Presidenciais Maria de Belém: "Houve uma campanha negra dirigida contra mim"

Maria de Belém: "Houve uma campanha negra dirigida contra mim"

Em entrevista ao jornal i, a antiga candidata à Presidência da República lamenta a "campanha negra" de que foi vítima, mas reitera que, mesmo sabendo o que sabe hoje, teria feito tudo na mesma.
Maria de Belém: "Houve uma campanha negra dirigida contra mim"
Bruno Simão/Negócios
Negócios 03 de fevereiro de 2017 às 09:53

Se soubesse o que sabe hoje, Maria de Belém diz que teria voltado a candidatar-se à Presidência da República. Apesar de considerar que foi vítima de "uma campanha negra", a ex-ministra da Saúde considera que é preciso que as mulheres se cheguem à frente e "dêem o corpo às balas". Até para desmontar a ideia de que, se não há mais mulheres na política, é porque elas não querem.

 

Numa entrevista ao jornal i, ocupada sobretudo a falar da condição feminina, Maria de Belém acaba por revisitar brevemente a batalha eleitoral para as presidenciais, um processo do qual saiu com um resultado muito baixo e uma dívida avultada para pagar do seu próprio bolso.

Garante que, "se soubesse o que sei hoje, ter-me-ia candidatado na mesma. Já sabia os riscos do que poderia acontecer". E os riscos foram o de ter o PS oficialmente neutral mas oficiosamente do lado de Sampaio da Nóvoa, deixando Maria de Belém praticamente isolada, e de, como qualquer figura pública, ver desenterradas posições passadas que pudessem ser usadas contra si no calor da campanha, como foi o caso da notícia sobre a sua posição relativamente às subvenções vitalícias, cujo direito já tinha assegurado por antecipação.

Maria de Belém, que já no passado tinha afirmado ter sido vítima de uma "onda populista e demagógica", reitera agora, mais de um ano depois das eleições, que "houve uma campanha negra dirigida contra mim que foi muito visível". Ainda assim, garante que está tudo apaziguado. Com o PS e com Marcelo Rebelo de Sousa, contra quem teve um debate de campanha confrontacional.

Diz que não tem de fazer as pazes com o PS, porque não estava zangada. "Ninguém tem de estar zangado comigo nem eu com ninguém. O meu percurso no PS foi aquele que achei que devia ser, não há zangas nem problemas", afiança.

Já relativamente a Marcelo Rebelo de Sousa, diz ter "estima por ele. Nunca foi meu inimigo, foi meu adversário".




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Simplesmente nojento! todos aqueles que recebem as subvenções vitalícias da política dizem bem porque optaram por ela, e não para servir o país como tentam fazer crer. Mais uma vez repito: são um nojo.

comentários mais recentes
henriquesrdoliveira Há 2 semanas

Uma campanha negra é a mesma expressão usada pelo Sócrates em relação às acusações de corrupção.

Não é coincidência que esta cidadã esteja indicada pelo Sócrates como testemunha abonatória.

Anónimo Há 2 semanas

Haja decoro. Esta senhora refugia-se nas "mulheres" para disfarçar a sua nojice.
Enquanto 3 milhões vivem com pensões de miséria, julga-se no direito a uma pensão vitalícia milionária com 8 anos de trabalho.

O negro foi as pensões vitalícias. Há 2 semanas

A ganancia mata,o povo esta mal,mas não tem vergonha e armam-se em vitimas.fostes corrida e bem corrida o povo abriu os olhos e não quer traições.

Anónimo Há 2 semanas

Ela já pagou o que deve da campanha presidencial?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub