Empresas Mário Ferreira: “Tinha até uma grande admiração” por Ana Gomes

Mário Ferreira: “Tinha até uma grande admiração” por Ana Gomes

O dono da Douro Azul, que pediu o levantamento da imunidade parlamentar de Ana Gomes, diz que “tinha até uma grande admiração” pela eurodeputada, mas que esta “terá que se retractar” no caso em que o acusa de “corrupção” no processo de compra e venda do navio Atlântida.
Mário Ferreira: “Tinha até uma grande admiração” por Ana Gomes
Mário Ferreira garante que a compra e posterior venda do navio Atlântida "decorreu dentro da maior legalidade".
Miguel Baltazar/Negócios
Rui Neves 12 de junho de 2017 às 19:06

"A dra. Ana Gomes tem um papel importante na sociedade portuguesa, tinha até uma grande admiração pelo seu trabalho, mas não pode fazer acusações falsas a torto e a direito, sem fundamentos", considera Mário Ferreira, através de SMS enviado ao Negócios.

 

"Ela terá que se retractar neste caso, pois a compra [do ´ferryboat’ Atlântida] que fiz e posterior venda decorreu dentro da maior legalidade", garante o empresário, alegando até que "a compra em concurso público foi, como a dra. Ana Gomes sabe, auditada por um membro do Ministério Público, e decorreu com a maior transparência", afiança.

 

Quanto "à mais-valia" choruda conseguida com a venda do Atlântida a uma empresa norueguesa, Mário Ferreira diz que tal "deve-se ao conhecimento dos mercados internacionais e ao investimento realizado por nós de milhões [de euros] na mesma embarcação após a sua compra".

 

Hoje, 12 de Junho, o presidente do Parlamento Europeu (PE) anunciou, em plenário, que foi solicitado, por um conjunto de empresas do grupo Douro Azul, o levantamento da imunidade parlamentar da eurodeputada Ana Gomes, tendo reenviado o pedido para análise e recomendação à Comissão de Assuntos jurídicos do PE.

 

O levantamento da imunidade parlamentar visa permitir que a eurodeputada seja interrogada, como arguida, por alegados crimes de "ofensa a organismo, serviço ou pessoa colectiva e de "publicidade e calúnia", tendo como fundamentos as declarações da eurodeputada ao DN sobre a subconcessão da empresa ENVC e a venda do Atlântida.

 

Foi a 29 de Abril do ano passado que, em declarações àquele jornal, a eurodeputada Ana Gomes (PS) manifestava-se satisfeita com as buscas que a PJ estava a realizar nesse dia no Ministério da Defesa e noutros locais do país, relacionadas com a subconcessão dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) a uma empresa do grupo Martifer, tendo classificado o processo de venda do "ferryboat" Atlântida pela empresa estatal ao empresário Mário Ferreira como "corrupção".

 

"É um sinal de que algo está a mexer num caso flagrante de corrupção", envolvendo a venda "a patacos" do "ferryboat" Atlântida ao grupo Douro Azul, o qual "tem muito que contar" às autoridades, sublinhou então Ana Gomes ao DN, insistindo em afirmar que a venda do Atlântida era "um negócio que tresandava a corrupção".

Mário Ferreira acusa a eurodeputada de fazer "insinuações e acusações graves, visando atingir a credibilidade e prestígio das queixosas" e de "insinuar uma qualquer relação entre a subconcessão dos terrenos e infra-estruturas dos ENVC com a venda do navio ‘Atlântida’ ao grupo Douro Azul, sabendo que não correspondia à verdade". Acusa ainda Ana Gomes de "imputar às queixosas a prática de corrupção a respeito da venda a patacos do ‘ferryboat’ "Atlântida".

 

A venda do Atlântida foi inicialmente adjudicada a uma empresa grega, a Thesarco Shipping, que tinha oferecido 13 milhões de euros mas nunca apareceu para pagar o navio. A administração à época dos ENVC entregou então o navio ao segundo concorrente, a Douro Azul, por um preço substancialmente mais baixo - 8,75 milhões de euros.

 

Oito meses depois, Mário Ferreira revendeu o Atlântida a uma empresa norueguesa por 17 milhões de euros.

 

Conforme o comunicado do PE dá conta, o empresário foi recentemente referenciado numa investigação do jornal "Expresso" denominada "Malta Files" como tendo utilizado uma sociedade criada em Malta como veículo para a venda do navio Atlântida.

 

"A venda do ‘Atlântida’ está desde o ano passado a ser investigada pelo Ministério Público, por suspeitas de manipulação de concurso público, devido ao diferencial entre o valor (8,7 milhões) a que o empresário português adquiriu o navios aos ENVC, então uma empresa do Estado, e o encaixe que conseguiu na revenda à Noruega (17 milhões), revela o Expresso na sua edição de 20 de Maio passado.


A sua opinião25
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso Há 2 semanas

Bem,se tinhas,até é bem feito!Quem acredita nessa ordinária,autêntica peixeira(sem ofensa para a classe)

comentários mais recentes
A vossa herança foi o País destruído e roubado Há 1 semana

Os estaleiros de Viana foi um naná para os corruptos do arco do poder do laranjal escavacado,tem que se tudo investigado há muito sumo e mal feitorias feitas ao nosso país . a sorte dos Portugueses foi ter uma geringonça de gente séria para correr com os ladrões. A geringonça foi uma bênção de Deus.

Anónimo Há 1 semana

Aquela CML, bem que se poderia chamar colonia de bem estar de famíliares de politicos, financiada em parte por taxas aeroportuárias de jovens desesperados.

Anónimo Há 1 semana

Cheira a esturro por todo o lado, compra por 8 vende por 17, cadeia com o gajo

Maria Há 1 semana

Comprar por 8 e vender dias depois por 17 será normal?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub