Finanças Públicas Maria Luís espera que Schäuble continue com "razões para elogiar Portugal"

Maria Luís espera que Schäuble continue com "razões para elogiar Portugal"

A vice-presidente do PSD, Maria Luís Albuquerque, expressou este sábado o desejo de que o ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, continue com "razões para elogiar Portugal" por isso ser "o melhor "para o país.
Maria Luís espera que Schäuble continue com "razões para elogiar Portugal"
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 22 de julho de 2017 às 23:17

Maria Luís Albuquerque falava à margem da apresentação do mandatário e candidato à Assembleia Municipal da lista de Cancela Moura, apoiado pela coligação PSD/CDS à Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, o eurodeputado social-democrata Paulo Rangel e a deputada centrista Cecília Meireles, respectivamente.

 

Numa reacção aos elogios feitos pelo ministro alemão ao desempenho do Governo português em entrevista ao semanário Expresso, a ministra das Finanças do anterior Governo passou ao lado da polémica. "Gostaria muito que o senhor Schäuble tivesse sempre razões para elogiar Portugal nesta matéria, independentemente de quem esteja no Governo porque era o melhor para todos nós", disse.

 

Num breve regresso ao passado, a vice-presidente social-democrata reconheceu que "há um caminho de consolidação das finanças públicas que prosseguiu no essencial com o Governo anterior". "Nós herdámos um défice de 11,2% e trouxemos esse défice, excluindo o efeito Banif, que já foi depois da saída do anterior governo passou para um valor inferior a 3%", sublinhou, para logo depois lembrar o "enorme esforço de consolidação das finanças públicas que vem de trás".

 

Invocando discordância com o modelo de consolidação seguido pelo actual Governo, disse-o por achar que "não é sustentável nem transparente", considerando que isso "hoje é evidente para todos". "Preocupa-nos muito aquilo a que estamos a assistir quer em temos de dívida pública, que continua a não dar sinais de baixar, e os recentes desenvolvimentos quanto ao défice externo do país, que são um indicador muito preocupante", disse.

 

Argumentando que "a preocupação com a consolidação da economia e das finanças do país tem de passar por mais do que algumas medidas de maquilhagem" como as verificadas "no orçamento de 2016", defendeu que só com "medidas sustentáveis e estruturais ou estruturantes" se conseguem "produzir os resultados que seriam necessários".

 

"Os resultados em termos de défice e a saída do procedimento por défice excessivo são manifestamente um resultado positivo para o país, como dissemos desde o início. Mas, mais uma vez, preocupa-nos muito a forma como estão a ser conseguidos e sobretudo a falta de sustentabilidade que os mesmos têm", alertou.

 

Da entrevista do antigo presidente do Banco Espírito Santo, Ricardo Salgado, Maria Luís Albuquerque afirmou que nada do que o antigo banqueiro afirmou quando imputou a culpa pela crise no banco ao Banco de Portugal "é novo".

 

"Tivemos uma comissão parlamentar de inquérito onde os vários intervenientes do processo, incluindo Ricardo Salgado tiveram a possibilidade de falar, portanto a entrevista não trouxe nada de novo relativamente aquilo que já foi dito antes", observou.

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
eleitor Há 3 semanas

O estilo próprio do Laranjal, a ironia de quem foi uma péssima ministra para não dizer "sinistra", incompetência e falcatruas em que se distinguiu ADMIRAVELMENTE. Quanto ao Shäuble, as opiniões que imite valem tanto que um zero em que me diz respeito.

0bservador Há 3 semanas

Palavras cinicas de uma ex ministra das finanças completamente incompetente e totalmente oportunista, pois aproveitou-se do cargo de Ministra das Finanças para se meter depois numa empresa privada (que jogou na divida contra o Estado Português) e só a quis para lhe dar conselhos dos calcanhares de Aqpodres da cecomnomia portuguesa .

Anónimo Há 3 semanas

Esta corrupta pensava q era a melhor. A galinha cacarejante de PSD antgª profª do PC fica de rastos q vê
alguém q está a contribuir p melhorar as contas melhor do q ela. As PPP deram cabo dela. Foi sempre a s preocupação tanto q s confirmou q foi p o lugar q exerce .Ai se fosse ao contrário

O PSD devia secar os eucaliptos infil. que o secam Há 3 semanas

Quero ver a lata desta gente,quando for a Celorico de Bastos dar apoio a um corrupto do seu Partido.foram a Gaia estão com saudades do Menezes e do Marco.O povo è sábio não se deixa enganar,os da geringonça são sérios.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub