Europa Mariano Rajoy apresenta novo Governo com apenas três "baixas"

Mariano Rajoy apresenta novo Governo com apenas três "baixas"

O primeiro-ministro espanhol anunciou a composição do próximo Executivo. Apenas três ministros do anterior Governo saem de cena, enquanto Guindos se mantém na Economia. Prioridade continua a ser a estabilidade das contas públicas.
Mariano Rajoy apresenta novo Governo com apenas três "baixas"
Reuters
David Santiago 03 de Novembro de 2016 às 18:58

Foram poucas as surpresas reservadas por Mariano Rajoy na apresentação do novo elenco governativo. Já depois de comunicar a composição do novo Governo ao rei Felipe VI, o recentemente reeleito primeiro-ministro espanhol anunciou um novo Executivo que conta com muitas confirmações, cinco caras novas e apenas três "baixas".

 

Apesar dos apelos e exigências para que Rajoy procedesse a uma renovação governamental – como resposta aos inúmeros casos de corrupção que afectaram diversos membros do PP e do anterior Governo –, o líder conservador não cedeu às pressões, mantendo intacto o núcleo duro do Executivo. Rajoy aposta assim num Governo de continuidade, agora que passará a governar em minoria.

 

Desde logo, Luis de Guindos, cujo poder sai reforçado. Além de manter a pasta da Economia (em Espanha integra competências que em Portugal são atribuídas às Finanças), Guindos assume também a pasta da Indústria. Já as Finanças continuam a cargo de Cristóbal Montoro que, ainda assim, perde a pasta da Administração Pública. Por seu lado, Soraya Sáenz de Santamaría, braço-direito de Rajoy no Governo, continuará a ser a única vice-primeira-ministra e responsável pela coordenação entre Ministérios.

 

Nota ainda para uma novidade: María Dolores de Cospedal. A secretária-geral do PP, que também chegou a ver o seu nome entre os alegados beneficiários dos pagamentos secretos ao partido, vai assumir a pasta da Defesa, que até aqui estava nas mãos de Pedro Morenés. Além de Morenés, há outros dois nomes que até aqui eram ministros e que não viram renovado o convite para continuarem a governar. É o caso dos agora ex-ministros dos Negócios Estrangeiros e do Interior, José Manuel García-Margallo e Jorge Fernández Díaz, respectivamente.

 

Depois da tomada de posse agendada já para esta sexta-feira, haverá a primeira reunião do novo Conselho de Ministros. No entanto, nota o El Mundo, só no encontro dos ministros que deverá realizar-se em 11 de Novembro é que deverão ser tomadas as primeiras decisões significativas.

 

Além das 150 medidas acordadas entre o PP e o Cidadãos em troca do apoio do partido liderado por Albert Rivera à investidura de Mariano Rajoy, o novo Governo terá de recolher o apoio parlamentar necessário à aprovação, o quanto antes, da lei de estabilidade orçamental e do limite de despesa das Administrações Públicas, assim correspondendo à implementação das medidas de contenção orçamental exigidas por Bruxelas para garantir a redução do défice orçamental. Definir uma nova lei educativa é outras das prioridades já anunciadas por Rajoy para os primeiros dias do novo Executivo.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

Mariano Ravoy terá a oportunidade de dar continuidade ao excelente trabalho que vinha desenvolvendo e, vai poder demonstrar ao mundo e, em especial a Portugal, de que para governar não terá obrigatóriamente de se tornar refém da extrema-esquerda.

Anónimo Há 13 minutos

La vai portugal ficar ao abandono(sozinho).NAo sei se nao era boa ideia a Espanha ter portugal como uma provincia,se eles quizessem e claro.Acababam-se os comedores publicos:sonhador,gerigouca,barrac.parlam.,13 canhotos(tc),cg depenados,fim das subvencoes para os ladroes,assassinos e manhosos,etc,et

pub
pub
pub
pub