últimos dez meses é inegável que se vive um tempo singular de paz social", que deveria originar "acordos de concertação social, mesmo se circunscritos", sem parceiros "ostracizados".

 

O Presidente argumentou que "o Estado social, o crescimento, o emprego, a competitividade externa, a justiça social, a correcção das desigualdades só ganham com a concertação social".

 

Neste ponto, lamentou que "a noção de resgate" reapareça de vez em quando: "O biombo dos memorandos europeus, tal como o conhecemos, é de outro tempo, de outra Europa. Tal como a noção de resgate, que de quando em vez reaparece patologicamente, fora de tempo e de espaço, sem lógica e sem viabilidade".

 

"Até porque, já o disse e reafirmo, 2016 e 2017 não são iguais a 2011. E ainda porque os anos 90 em Portugal, como na Europa e no mundo, esses são por maioria de razão irrepetíveis", acrescentou.

 

Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que o CES "deve ser ouvido atempadamente", sobre opções fundamentais em matérias económicas, financeiras e sociais, "para que não fique no espírito de muitos portugueses a ideia de uma limitada importância atribuída ao órgão cimeiro de representação orgânica da sociedade civil".

 

"Ideia essa agravada se os partidos se revelarem incapazes de concordar de modo alargado ao menos quanto à própria presidência do órgão", completou, numa alusão à eleição falhada do antigo ministro da Saúde socialista António Correia de Campos, que na sexta-feira vai novamente a votos no parlamento, com base num acordo entre PS e PSD.

 

No final desta sessão, questionado pelos jornalistas sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2017, o Presidente da República respondeu que não comenta "especulações" sobre um documento que não foi ainda apresentado.

 

O chefe de Estado frisou que, depois de apresentado, o Orçamento vai ser debatido no parlamento, na generalidade e na especialidade, e reafirmou que só se pronunciará no final desse "processo longo, complexo".

 

Quanto ao conteúdo da proposta do Governo, realçou que normalmente "até último minuto há ajustamentos a fazer", de "medidas ou aspectos de pormenor".

(Notícia actualizada às 18:37 com mais informação)




A sua opinião50
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


FP e CGA - SEMPRE A ROUBAR À GRANDE

E não deixa de ser anedótico que o contribuinte que vê a sua reforma cada vez mais longe e mais baixa, ainda seja chamado para pagar as pensões da CGA.

Fica aqui a lista do pilim que a CGA consome ao OE (e que todos os contribuintes pagam):

Milhares de € - Pordata

Ano - Receitas CGA / Trf Orç. Estado / Despesa total

2008 - 2.298.320,0 / 3.396.097,0 / 6.705.927,0

2010 - 3.453.777,2 / 3.749.924,6 / 7.489.193,3

2012 - 2.846.863,0 / 4.214.632,7 / 7.196.785,9

2015 - 4.927.319,1 / 4.601.342,3 / 9.528.661,4

comentários mais recentes
Manel Pires Antunes Há 3 semanas

Amigo, quem não quis fazer acordos?!

Criador de Touros Há 3 semanas

Não estou optimista em relação à política em Portugal e até sou naturalmente um optimista... Espero que tudo corra pelo melhor.

Madalena Corrêa de Sá Há 3 semanas

Mas quais acordos depois do que o OS fez? Sr Presidente da República não merecemos esta trapalhada toda!!!

Criador de Touros Há 3 semanas

Mas se o povo é cada vez mais nihilista torna-se complicado arranjar um líder com qualidade... Na esquerda é fácil fazer isso, são demagogos por natureza...

ver mais comentários
pub