Economia Marinha portuguesa vigiou navio russo que passou dois dias nas águas portuguesas

Marinha portuguesa vigiou navio russo que passou dois dias nas águas portuguesas

A Marinha vigiou um navio russo de pesquisa oceanográfica que navegou em águas portuguesas nos últimos dois dias, quando seguia para Gibraltar, anunciou esta força portuguesa.
Marinha portuguesa vigiou navio russo que passou dois dias nas águas portuguesas
Lusa 15 de abril de 2017 às 17:54

Em comunicado hoje divulgado, a Marinha indica que o navio Admiral Vladimirskiy "passou, durante os dois últimos dias, em águas nacionais" e que foram alocados dois navios da Marinha portuguesa "para acompanhar o navio de guerra, no quadro das responsabilidades nacionais na NATO, de partilha de informação e de patrulha e vigilância de navios de interesse".

 

O navio russo, que provinha do mar do Norte e que está em trânsito para Gibraltar em direcção ao Mediterrâneo, "entrou na ZEE [zona económica exclusiva] portuguesa na madrugada de sexta-feira e começou por ser acompanhado pelo navio patrulha Quanza, em missão na zona marítima do Norte".

 

Depois, já ao largo de Lisboa, esta vigilância foi feita pela corveta João Roby, que "acompanhou desde ontem [sexta-feira] pelas 18:00 o navio russo até à saída da ZEE portuguesa, a sul do Algarve".

 

A Marinha concluiu a missão de vigilância às 10:00 de hoje, "após o navio ter saído das águas de jurisdição portuguesa, passando a ser monitorizado por navios das marinhas aliadas da NATO, a partir de Gibraltar".




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Do Piçalho 15.04.2017

Os tropas da democracia que se cuidem ,não quiseram defender o que era nosso vão ter de defender o que não nos pertence. Estão há 40 anos sem trabalho e a promoverem-se ,vai chegar a hora de mostrarem os galões e desta vez não há fugitivos ,onde puserem o pé a bomba mata . Digam mal dos colonialist

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub