Finanças Públicas Maria Luís espera que Schäuble continue com "razões para elogiar Portugal"

Maria Luís espera que Schäuble continue com "razões para elogiar Portugal"

A vice-presidente do PSD, Maria Luís Albuquerque, expressou este sábado o desejo de que o ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, continue com "razões para elogiar Portugal" por isso ser "o melhor "para o país.
Maria Luís espera que Schäuble continue com "razões para elogiar Portugal"
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 22 de julho de 2017 às 23:17

Maria Luís Albuquerque falava à margem da apresentação do mandatário e candidato à Assembleia Municipal da lista de Cancela Moura, apoiado pela coligação PSD/CDS à Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, o eurodeputado social-democrata Paulo Rangel e a deputada centrista Cecília Meireles, respectivamente.

 

Numa reacção aos elogios feitos pelo ministro alemão ao desempenho do Governo português em entrevista ao semanário Expresso, a ministra das Finanças do anterior Governo passou ao lado da polémica. "Gostaria muito que o senhor Schäuble tivesse sempre razões para elogiar Portugal nesta matéria, independentemente de quem esteja no Governo porque era o melhor para todos nós", disse.

 

Num breve regresso ao passado, a vice-presidente social-democrata reconheceu que "há um caminho de consolidação das finanças públicas que prosseguiu no essencial com o Governo anterior". "Nós herdámos um défice de 11,2% e trouxemos esse défice, excluindo o efeito Banif, que já foi depois da saída do anterior governo passou para um valor inferior a 3%", sublinhou, para logo depois lembrar o "enorme esforço de consolidação das finanças públicas que vem de trás".

 

Invocando discordância com o modelo de consolidação seguido pelo actual Governo, disse-o por achar que "não é sustentável nem transparente", considerando que isso "hoje é evidente para todos". "Preocupa-nos muito aquilo a que estamos a assistir quer em temos de dívida pública, que continua a não dar sinais de baixar, e os recentes desenvolvimentos quanto ao défice externo do país, que são um indicador muito preocupante", disse.

 

Argumentando que "a preocupação com a consolidação da economia e das finanças do país tem de passar por mais do que algumas medidas de maquilhagem" como as verificadas "no orçamento de 2016", defendeu que só com "medidas sustentáveis e estruturais ou estruturantes" se conseguem "produzir os resultados que seriam necessários".

 

"Os resultados em termos de défice e a saída do procedimento por défice excessivo são manifestamente um resultado positivo para o país, como dissemos desde o início. Mas, mais uma vez, preocupa-nos muito a forma como estão a ser conseguidos e sobretudo a falta de sustentabilidade que os mesmos têm", alertou.

 

Da entrevista do antigo presidente do Banco Espírito Santo, Ricardo Salgado, Maria Luís Albuquerque afirmou que nada do que o antigo banqueiro afirmou quando imputou a culpa pela crise no banco ao Banco de Portugal "é novo".

 

"Tivemos uma comissão parlamentar de inquérito onde os vários intervenientes do processo, incluindo Ricardo Salgado tiveram a possibilidade de falar, portanto a entrevista não trouxe nada de novo relativamente aquilo que já foi dito antes", observou.

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
eleitor 23.07.2017

O estilo próprio do Laranjal, a ironia de quem foi uma péssima ministra para não dizer "sinistra", incompetência e falcatruas em que se distinguiu ADMIRAVELMENTE. Quanto ao Shäuble, as opiniões que imite valem tanto que um zero em que me diz respeito.

0bservador 23.07.2017

Palavras cinicas de uma ex ministra das finanças completamente incompetente e totalmente oportunista, pois aproveitou-se do cargo de Ministra das Finanças para se meter depois numa empresa privada (que jogou na divida contra o Estado Português) e só a quis para lhe dar conselhos dos calcanhares de Aqpodres da cecomnomia portuguesa .

Anónimo 23.07.2017

Esta corrupta pensava q era a melhor. A galinha cacarejante de PSD antgª profª do PC fica de rastos q vê
alguém q está a contribuir p melhorar as contas melhor do q ela. As PPP deram cabo dela. Foi sempre a s preocupação tanto q s confirmou q foi p o lugar q exerce .Ai se fosse ao contrário

O PSD devia secar os eucaliptos infil. que o secam 23.07.2017

Quero ver a lata desta gente,quando for a Celorico de Bastos dar apoio a um corrupto do seu Partido.foram a Gaia estão com saudades do Menezes e do Marco.O povo è sábio não se deixa enganar,os da geringonça são sérios.

ver mais comentários
pub