Finanças Públicas Maria Luís Albuquerque diz que regularização de dívidas pretende reduzir o défice

Maria Luís Albuquerque diz que regularização de dívidas pretende reduzir o défice

Para a ex-ministra das Finanças, o regime especial lançado pelo Governo para reduzir dívidas fiscais e à Segurança Social "é o reconhecimento (...) que as contas públicas estavam longe de estar controladas."
Maria Luís Albuquerque diz que regularização de dívidas pretende reduzir o défice
Bruno Simão/Negócios
Lusa 08 de Outubro de 2016 às 11:10
A vice-presidente do PSD Maria Luís Albuquerque afirmou hoje que o plano de regularização de dívidas aprovado em Conselho de Ministros tem como "objectivo primeiro" reduzir o défice, mostrando que "as contas públicas estavam longe de ser controladas".

Para a ex-ministra das Finanças, parece "evidente" que o regime especial para reduzir dívidas fiscais e à Segurança Social "é o reconhecimento, por parte do Governo, que as contas públicas estavam longe de estar controladas", pelo que a medida será "uma das que vão ser remetidas a Bruxelas na próxima semana, de acordo com as exigências que tinham sido feitas".

"A decisão de o fazer agora, com o prazo limite de 20 de Dezembro, tem claramente um objectivo orçamental para este ano. Se calhar, Janeiro seria um período mais adequado para beneficiar as empresas, só que não tinha o mesmo efeito no défice de 2016, portanto parece-me que esse é o objectivo primeiro", sustentou Maria Luís Albuquerque, em declarações aos jornalistas à margem de um colóquio sobre a Banca promovido pelos Trabalhadores Social Democratas (TSD).

Para a social-democrata, se estivem em causa "objectivos de outra natureza, não havia razão nenhuma para limitar [o plano] a 20 de Dezembro", até porque "Dezembro não é um mês muito fácil para as empresas".



A sua opinião21
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 08.10.2016

Faltou acentuar que a situação de Portugal em 2013 tornou compreensível e aceitável uma medida extraordinária como a do perdão fiscal... Porém em 2016, esta medida só é compreensível se a geringonça admitir que o seu plano falhou em toda a linha... Esta medida é tão absurda em 2016, como seria cortar este ano o subsídio de férias ou de natal! Não estamos sob resgate! O que o povo mais ou menos compreendeu e tolerou entre 2011 e 2014, não aceitará em 2016! As circunstâncias são outras! Nada justificava isto, só mesmo a incompetência da geringonça!

comentários mais recentes
joaoaviador 09.10.2016

Não gosto da "geringonça" nem dos partidos que a formam mas acho que este personagem deveria estar calada. Mas não tem vergonha nem ninguém que lhe diga que não fale. Continuam a gozar com a malta!

Lurdes Morim 09.10.2016

E se for qual o problema? Esqueceste bem rápido o que te já fizeste. Tiro e queda!

Francisco Dias 09.10.2016

Esta espécime de invertebrada que encheu de swaps e cds e outros anacronimos ruinosos para o estado, é aquela que qual madre teresa agora defende os fracos e oprimidos. Mas, tal o exemplo recentemente beatificada, facilmente deduzimos quem são realmente os verdadeiros protegidos...

Humberto Braz 09.10.2016

Nao foi nada que vocês não tivessem feito,ainda tem lata de falar contra,francamente...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub