Economia Mário Soares 1924 - 2017

Ao Minuto Mário Soares 1924 - 2017

Acompanhe aqui, minuto a minuto, as reacções à morte de Mário Soares.
A carregar o vídeo ...
Negócios 07 de janeiro de 2017 às 16:42

09 de janeiro de 2017 às 09:46 BdP lembra Soares, "uma figura central da democracia"

09 de janeiro de 2017 às 09:20 José Eduardo dos Santos: "Profunda consternação" pela morte de Soares

09 de janeiro de 2017 às 07:38 Cortejo fúnebre percorre Lisboa no primeiro dia de homenagens

09 de janeiro de 2017 às 07:33 Jornais de Macau destacam "O último gigante"

09 de janeiro de 2017 às 01:37 Reacções

09 de janeiro de 2017 às 09:46
BdP lembra Soares, "uma figura central da democracia"

O Banco de Portugal destaca que Mário Soares "foi uma figura central da democracia portuguesa e um defensor incansável da liberdade, tanto na oposição à ditadura como na construção do regime democrático após o 25 de Abril".

Em nota publicada no site da instituição, o BdP recorda ainda o "privilégio" que representou a "estreita colaboração, quando em 1998 aceitou presidir à comissão nomeada para estudar a questão do ouro recebido da Alemanha durante a II Guerra Mundial".

09 de janeiro de 2017 às 09:20
José Eduardo dos Santos: "Profunda consternação" pela morte de Soares
José Eduardo dos Santos:

O presidente da Assembleia Nacional angolana, Fernando da Piedade Dias dos Santos, vai representar Angola nas cerimónias fúnebres do ex-chefe de Estado português, Mário Soares, foi hoje divulgado em Luanda.

Segundo informação oficial da presidência angolana, o líder daquele órgão de soberania é portador de uma mensagem do chefe de Estado angolano, dirigida ao homólogo português, na qual José Eduardo dos Santos expressa "profunda consternação" pela morte de Mário Soares, considerando-o "figura cimeira da história recente de Portugal e uma referencia incontornável na luta pela instauração e consolidação da democracia".

Acrescenta tratar-se de uma "perda" que "abre um vazio difícil de preencher".

09 de janeiro de 2017 às 07:38
Cortejo fúnebre percorre Lisboa

As cerimónias fúnebres de Estado de Mário Soares iniciam-se esta segunda-feira - primeiro dos três dias de luto nacional decretados pelo Governo - com o cortejo que levará o corpo para o Mosteiro dos Jerónimos, onde permanecerá até terça-feira.

Às 10:30, o primeiro ponto de passagem do cortejo será a casa do antigo Presidente da República, no Campo Grande.

Com escolta de 30 motos da GNR, seguirá para os Paços do Concelho, onde estarão o presidente da autarquia, Fernando Medina.

Na Praça do Município, a urna passará do carro funerário para um armão (uma espécie de charrete) da Guarda Nacional Republicana.

Entre as 11:40 e as 13:00 o cortejo seguirá até ao Mosteiro dos Jerónimos, com uma Escolta de Honra de 84 cavalos da GNR.

Nos Jerónimos, estarão já os presidentes da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, e da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que receberão no exterior o cortejo fúnebre, pelas 13:00, bem como uma Guarda de Honra da GNR.

A urna será depois levada para a Sala dos Azulejos. Após a saída das altas individualidades será feita a abertura da câmara ardente ao público, que permanecerá aberta até à meia-noite, havendo um livro de condolências aberto na entrada principal do Museu de Arqueologia, na Praça do Império.

09 de janeiro de 2017 às 07:33
Jornais de Macau destacam "O último gigante"

Os jornais em língua portuguesa de Macau saíram esta segunda-feira, 9 de Janeiro, para as bancas com capas a preto e branco devido à morte do antigo Presidente da República Mário Soares, recordando o "último gigante" e um "lutador da liberdade".

"O último gigante" escreve o Hoje Macau na primeira página, com o subtítulo "Democrata. Republicano. Ateu. Profeta da tolerância e da liberdade. Humanista, capitalista, pragmático. Não haverá outro como ele", enquanto o Jornal Tribuna de Macau destaca "'Lutador da liberdade' enaltecido em Macau" e o Ponto Final "Mário, Macau, Memória e Mácula".

Uma fotografia de Mário Soares ocupa totalmente ou quase totalmente as primeiras páginas dos três jornais que assinalam hoje a morte do antigo Presidente, uma vez que não são publicados ao fins de semana.

09 de janeiro de 2017 às 01:37
Reacções

08 de janeiro de 2017 às 22:44
Presidentes do Brasil e Cabo Verde participam em cerimónias fúnebres

O Presidente de Cabo Verde vai participar nas cerimónias fúnebres em honra do antigo chefe de Estado português Mário Soares, que decorrem segunda e terça-feira em Lisboa, anunciou hoje fonte do governo cabo-verdiano.

"Vai o Presidente da República Jorge Carlos Fonseca e eu acompanhá-lo-ei para representar o Governo de Cabo Verde", disse hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros cabo-verdiano, Luís Filipe Tavares, à margem de uma iniciativa partidária do Movimento para a Democracia (MpD), no poder em Cabo Verde.

Luís Filipe Tavares adiantou que a comitiva deverá partir para Lisboa num voo ao início da tarde de segunda-feira para participar no velório e depois no funeral na terça-feira.

"Cabo Verde perdeu um grande amigo, uma referência democrática mundial e o Presidente entendeu que deveria estar presente nas cerimónias fúnebres e o governo estará também através do ministro dos Negócios Estrangeiros", sublinhou Luís Filipe Tavares.

Também o Presidente do Brasil, Michel Temer, estará presente no funeral do antigo chefe de Estado português Mário Soares, revelou a ministra da Presidência.

Maria Manuel Leitão Marques falava informalmente com os jornalistas na sede nacional do PS, em Lisboa, tendo adiantado que em breve serão conhecidas as personalidades internacionais que estarão presentes nas cerimónias fúnebres em honra de Mário Soares, falecido no sábado, aos 92 anos.

O Presidente do Brasil, Michel Temer, lamentou no sábado a morte do ex-chefe de Estado português frisando que o mundo perdeu um estadista e um defensor da democracia.

"O mundo perde um estadista e um defensor da democracia e da liberdade. Meus sentimentos à família e ao povo português", escreveu Temer numa publicação no Twitter.

O Presidente brasileiro disse ter recebido com tristeza a notícia da morte de Mário Soares, que classificou como uma "figura-chave do Portugal moderno, amigo do Brasil".

08 de janeiro de 2017 às 22:44
Passos Coelho expressa "profundo respeito" por figura central da democracia

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, expressou hoje "profundo respeito" por Mário Soares, figura que considerou central na fundação da democracia portuguesa, na mensagem que escreveu no livro de condolências disponibilizado pelo PS na sede do partido.

O líder do PSD manifestou "profundo respeito pela figura central desempenhada pelo fundador do Partido Socialista, Dr. Mário Soares, na fundação da democracia portuguesa e na construção de uma moderna sociedade democrática, tolerante e aberta no nosso país", lê-se na mensagem a que a Lusa teve acesso.

Pedro Passos Coelho foi um dos líderes partidários que passaram hoje pela sede do PS, no Largo do Rato, em Lisboa, para assinar o livro de condolências ali disponibilizado para que as pessoas possam prestar homenagem ao fundador do partido.

08 de janeiro de 2017 às 22:43
Escolta de Honra da GNR com 84 cavalos vai acompanhar urna

Uma escolta de honra da Guarda Nacional Republicana (GNR), constituída por 84 cavalos, vai acompanhar a urna com o corpo de Mário Soares que será segunda-feira transportada para o Mosteiro dos Jerónimos no armão da GNR.

De acordo com um comunicado desta força de segurança, o carro funerário, que na manhã de segunda-feira sairá da residência do ex-Presidente da República, será acompanhado por uma escolta de honra motorizada da GNR, constituída por 30 motos.

Chegada aos Paços do Concelho, prevista para as 11:20, a urna será retirada por militares da GNR que a transportarão para o armão, encarregado das Honras de Estado nestas cerimónias. Nesta altura, a família entregará as condecorações atribuídas a Mário Soares a militares da Guarda.

A urna será transportada no armão da GNR e acompanhada por uma Escolta de Honra a cavalo, constituída por 84 cavalos, até ao Mosteiro dos Jerónimos, estando prevista a chegada para as 13:00.

O comunicado indica ainda que uma Guarda de Honra da GNR, com Estandarte Nacional e Banda de Música, constituída por 131 militares, aguardará no exterior do Mosteiro dos Jerónimos pela chegada da urna.

A urna e as condecorações serão transportadas por militares da GNR, do armão para o interior do Mosteiro dos Jerónimos.

A Guarda adianta que, ao longo do percurso, estarão postadas Alas de Honra, constituídas por 23 militares da GNR.

Na terça-feira, a urna será acompanhada por uma Escolta de Honra a cavalo da GNR, constituída por 84 binómios, desde o Mosteiro dos Jerónimos, de onde sairá às 14:00, até ao Cemitério dos Prazeres.

A escolta deter-se-á, "por breves instantes", ao passar em frente ao Palácio Nacional de Belém, Palácio de São Bento, Fundação Mário Soares e sede do Partido Socialista.

À chegada ao Cemitério dos Prazeres, prevista para as 16:00, militares das Forças Armadas transportarão a urna para o interior do cemitério.

08 de janeiro de 2017 às 21:02
António Costa admitiu vontade de estar em Portugal para cerimónias fúnebres

O primeiro-ministro, António Costa, admitiu hoje a vontade de deixar a Índia, onde está em visita oficial, e estar em Portugal para participar nas cerimónias fúnebres do antigo Presidente da República Mário Soares.

Numa mensagem publicada pelas 19:00 na rede social Twitter, António Costa escreveu que a sua vontade "era ir para Portugal". "Mas quem é primeiro-ministro não tem vontades pessoais. Tem que procurar fazer o que deve", lê-se na nota.



Mário Soares, de 92 anos, morreu no sábado no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, onde estava internado desde 13 de Dezembro.

O primeiro-ministro tinha afirmado já hoje que os momentos menos formais da sua visita de Estado à Índia, que começou no sábado e termina na quinta-feira, vão ser eliminados, acompanhando os dias de luto nacional pela morte do antigo chefe de Estado Mário Soares.

António Costa falava aos jornalistas em Bangalore, no final do programa do segundo dia de visita de Estado à Índia, ocasião em que também justificou a razão de não poder regressar a Portugal imediatamente para estar presente nas cerimónias fúnebres de Mário Soares.

"Trata-se de uma vista de Estado e, portanto, os primeiros-ministros não têm aqui vontades pessoais. Têm de fazer o que devem fazer", declarou.

António Costa será representado nas cerimónias fúnebres pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

08 de janeiro de 2017 às 21:01
Eanes lembra como antigo Presidente lutou pela liberdade e democracia

O ex-Presidente da República Ramalho Eanes recordou a forma como Mário Soares lutou em prol da liberdade e democracia, considerando que o antigo chefe de Estado irá ocupar um lugar de grande relevância na história de Portugal.

"Pela acção de combate político determinado que desenvolveu em prol das liberdades e da democracia, primeiro, e depois da consolidação de uma democracia moderna, constitucional, pluralista, Mário Soares tem direito ao reconhecimento da pátria e tem obviamente o direito a ocupar um lugar de grande relevância na história no nosso país", afirmou Ramalho Eanes, numa declaração aos jornalistas.

"A determinação, a coragem e a coerência foram sempre traços característicos da acção política desenvolvida por Mário Soares", disse Ramalho Eanes, que antecedeu a Mário Soares no cargo de Presidente da República, entre 1976 e 1986.

Acção política que, num primeiro momento, foi desenvolvida em defesa das liberdades e da democracia, contra o regime salazarista e, depois, no "tempo de Abril", na "tumultuosa transição democrática", recordou.

"E, depois, de combate político democrático já na institucionalização e consolidação da democracia (...). Acção de primacial importância teve ainda na consolidação da democracia ao desenvolver uma acção política que nos permitiu entrar na então comunidade económica europeia", acrescentou Ramalho Eanes, que falava aos jornalistas no seu gabinete de trabalho, em Lisboa.

08 de janeiro de 2017 às 19:42
Jorge Coelho com "orgulho" e Silva Pereira com "admiração e gratidão"

Os antigos dirigentes socialistas Jorge Coelho e Pedro Silva Pereira manifestaram hoje "orgulho", "admiração e gratidão" sentidos pelo estadista e fundador do PS Mário Soares, na sede nacional do partido, em Lisboa.

"Não é possível falar no PS sem falar em Mário Soares e não é possível falar em Mário Soares sem falar no PS", afirmou o antigo ministro de António Guterres, à entrada para assinar o livro de condolências, destacando o seu "orgulho" no percurso do antigo Chefe de Estado, assim como os seus valores essenciais: "liberdade" e "democracia", além das "características de combatente e homem que nunca desistiu".

Para Jorge Coelho, Soares "fez com que hoje vivêssemos em Portugal num regime normal, numa democracia avançada".

O eurodeputado Silva Pereira, também ex-responsável governamental no tempo do antigo primeiro-ministro José Sócrates, sublinhou as suas "admiração imensa" e "gratidão infinita" relativamente a um "herói da democracia e liberdade".

"O mais importante é que permaneça vivo o seu exemplo e referência. É muito importante que os portugueses conheçam e reconheçam o legado de Mário Soares. Estes dias têm servido para fazer essa recordação. Essa pedagogia é a da democracia, da liberdade e de como foi preciso sofrer para as conquistar e chegar àquele dia da liberdade [25 de Abril de 1974]", disse Silva Pereira.

Alguns milhares de pessoas têm passado pelo Palácio Praia - sede do PS, no Largo do Rato - para assinar os sete livros de condolências entretanto disponibilizados, com muitas figuras públicas, maioritariamente da área da política, mas também muitos cidadãos anónimos.

08 de janeiro de 2017 às 19:09
Rui Machete: Portugal perdeu uma "figura notável"

O antigo vice-primeiro-ministro Rui Machete considerou que Portugal perdeu no sábado uma "figura notável", lembrando o papel relevante de Mário Soares na assinatura, em 1985, do Tratado de adesão de Portugal à CEE.

Rui Machete, que integrou o governo do Bloco Central então chefiado por Mário Soares, lembrou o antigo líder do PS como um homem corajoso, convicto e determinado que, no período político conturbado a seguir ao 25 de Abril, interveio de forma central para evitar que o país mergulhasse numa guerra civil. Falando à SIC à entrada do Mosteiro dos Jerónimos, Machete recordou ainda Soares como uma "pessoa bem-disposta e optimista", sublinhando que muito se deve à "acção" do antigo líder do PS a entrada do país na CEE.

Machete lembrou as dificuldades que o governo do Bloco Central enfrentou devido à austeridade económica da altura e sublinhou que, apesar da derrota do PS nas eleições legislativas de 1985, Soares disse logo que não ia desistir, tendo, pouco tempo depois, vencido as eleições presidenciais, com 51 por cento dos votos, frente ao candidato Freitas do Amaral. "É uma figura notável, a quem o país muito deve, que cometeu erros, mas que, pela sua coragem e grande convicção, devemos prestar homenagem", concluiu Rui Machete.

08 de janeiro de 2017 às 18:27
Eanes lembra como antigo Presidente lutou pela liberdade e democracia

"Pela acção de combate político determinado que desenvolveu em prol das liberdades e da democracia, primeiro, e depois da consolidação de uma democracia moderna, constitucional, pluralista, Mário Soares tem direito ao reconhecimento da pátria e tem obviamente o direito a ocupar um lugar de grande relevância na história no nosso país", afirmou Ramalho Eanes, numa declaração aos jornalistas.

"A determinação, a coragem e a coerência foram sempre traços caraterísticos da acção política desenvolvida por Mário Soares", disse Ramalho Eanes, que antecedeu a Mário Soares no cargo de Presidente da República, entre 1976 e 1986.

Acção política que, num primeiro momento, foi desenvolvida em defesa das liberdades e da democracia, contra o regime salazarista e, depois, no "tempo de Abril", na "tumultuosa transição democrática", recordou.

"E, depois, de combate político democrático já na institucionalização e consolidação da democracia (...). Acção de primacial importância teve ainda na consolidação da democracia ao desenvolver uma acção política que nos permitiu entrar na então comunidade económica europeia", acrescentou Ramalho Eanes, que falava aos jornalistas no seu gabinete de trabalho, em Lisboa.

08 de janeiro de 2017 às 17:13
Trânsito condicionado em Lisboa segunda e terça

O cortejo fúnebre passará na segunda-feira pela residência de Mário Soares, no Campo Grande, em Lisboa, pelas 11:00, seguindo pelas ruas centrais da capital até à Câmara Municipal de Lisboa, onde fará uma breve paragem, em direcção ao Mosteiro dos Jerónimos. O corpo ficará em câmara ardente na Sala dos Azulejos do Claustro dos Mosteiro dos Jerónimos, desde cerca das 13:00 até à meia-noite de segunda-feira e na terça-feira até ao final da manhã, entre as 08:00 e as 11:00, estando o local aberto a todos os cidadãos.

De acordo com a PSP, na segunda-feira dia os condicionamentos de trânsito começam pelas 10:30 e estendem-se até às 13:00, abrangendo os seguintes locais: Rua Dr. João Soares, Alameda da Universidade, Campo Grande, Avenida da República, Praça Duque de Saldanha, Avenida Fontes Pereira de Melo, Praça Marquês de Pombal, Avenida da Liberdade, Praça dos Restauradores, Praça D. Pedro IV, Rua Áurea, Rua do Comércio, Praça do Município, Rua do Arsenal, Praça do Comércio, Avenida Ribeira das Naus, Cais do Sodré, Avenida 24 de Julho, Avenida da Índia e Praça do Império.

Na terça-feira, dia do funeral, o cortejo parte do Mosteiro dos Jerónimos para o Cemitério dos Prazeres, com breves paragens previstas em frente ao Palácio de Belém, à Assembleia da República, Fundação Mário Soares e à sede do Partido Socialista, no Largo do Rato.

Nesse dia, os condicionamentos de trânsito começam às 13:00 e estendem-se até às 16:00, abrangendo os seguintes locais: Praça do Império, Rua de Belém, Praça Afonso de Albuquerque, Avenida da Índia, Avenida 24 de Julho, Avenida D. Carlos I, Rua de São Bento, Largo do Rato, Avenida Álvares Cabral, Rua de São Jorge, Rua da Estrela, Rua Domingos Sequeira, Rua Saraiva de Carvalho e Praça São João Bosco.

Além dos condicionamentos de trânsito, na terça-feira, o estacionamento será proibido na Rua do Comércio (junto à Praça do Município), na zona envolvente ao Mosteiro dos Jerónimos e na Praça São João Bosco.

Nestes dois dias, a PSP aconselha que a população "privilegie a utilização de transportes públicos, se estacionar na via pública, verifique se o seu veículo permite a circulação de veículos pesados de emergência, verifique se deixou o veículo trancado e não deixe valores à vista no seu interior, seja cooperante com os agentes de autoridade e um órgão facilitador da acção policial, não comprometa a sua segurança e a dos outros cidadãos e não ostente bens pessoais de valor, especialmente telemóvel, carteira e relógio.

08 de janeiro de 2017 às 15:46
Catarina Martins saúda antifascista e anticolonialista

"Viemos dirigir as nossas condolências ao PS e à família de Mário Soares. Saudamos a memória do combatente antifascista, anticolonialista", afirmou Catarina Martins, ladeada pela eurodeputada e ex-candidata à Presidência da República Marisa Matias e pelo também dirigente bloquista Luís Fazenda.

A deputada do BE sublinhou que Soares "teve uma história política longa, muitas vezes em confronto com a esquerda, outras vezes em aliança", mas reconheceu: "é, seguramente, uma figura que marca o século XX e a nossa democracia".

Uma comitiva do PCP, composta pelo líder parlamentar, João Oliveira, o vice-presidente da bancada comunista António Filipe e pelo membro do secretariado nacional do Comité Central José Capucho é ainda esperada na sede socialista.

Durante a manhã, o presidente do PSD e líder da oposição, Pedro Passos Coelho, também assinou um dos quatro livros de condolências disponíveis a toda a população no Palácio Praia do largo do Rato.

Neste momento, há uma fila contínua desde o "hall" de entrada do edifício cor-de-rosa até ao salão nobre, onde estão três dos livros, enquanto no piso térreo há um outro volume para pessoas que tenham maior dificuldade de locomoção.

Após a revolução do 25 de Abril de 1974, regressou do exílio em França e foi ministro dos Negócios Estrangeiros e primeiro-ministro entre 1976 e 1978 e entre 1983 e 1985, tendo pedido a adesão de Portugal à então Comunidade Económica Europeia (CEE), em 1977, e assinado o respectivo tratado, em 1985. 

08 de janeiro de 2017 às 15:18
MPLA recorda "insigne figura da vida política portuguesa"

O Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), partido no poder desde 1975, recordou hoje Mário Soares como uma "insigne figura da vida política portuguesa".

A posição está expressa numa curta nota de condolências do Bureau Político do Comité Central do MPLA, liderado pelo também chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, sobre a morte do antigo Presidente português, ocorrida no sábado, em Lisboa.

"Neste momento de dor e de luto, o Bureau Político do Comité Central do MPLA inclina-se perante a memória do doutor Mário Soares e, em nome dos militantes, simpatizantes e amigos do partido, endereça ao Partido Socialista de Portugal e, através deste, à família enlutada as suas mais sentidas condolências", lê-se na mesma nota.

08 de janeiro de 2017 às 13:49
Costa escreve artigo sobre Mário Soares

Num artigo de opinião, hoje, no Diário de Notícias, intitulado "Sempre livre, como um pássaro" e inspirado numa frase dita aos jornalistas pelo antigo líder socialista Mário Soares quando caiu um dos seus governos, António Costa considera que "ninguém contribuiu tanto como Mário Soares para a construção do Portugal pós-25 de Abril. Muitas vezes não o acompanhei, mas há que reconhecer que, no essencial, era ele quem tinha razão", acrescentando que Soares foi também "seguramente quem melhor interpretou o papel de Presidente no sistema semipresidencialista [português]", afirmando-se como verdadeiro "Presidente de todos os portugueses".

Na opinião do actual primeiro-ministro, que se encontra em viagem à Índia, o legado de Soares na chefia dos três curtos governos tem sido "muito subestimado", pois as traves mestras do moderno Estado social de direito em Portugal "foram então lançadas".

"O poder local democrático, a independência do poder judicial, o serviço Nacional de Saúde, a universalização da Segurança Social, a revisão do Código Civil, que revolucionou o direito de família, bem podem ombrear com a reconstrução do tecido económico pós revolução, o clima de concórdia nacional e a integração europeia como grandes contributos dos governos de Mário Soares", indicou António Costa.

No mesmo artigo, Costa evocou Soares como alguém que "nunca resignou, nem desistiu" e que, em nome da liberdade, combateu a ditadura quando a hipótese de aceder ao poder era mais ténue do que uma miragem.

"Enfrentou a ditadura e defendeu a revolução da sua deriva totalitária, bateu-se contra o colonialismo e revoltou-se contra a conversão dos movimentos de libertação em partidos únicos", recordou o primeiro-ministro, que viu Soares pela primeira vez, ao longe, quando este chegou do exílio, a 28 de Abril de 1974, sendo aclamado à varanda da estação de Santa Apolónia, Lisboa.

"A última vez que o vi foi no passado dia 23 de Julho, quando nos jardins de São Bento, o homenageámos por ocasião do 40.º aniversário da sua primeira posse como primeiro-ministro", lembra António Costa.

O primeiro-ministro termina com a certeza de que "ninguém substitui Mário Soares no lugar que é seu na história do Portugal democrático".

08 de janeiro de 2017 às 13:47
Rosas à porta da residência do antigo chefe de Estado
Rosas à porta da residência do antigo chefe de Estado

O ambiente à porta da residência de Mário Soares, em Lisboa, era de tranquilidade ao final da manhã, com algumas pessoas a deixarem rosas, um dos símbolos do Partido Socialista fundado pelo antigo Presidente da República.

Pelas 12:40, no Campo Grande, à porta da casa de Mário Soares, que morreu no sábado, aos 92 anos, o ambiente era calmo, e no chão estavam três ramos de flores, várias rosas vermelhas e um vaso com uma planta, "estrela de Natal", que existe apenas nesta época do ano.

Numa dedicatória lia-se: "Coragem, democracia, liberdade. Obrigado por tudo".

No local, além de dois polícias encontravam-se várias equipas de estações de televisão.

O Colégio Moderno tem as bandeiras a meia haste.

08 de janeiro de 2017 às 13:18
Passos Coelho foi à sede do PS escrever no livro de condolências

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, esteve hoje de manhã na sede do PS, em Lisboa, a deixar uma mensagem de condolências pela morte de Mário Soares, e não prestou declarações aos jornalistas.

Acompanhado pelo secretário-geral do PSD, José Matos Rosa, Passos assinou um dos livros de condolências que o PS disponibiliza para os interessados deixarem uma mensagem de pesar pelo falecimento do antigo chefe de Estado e fundador do Partido Socialista.

A delegação do PSD foi recebida no Largo do Rato, na sede nacional do PS, pela secretária-geral adjunta do partido, Ana Catarina Mendes.

Antes, havia marcado também presença no edifício socialista a ministra da Presidência, Maria Manuel Leitão Marques, que lembrou uma vez mais o legado deixado pelo fundador do PS.

A sede nacional do PS abriu hoje pelas 10:00 para receber personalidades do partido e anónimos cidadãos que queiram prestar homenagem a Soares, falecido no sábado, aos 92 anos.

Na fachada do edifício do PS, no Largo do Rato, decorre a montagem de imagens do fundador do partido e antigo chefe de Estado, e pelas 12:50 tinham sido já algumas as centenas de pessoas que haviam entrado na sede socialista para assinar os livros de condolências.

08 de janeiro de 2017 às 13:04
A homenagem de Lisboa a Mário Soares
A homenagem de Lisboa a Mário Soares

08 de janeiro de 2017 às 12:54
Governo dos Açores sem agenda pública nos dias de luto nacional

O Governo dos Açores, presidido por Vasco Cordeiro, não vai ter agenda pública nos três dias de luto nacional decretados pelo Executivo nacional na sequência da morte do ex-Presidente da República Mário Soares, foi hoje anunciado.

Fonte da presidência do Governo dos Açores disse à agência Lusa que, "entre segunda e quarta-feira, o executivo regional não vai ter agenda pública".

No sábado, numa reacção à morte de Mário Soares, Vasco Cordeiro considerou o antigo chefe de Estado como "um gigante do século XX português" e destacou o seu papel nas autonomias regionais.

"A importância da figura do doutor Mário Soares torna este um momento de uma perda incalculável para o nosso país, pelos valores que defendeu, antes e depois da democracia no nosso país", afirmou Vasco Cordeiro, no Palácio de Santana, em Ponta Delgada, ilha de São Miguel, considerando Mário Soares um "gigante do século XX português".

O presidente do executivo regional, também líder do PS/Açores, apontou ainda o papel do antigo Presidente da República nas autonomias regionais.

"O facto é que é sob a liderança do doutor Mário Soares que o Partido Socialista, maioritário na Assembleia Constituinte, aprova também na Constituição este modelo de descentralização política que são as autonomias regionais e essa importância é algo que também diz muito, quer aos açorianos, quer aos madeirenses", acrescentou Vasco Cordeiro, anunciando que uma delegação do executivo regional e outra do PS/Açores estarão presentes no funeral do antigo Presidente da República.

08 de janeiro de 2017 às 11:50
Jornais espanhóis destacam morte nas primeiras páginas

As edições de hoje em papel dos principais jornais espanhóis dão grande destaque à morte de Mário Soares, todos com chamadas de primeira página para artigos de página inteira sobre o desaparecimento do "construtor do Portugal moderno e europeu".

O El País faz essa chamada na primeira página com um texto a explicar que "Portugal se vestiu ontem [sábado] de luto pela figura mais decisiva do seu último meio século", uma "personalidade chave na consolidação da democracia e na integração do seu país na Europa".

O artigo do correspondente do jornal em Lisboa continua numa página interior ao lado de um texto de opinião de Raúl Morodo, da Academia de Ciências Morais e Políticas e ex-embaixador de Espanha em Portugal, que considera Soares um "rebelde democrata e grande estadista".

Morodo explica a sua amizade com Soares, que conheceu nos anos 60 do século passado, e sublinha o seu "carácter forte, trabalhador duro, sempre optimista e pragmático no poder e na oposição, de grande simplicidade e nunca declinando polémicas".

Um outro diário, El Mundo, titula na primeira página "Adeus a Mário Soares, símbolo do socialismo português" e nas páginas interiores "Portugal despede-se de um patriarca da sua democracia", "figura chave da transição pós-Salazar que marcou décadas da política lusa".

"A vida de Mário Soares e a história da democracia portuguesa foram sempre de mão dadas", refere o artigo, que ocupa uma página sobre a vida e obra do estadista português.

O ABC noticia a morte do ex-Presidente com o título "A pátria do fado perde o seu político mais querido" e realça que o também ex-primeiro-ministro socialista "soube entender-se com conservadores e comunistas".

O diário conta em duas páginas a sua história, sublinhando que "a boa sintonia entre Mário Soares e Felipe Gonzalez fizeram com que Espanha e Portugal pudessem ir de mãos dadas na sua convergência com Bruxelas".

Nas páginas dedicadas aos artigos de opinião, o jornalista Ignacio Camacho escreve sobre "o socialismo eclético" e defende: "A social-democracia de Soares já não existe. Foi incapaz de actualizar com êxito o seu projecto de reformismo moderado".

Camacho explica que Soares foi "um desses líderes ecléticos" que "romperam com a hegemonia comunista" para conquistar o poder com programas moderados e que, sem ele, a nova democracia portuguesa teria "derivado de forma irreversível até ao dogmatismo revolucionário dos militares vermelhos e de político iluminados como [Álvaro] Cunhal e [Otelo] Saraiva de Carvalho".

O La Razon titula em primeira página "Morre o pai do Portugal moderno" e numa página interior desenvolve um artigo sobre a vida de Soares, com uma grande foto do ex-Presidente português.

Segue-se, noutra página, um artigo de opinião do antigo embaixador de Espanha em Portugal Inocencio Arias, que considera Soares "um colosso da política".

Inocencio Arias estava em Lisboa aquando do 25 de Abril de 1974 e relata o episódio que levou ao assalto da embaixada espanhola em Lisboa por populares e o receio dos portugueses de uma invasão espanhola.

O ex-embaixador, agora na reforma, afirma a sua surpresa pela falta de conhecimentos que os espanhóis têm dos portugueses e dos seus dirigentes, com exceção de Mário Soares.

"Poucos espanhóis podiam e podem mencionar o nome de um pintor, um músico ou um político português. Muito poucos apontariam hoje o nome do Presidente da República ou do primeiro-ministro", lamenta Arias, acrescentando que "a exceção a esse desconhecimento foi Mário Soares".

O jornal La Vanguardia, de Barcelona, informa na primeira página que "faleceu Mário Soares, artífice da democracia portuguesa" e no interior refere que "Portugal chora a perda" do "histórico líder socialista".

O diário dá conta de que Soares "teve uma relação com Felipe Gonzalez [ex-líder do Governo espanhol] cheia de cumplicidades, apesar dos desencontros iniciais", e lembra que o ex-Presidente português "desde os seus tempos de universitário e jovem advogado lutou contra a ditadura de Oliveira Salazar"

Mário Soares morreu no sábado, aos 92 anos, no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, onde estava internado há 26 dias, desde 13 de Dezembro.

O Governo português decretou três dias de luto nacional, a partir de segunda-feira.

08 de janeiro de 2017 às 11:42
Sede do PS acolhe homenagem de políticos e cidadãos
Sede do PS acolhe homenagem de políticos e cidadãos

A sede nacional do PS, em Lisboa, abriu este domingo, 8 de Janeiro, pelas 10:00 para receber personalidades do partido e anónimos cidadãos que queiram prestar homenagem a Mário Soares, falecido no sábado, aos 92 anos.

Na fachada do edifício do PS, no Largo do Rato, decorre a montagem de imagens do fundador do partido e antigo chefe de Estado, e pelas 11:20 tinham sido já algumas as dezenas de pessoas que haviam entrado na sede socialista para assinar um livro de condolências em homenagem a Soares.

A antiga presidente do PS Maria de Belém foi uma das primeiras a chegar, evocando a memória de "quem esteve sempre" onde era preciso por Portugal.

"Essa dívida de gratidão não morrerá", acrescentou a socialista, que concorreu no ano passado às eleições presidenciais.

Jorge Lacão, vice-presidente da Assembleia da República, enalteceu por sua vez o legado do fundador do PS para a "história moderna" de Portugal.

Mário Soares morreu no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, onde estava internado há 26 dias, desde 13 de dezembro.

O Governo decretou três dias de luto nacional, a partir de segunda-feira.

O corpo do antigo Presidente da República vai estar em câmara ardente no Mosteiro dos Jerónimos a partir das 13:00 de segunda-feira, e o funeral realiza-se a partir das 15:30 de terça-feira, no Cemitério dos Prazeres, em Lisboa.

08 de janeiro de 2017 às 10:55
Líder do SPD recorda "um amigo especial da Alemanha"

O líder do Partido Social-Democrata alemão (SPD) apresentou condolências à família do "democrata convicto e europeísta empenhado" Mário Soares, que morreu no sábado, destacando a amizade especial entre o antigo Presidente da República e a Alemanha.

"Mário Soares foi sempre um amigo especial da Alemanha e do meu partido, o SPD. A sua amizade extraordinária com Willy Brandt, bem como a criação do Partido Socialista Português em 1973 na Academia da Fundação Friedrich Ebert em Bad Münstereifel, concederam um estatuto especial à amizade e parceria entre o SPD e o PS, que persiste até hoje", disse Sigmar Gabriel em comunicado divulgado pelo SPD.

O vice-chanceler e líder dos sociais-democratas alemães lembrou Mário Soares "como democrata convicto e europeísta empenhado", acrescentando que "mais do que nunca", é um dever defender o seu legado de uma Europa unida em paz e liberdade, "contra o populismo e o nacionalismo".

No comunicado, Sigmar Gabriel relembrou que o antigo chefe de Estado foi uma das personalidades mais importantes em Portugal e na Europa, referindo que "o corajoso compromisso com a democracia, justiça social e solidariedade moldou a vida e o trabalho de Mário Soares".

"Com perseverança e uma coragem admirável, Mário Soares enfrentou a injustiça e a opressão ditatorial no seu país, abrindo caminho para a liberdade e democracia numa sociedade aberta", disse.

Sigmar Gabriel referiu também o papel fundamental de Mário Soares na adesão de Portugal à então Comunidade Económica Europeia (CEE) em 1977, e considerou que o antigo Presidente da República "ajudou ao crescimento da Europa".

"A morte de Mário Soares é também uma dura perda para nós, os sociais-democratas alemães", afirmou Sigmar Gabriel, acrescentando que Mário Soares será sempre mantido como "uma memória honrosa".

07 de janeiro de 2017 às 22:51
Corpo chega aos Jerónimos na segunda-feira às 13:00, funeral na terça às 15:30

O corpo do antigo Presidente da República Mário Soares vai estar em câmara ardente no Mosteiro dos Jerónimos a partir das 13:00 de segunda-feira, 9 de Janeiro, e o funeral realiza-se a partir das 15:30 de terça-feira no Cemitério dos Prazeres, em Lisboa.

Segundo um comunicado divulgado este sábado, 7 de Janeiro, pelo Governo, o cortejo fúnebre passará pela residência de Mário Soares, no Campo Grande, em Lisboa, pelas 11:00.


O corpo estará em câmara ardente na Sala dos Azulejos do Mosteiro dos Jerónimos entre as 13:00 e a meia-noite de segunda-feira e na terça-feira até ao final da manhã, entre as 08:00 e as 11:00.


Antes da saída para o Cemitério dos Prazeres, haverá uma sessão de homenagem a Mário Soares, no Claustro do Mosteiro dos Jerónimos, a partir das 13:00.

07 de janeiro de 2017 às 22:16
A morte do "pai da democracia" portuguesa na imprensa mundial

A morte de Mário Soares, este sábado no hospital da Cruz Vermelha onde estava internado há 26 dias desde 13 de Dezembro, foi noticiada nas edições digitais de vários jornais em todo o mundo.

07 de janeiro de 2017 às 21:34
Assembleia da República marca sessão evocativa para quarta-feira

A Assembleia da República realizará na próxima quarta-feira uma sessão evocativa da vida do antigo Presidente da República Mário Soares, foi decidido por unanimidade em conferência de líderes parlamentares.

As direções dos grupos parlamentares decidiram também cancelar os trabalhos parlamentares marcados para terça-feira e quarta-feira de manhã, para que os deputados possam participar nas cerimónias fúnebres, comunicou o porta-voz da conferência de líderes, o deputado do PSD Duarte Pacheco.

A sessão evocativa da vida de Mário Soares realizar-se-á na quarta-feira a partir das 15:00, será aberta pelo presidente do parlamento, Eduardo Ferro Rodrigues, que lerá o voto de pesar da Assembleia da República, seguindo-se intervenções de todas as bancadas, encerradas pelo PS, partido de que Mário Soares foi fundador, comunicou igualmente Duarte Pacheco.

07 de janeiro de 2017 às 21:28
Constâncio: "Espero que o país saiba agradecer devidamente" a Mário Soares
Constâncio:

"Mário Soares foi o maior político português do século XX", realça Vítor Constâncio numa nota enviada às redacções. 

"Espero que o país lhe saiba agradecer devidamente.Pessoalmente, sinto a sua perda como a de um amigo que marcou a minha vida e que assim sempre recordarei", conclui o vice-governador do Banco Central Europeu (BCE) e ex-líder socialista.

07 de janeiro de 2017 às 19:47
Sócrates evoca "dirigente político carismático" que "ficará para a História"
Sócrates evoca

José Sócrates salientou, em declarações à SIC, a "vida política tão rica e diversificada" de Mário Soares, recordando-o como um dos "grandes combatentes pela liberdade e pela democracia" em Portugal.

Sócrates lembrou ainda a forma como Mário Soares enfrentou a ditadura, sofrendo a "prisão, o exílio e o desterro" antes do seu regresso triunfal após o 25 de Abril.


Além de "combatente pela liberdade", Sócrates disse que Mário Soares deve ser recordado como o político da "reconciliação", mormente depois da primeira vitória nas eleições presidenciais em que o país "estava tão dividido".


"O país estava tão dividido e ele apaziguou o país", sublinhou Sócrates, acrescentando que esses e outros factos transformaram Mário Soares num dos "políticos portugueses mais influentes" e também num dos "grandes políticos europeus".


Em termos pessoais, Sócrates classificou Mário Soares como um "grande companheiro político e amigo", observando que "ficará para sempre no coração" a atitude e o apoio que lhe prestou nos últimos tempos.


"O que ele fez por mim nos últimos tempos ficará para sempre no coração", disse Sócrates, que chegou a estar preso preventivamente na cadeia de Évora no âmbito da "Operação Marquês", tendo, na altura, recebido a visita de Mário Soares.

07 de janeiro de 2017 às 19:44
Pierre Moscovici manifesta "emoção e respeito"
Pierre Moscovici manifesta

 O comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici, manifestou hoje "emoção e respeito" pela morte de Mário Soares, que considera "figura marcante da esquerda socialista europeia".

"Emoção e respeito pela morte de Mário Soares, gigante da política portuguesa, figura marcante da esquerda socialista europeia", disse Moscovici, numa mensagem divulgada na sua conta na rede social Twitter.

07 de janeiro de 2017 às 19:42
Cavaco Silva lembra uma das personalidades mais marcantes do século XX
Cavaco Silva lembra uma das personalidades mais marcantes do século XX

O ex-Presidente da República Cavaco Silva lembrou o antigo chefe de Estado Mário Soares, que morreu hoje aos 92 anos, como uma das personalidades mais marcantes do século XX português, sublinhando a sua faceta de "verdadeiro animal político".

"A morte do doutor Mário Soares é um momento de profunda consternação para a generalidade dos portugueses. Foi indiscutivelmente uma das personalidades mais marcantes do século XX português", afirmou Cavaco Silva, numa declaração aos jornalistas no Convento do Sacramento, o gabinete de trabalho que ocupa desde que deixou a Presidência da República, em março de 2016.

Apesar de reconhecer que em alguns momentos da vida política foi um adversário de Mário Soares, Cavaco Silva destacou as suas capacidades de "verdadeiro animal político".

07 de janeiro de 2017 às 18:59
Carlos Moedas: Um grande democrata e um europeu de primeira hora

O comissário europeu Carlos Moedas lamentou hoje a morte do antigo Presidente da República Mário Soares, considerando que Portugal perde "um grande democrata e um europeu da primeira hora".

"Com o falecimento de Mário Soares, Portugal perde hoje um grande democrata e um europeu da primeira hora. Os meus sentimentos", escreveu o comissário português do colégio da Comissão Europeia na sua conta na rede social twitter.

Pouco antes, já o presidente da Comissão, Jean-Claude Juncker, manifestara o seu pesar pelo desaparecimento do seu "amigo Mário", considerando que tanto Portugal como a Europa "perdem um pouco de si"

07 de janeiro de 2017 às 18:59
UGT: Portugal e regime democrático perderam "patriarca da actual democracia"

A UGT lamentou hoje a morte do antigo Presidente da República Mário Soares, considerando que Portugal e o regime democrático perderam "o patriarca da atual democracia".

"Portugal e o regime democrático como hoje o conhecemos perderam o seu impulsionador. Mário Soares foi, sem dúvida, o patriarca da atual democracia e uma das mais importantes figuras políticas em Portugal e na Europa", afirmou a UGT, em comunicado.

A central sindical evidencia, na nota divulgada, que Mário Soares foi um dos grandes impulsionadores da criação da UGT "como resposta aos valores que sempre defendeu – pluralismo, contrário às teses da unicidade sindical e do discurso e pensamentos únicos".

07 de janeiro de 2017 às 18:58
Constâncio lamenta perda do “maior político português do século XX”

O antigo secretário-geral do Partido Socialista e atual vice-presidente do Banco Central Europeu, Vítor Constâncio, lamentou hoje a morte de Mário Soares como a perda do "maior político português do século XX".

Numa declaração escrita enviada à Lusa, Constâncio sublinhou que "democracia e participação no projeto europeu foram as ideias mestras pelas quais se bateu toda uma vida e que felizmente (…) conseguiu realizar", esperando "que o país lhe saiba agradecer devidamente".

"Pessoalmente, sinto a sua perda como a de um amigo que marcou a minha vida e que assim sempre recordarei", referiu Vítor Constâncio, que foi ministro das Finanças do então primeiro-ministro Mário Soares em 1978.

07 de janeiro de 2017 às 18:58
Schulz diz que desaparece um “visionário" cujo legado vai perdurar

O presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, considerou hoje que, "com a morte de Mário Soares, Portugal e a Europa perdem grande estadista" e "um "visionário", cujo "legado vai perdurar", pois o antigo Presidente da República é "uma inspiração".

Em mensagens publicadas na sua conta na rede social twitter, o presidente da assembleia europeia aponta que Portugal e a Europa perdem "um visionário, um pragmatista, um reformista, um lutador e um democrata".

"Como progressista, Soares é mais que uma figura histórica: é uma inspiração. Promoveu a liberdade, a igualdade e a dignidade. O seu legado vai perdurar", escreve Schulz.

07 de janeiro de 2017 às 18:39
CGTP destaca "forte intervenção política" do ex-Presidente

A CGTP lamentou hoje a morte do antigo Presidente da República Mário Soares, destacando a sua "forte intervenção política" antes e depois do 25 de Abril.
"Opositor ao regime fascista, preso político e advogado de presos políticos, o doutor Mário Soares foi cofundador do PS e teve uma forte intervenção política antes e depois do 25 de Abril, nomeadamente como secretário-geral do seu partido, primeiro-ministro dos I, II e IX Governos Constitucionais e Presidente da República no período compreendido entre 1986 e 1996", destacou a central sindical numa nota enviada às redações.

Apresentando condolências à família, ao PS e a todos os seus militantes e simpatizantes, a CGTP "reafirma os seus pêsames pelo desaparecimento deste destacado dirigente político e cidadão que se bateu durante toda a sua vida pelo projeto político em que acreditava"

07 de janeiro de 2017 às 18:38
Lula da Silva recorda "um dos grandes homens do século XX"

O ex-Presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva considerou hoje que "Mário Soares foi um dos grandes homens públicos do século XX, não só de Portugal, mas da Europa e do mundo". Numa publicação divulgada na sua página pessoal no Facebook, o ex-Presidente brasileiro recordou Mário Soares, que morreu hoje aos 92 anos, como "um homem comprometido durante toda a sua vida com as ideias do socialismo democrático e a construção de um mundo mais justo".

Lula da Silva lembrou a luta pela liberdade prosseguida pelo líder português, que se posicionou contra o fascismo e contra a ditadura em Portugal. Sempre defendeu e trabalhou pela cooperação e intercâmbio entre Brasil e Portugal, aproximando nossas nações. Sempre esteve, mesmo nas horas mais difíceis, do lado certo da história", acentuou.

07 de janeiro de 2017 às 18:30
PCP lembra passado antifascista e destaca profundas divergências 

O dirigente do PCP José Capucho lembrou o "passado de antifascista" de Mário Soares, que morreu hoje aos 92 anos, e evocou as "profundas e conhecidas divergências" com o ex-chefe de Estado.

Numa curta declaração na sede nacional do PCP, Lisboa, José Capucho, membro do Secretariado do Comité Central comunista, começou por dizer que já transmitiu "diretamente ao Partido Socialista e à família" as condolências pelo falecimento de Mário Soares. José Capucho lembrou o antigo Presidente da República como "personalidade relevante da vida política nacional " e como "participante no combate à ditadura fascista", evocando o seu papel no "apoio aos presos políticos".

 

07 de janeiro de 2017 às 18:30
Guterres recorda líder "de verdadeira estatura europeia e mundial"

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, homenageou hoje Mário Soares como "um dos raros líderes políticos de verdadeira estatura europeia e mundial", a quem os portugueses devem "em grande medida, a democracia, liberdade e respeito pelos direitos fundamentais". 

"Presto a minha homenagem a Mário Soares, certo de que figurará na nossa memória e na história do nosso país, como um homem livre que quis que todos nós vivêssemos em liberdade e que lutou toda uma vida para que isso fosse possível", afirma o secretário-geral da ONU, numa declaração enviada à Lusa.

07 de janeiro de 2017 às 18:29
Fernando Medina recorda "o pai da Democracia" em Portugal

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, lamentou hoje "com profunda tristeza" a morte do antigo Presidente da República Mário Soares, "o pai da Democracia" em Portugal, cujo legado deve ser protegido. Em declarações à Lusa, Fernando Medina referiu ter recebido "com profunda tristeza" a notícia da morte de "uma das figuras maiores da História e das últimas décadas da vida" de Portugal.

Mário Soares morreu hoje, aos 92 anos, no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, onde estava internado desde 13 de dezembro.

Para o autarca socialista, o que os portugueses devem a Mário Soares "não é fácil de enumerar". "Mário Soares lutou pela Democracia, pela Liberdade, esteve preso, esteve exilado, bateu-se para que Portugal fosse um estado democrático e que aderisse às comunidades económicas europeias", destacou.

Fernando Medina salientou que Soares "não esteve sozinho, teve ao seu lado dezenas, centenas, milhares de resistentes antifascistas, de portugueses, de patriotas, que defenderam e construíram a Democracia ao seu lado depois do 25 de Abril", mas, "é figura cimeira, a figura de referência, o pai da Democracia" em Portugal.

07 de janeiro de 2017 às 17:59
Catarina Martins recorda defesa de Portugal contra a ‘troika’

A coordenadora do BE, Catarina Martins, lembrou hoje "com gratidão o homem que mandou a idade e o conforto às malvas para se levantar na Aula Magna, com toda a esquerda, na defesa do país contra a ‘troika'".

"Homenagear Mário Soares como escolheu ser retratado, por Júlio Pomar. O homem com tantas vidas como a nossa democracia. Contraditório, certamente. E sem esquecer nada, digo-vos que hoje escolho recordar com gratidão o homem que mandou a idade e o conforto às malvas para se levantar na Aula Magna, com toda a esquerda, na defesa do país contra a ‘troika’", lê-se numa mensagem publicada numa rede social.

07 de janeiro de 2017 às 17:57
Jean-Claude Juncker: "Europa perde um pouco de si"

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, salientou hoje que a vida do seu "amigo Mário" Soares se confunde "com episódios marcantes do processo de construção da União Europeia" e que a Europa perde um pouco de si.

A vida de Mário Soares, disse Juncker, em comunicado, "confunde-se com a história recente de Portugal e com episódios marcantes do processo de construção da União Europeia". Para Juncker, Soares foi "orgulhosamente português" e "orgulhosamente europeu", destacando ainda que "com o seu desaparecimento, Portugal e a Europa perdem um pouco de si".

Numa nota pessoal, Juncker destacou também que "o meu amigo Mário nunca virou a cara à luta e às responsabilidades de um democrata". O presidente da Comissão Europeia destacou, também, "a resistência à ditadura e a luta determinada por uma transição do seu país para a democracia", considerando Soares "símbolo e artífice deste processo". "Mário Soares contribuiu para tornar irreversível um processo de democratização que alastraria pelo Sul da Europa e que colocou Portugal, mas também Espanha e Grécia, no caminho da adesão ao projeto europeu, âncora desses valores democráticos", considerou.

07 de janeiro de 2017 às 17:55
Sampaio: Momento é de “profundo pesar” para Portugal e para a Europa
Sampaio: Momento é de “profundo pesar” para Portugal e para a Europa

O antigo Presidente da República Jorge Sampaio evocou a memória de Mário Soares, hoje falecido, lembrando a "resiliência" do antigo chefe de Estado e dizendo que o momento é de "profundo pesar" para Portugal e para a Europa.

Recordando a "extraordinária capacidade de luta" de Soares ao longo da sua vida, Sampaio - que falava aos jornalistas em Lisboa - elogiou Mário Soares por ter estado sempre na "primeira linha" da defesa do país.

"Foi preso, exilado, nunca perdeu o seu amor por Portugal. Sempre acreditou naquilo que era o interesse de Portugal e no que era estrategicamente vital para a democracia portuguesa", assinalou.

07 de janeiro de 2017 às 17:54
Costa: Foi o rosto e a voz da liberdade, país fica-lhe eternamente grato

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou hoje que o país deve muito e ficará "eternamente grato" à ação política do antigo Presidente da República Mário Soares, que classificou como o rosto e a voz da liberdade portuguesa.

 

Palavras proferidas pelo primeiro-ministro em Nova Deli, capital da Índia, depois de ter sido informado da morte do antigo Presidente da República Mário Soares, aos 92 anos, no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, onde se encontrava internado desde o dia 13 de dezembro. "Perdemos hoje aquele que foi tantas vezes o rosto e a voz da nossa liberdade. Mário Soares foi um homem que durante toda a sua vida se bateu pela liberdade, fê-lo contra a ditadura, sofrendo a prisão, a deportação e o exílio", declarou António Costa.

O primeiro-ministro referiu depois que o fundador do PS continuou a bater-se pela liberdade e pela democracia após o 25 de Abril de 1974, razão pela qual a ele se deve "ter-se salvo a revolução". "Também soube pôr fim ao colonialismo e abrir a opção europeia de Portugal. A perda de Mário Soares é a perda de alguém que teria sido insubstituível na nossa História recente. Devemos-lhe muito e ficaremos para sempre eternamente gratos", declarou o primeiro-ministro.

 

07 de janeiro de 2017 às 17:53
PAN destaca legado de “dedicação e luta pela Democracia”

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) lamentou hoje a morte do antigo Presidente da República Mário Soares, uma das figuras "mais marcantes dos séculos XX e XXI", destacando o legado "de dedicação e luta pela democracia". "Portugal perdeu uma das suas figuras políticas mais marcantes do século XX e XXI", que deixa "um legado de dedicação e luta pela democracia ainda no Estado Novo e de fulgor na defesa de um estado social já depois da Revolução de Abril", referiu o deputado e dirigente do PAN, André Silva, numa nota enviada à agência Lusa.

07 de janeiro de 2017 às 17:52
Rajoy considera que morreu grande europeista e figura decisiva

O presidente do Governo de Espanha, Mariano Rajoy, enviou hoje os seus pêsames ao povo português e à família de Mário Soares, considerando o ex-Presidente um grande europeísta e figura decisiva na democracia portuguesa. "Os meus sentidos pêsames ao povo português e à família de Mário Soares, grande europeísta e homem decisivo na democracia lusa", escreveu Rajoy na sua conta da rede social Twitter.

07 de janeiro de 2017 às 17:51
Freitas do Amaral lamenta morte do "Patriaca da Democracia"

O ex-líder do CDS e candidato a Belém Diogo Freitas do Amaral lamentou hoje a morte do antigo Presidente da República Mário Soares que classificou de "Patriarca da Democracia". "Morreu o ‘Patriarca da Democracia’. Ninguém a encarnou melhor do que ele, antes e depois de 1974. À doutora Isabel Soares e ao doutor João Soares, nossos bons amigos, a minha mulher e eu enviamos as nossas mais sinceras condolências", escreveu o ex-vice-primeiro-ministro e titular dos Negócios Estrangeiros, numa declaração enviada à Lusa. Na mesma nota, Freitas do Amaral evidenciou: "Todos os Portugueses podem estar certos de uma coisa: Mário Soares não será esquecido; e quem não esquece, não morre".

07 de janeiro de 2017 às 17:45
PSD cancela iniciativas

O PSD anunciou hoje que as iniciativas do partido com membros da direção previstas "para os próximos dias" foram canceladas devido à morte do antigo Presidente da República Mário Soares. "O Partido Social Democrata informa que, devido ao falecimento do dr. Mário Soares, as iniciativas partidárias com os membros da direção do Partido previstas para os próximos dias estão canceladas", divulgou em comunicado o PSD.

07 de janeiro de 2017 às 17:40
Ferro Rodrigues lembra um dos fundadores da democracia

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, lembra o antigo Presidente da República Mário Soares, que morreu hoje aos 92 anos, como "um grande português" e um dos fundadores da democracia em Portugal.

"É com grande pesar que tomo conhecimento do falecimento de Mário Soares. É costume dizer-se dos grandes políticos que a sua vida se confunde com a do tempo histórico que viveram. No caso de Mário Soares, não será exagerado dizer que é o último quartel do século XX português que se confunde com ele", lê-se numa mensagem de Ferro Rodrigues, divulgada no ‘site' do parlamento. O antigo Presidente da República morreu hoje aos 92 anos, no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa. Sublinhando que "Mário Soares foi um Grande Português", o presidente da Assembleia da República recorda a forma como o antigo chefe de Estado lutou pela democracia antes e depois do 25 de Abril.

"Se a nossa geração já fez política em democracia, se as gerações dos meus filhos e netos já cresceram num país livre, democrático e europeu, a ele muito o devemos", lê-se na mensagem, onde Ferro Rodrigues lembra também que Mário Soares, como líder político e deputado à Assembleia Constituinte, foi um dos fundadores da democracia portuguesa, iniciada pelo Movimento das Forças Armadas a 25 de abril de 1974.

07 de janeiro de 2017 às 17:39
Marcelo: Mário Soares nasceu e formou-se para ser um lutador
Marcelo: Mário Soares nasceu e formou-se para ser um lutador

O Presidente da República recordou hoje o antigo chefe de Estado Mário Soares, acima de tudo, como um "lutador da liberdade" e defendeu que Portugal tem o dever de combater pela "imortalidade do seu legado". Numa declaração de cerca de quatro minutos, lida na Sala das Bicas do Palácio de Belém, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que "Mário Soares nasceu e formou-se para ser um lutador e para ter uma causa para a sua luta: a liberdade", e considerou que esse foi "o penúltimo combate" que travou.

"Resta a Mário Soares, como inspirador, travar o derradeiro combate, aquele em que estamos e estaremos todos com ele: o combate pela duradoura liberdade com justiça na nossa pátria comum, que o mesmo é dizer, o combate da imortalidade do seu legado, um combate que iremos vencer, porque dele nunca desistiremos, tal como Mário Soares nunca desistiu de um Portugal livre, de uma Europa livre, de um mundo livre. E, no que era decisivo, ele foi sempre vencedor", acrescentou.

07 de janeiro de 2017 às 17:37
António Costa mantém visita de Estado à Índia e estará ausente do funeral
António Costa mantém visita de Estado à Índia e estará ausente do funeral

O primeiro-ministro, António Costa, comunicou hoje que estará ausente do funeral do antigo Presidente da República Mário Soares, numa declaração em que enviou condolências aos filhos do fundador do PS, João e Isabel Soares.

"Estando em visita de Estado, não poderei estar pessoalmente presente, mas envio ao João, a Isabel, filhos de Mário Soares, e aos netos, envio daqui um grande abraço e uma saudade que, para mim, será sempre eterna", declarou o líder do executivo. António Costa, no âmbito da sua visita de Estado à Índia, parte esta noite para Bangalore, seguindo depois para os do Gujarat e de Goa, tendo regresso marcado para quinta-feira.

07 de janeiro de 2017 às 17:37
FC Porto destaca papel na transição da ditadura para a democracia

O FC Porto elogiou o papel relevante do antigo Presidente da República e ex-primeiro-ministro Mário Soares, que morreu hoje aos 92 anos, "na transição de uma negra ditadura de 48 anos para um regime democrático". "A relação entre Mário Soares e o FC Porto foi sempre fraterna: o primeiro primeiro-ministro português eleito democraticamente, em 1976, foi também o Dragão de Honra inaugural, em 1986, na segunda entrega dos Dragões de Ouro. Trata-se da mais alta distinção atribuída pelo clube", refere o FC Porto em comunicado.

07 de janeiro de 2017 às 17:14
Passos Coelho evoca "grande democrata" e "político polémico"

O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, lamentou hoje a morte do antigo Presidente da República, que classificou como "um grande democrata" e "um político polémico". "É um dia triste para todos os portugueses", referiu Passos Coelho, à margem de uma visita à Santa Casa da Misericórdia de Barcelos.

Para Passos Coelho, "será impossível" escrever a História de Portugal das últimas dezenas de anos "sem nelas encontrar referências múltiplas à intervenção política de Soares, em muitas ocasiões decisiva".

"Como um grande democrata que foi, o doutor Mário Soares foi também um político polémico, que combateu pelas suas ideias, há de ter feito muitos amigos, terá tido também com certeza muitos adversários ao longo de todos estes anos", acrescentou. Passos Coelho endereçou uma mensagem de "sentido pesar" à família e uma mensagem "de condolências" ao PS, partido de que Mário Soares foi fundador.

07 de janeiro de 2017 às 17:04
Falecimento ocorreu “na presença constante” dos filhos

O diretor clínico do Hospital da Cruz Vermelha, Manuel Pedro Magalhães, informou hoje que o antigo Presidente da República Mário Soares faleceu às 15:28, na "presença constante" dos seus filhos, Isabel e João Soares. A informação foi dada pelo diretor clínico do Hospital numa curta declaração aos jornalistas, sem direito a perguntas.

"É com enorme tristeza que o Hospital da Cruz Vermelha anuncia a todos que, na presença constante dos seus filhos João e Isabel, às 15:28 do dia 07 de janeiro de 2017, ocorreu o falecimento do doutor Mário Soares", disse o diretor clínico do Hospital numa curta declaração aos jornalistas, sem direito a perguntas.

Falando em nome do estabelecimento de saúde, Manuel Pedro Magalhães agradeceu "a confiança depositada na sua equipa clínica para o tratamento do doutor Mário Soares". "O nome de Mário Soares, um grande lutador por ideais vários da democracia, ficará para sempre ligado à história do Hospital", concluiu.

07 de janeiro de 2017 às 17:03
“O líder histórico” do PS que "ajudou a moldar a democracia”

O Partido Socialista Europeu (PES) lamentou hoje a morte do "líder histórico" do PS Mário Soares, sublinhando que o antigo Presidente da República ajudou a "moldar a democracia" em Portugal e liderou o processo de integração europeia.

"Hoje dizemos adeus a Mário Soares, o líder histórico e fundador do Partido Socialista. Ele levou uma vida corajosa, opondo-se fortemente à ditadura de Salazar em Portugal, e, após a revolução, o seu trabalho ajudou a moldar a democracia, tendo ainda conduzido o país rumo à adesão à União Europeia", lê-se numa mensagem publicada no sítio de Internet do PES.

07 de janeiro de 2017 às 17:02
Governo decreta três dias de luto nacional e funeral com honras de Estado

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou hoje que o Governo decretou três dias de luto nacional, a partir de segunda-feira, pela morte do antigo Presidente da República Mário Soares e funeral com honras de Estado.

António Costa comunicou estas decisões do seu executivo na capital da Índia, em Nova Deli, onde realiza até quinta-feira uma visita de Estado.

 

07 de janeiro de 2017 às 16:50
Imprensa internacional destaca morte de Mário Soares

A morte de Mário Soares, hoje anunciada em Lisboa, está a merecer destaque nos principais portais dos mais conhecidos media internacionais, como o Wall Street Journal, a BBC ou o Les Echos, entre outros.

"Mário Soares, uma figura pivot na transição de Portugal da ditadura para a democracia, que como primeiro-ministro liderou o empobrecido país para a União Europeia, morreu hoje, com 92 anos", escreve o Wall Street Journal, sublinhando que "o socialista era largamente admirado pela sua tenacidade e pelo seu exuberante otimismo".


Financial Times 

El Pais

WSJ

BBC

Les Echos

07 de janeiro de 2017 às 16:37
Liga decreta minuto de silêncio

A Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) decretou um minuto de silêncio nos jogos da 16.ª jornada da I Liga e da 21.ª da II Liga, em memória do antigo Presidente da República Mário Soares, que morreu hoje aos 92 anos. O minuto de silêncio vai ser respeitado a partir do jogo entre Vitória de Guimarães e Benfica, que se disputa a partir das 18:15, no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães.

07 de janeiro de 2017 às 16:36
PS: Portugal perdeu hoje o pai da Liberdade e da Democracia

O Partido Socialista considerou que "Portugal perdeu hoje o pai da Liberdade e da Democracia, a personalidade e o rosto que os portugueses mais identificam com o regime nascido a 25 de abril de 1974".

Com o desaparecimento de Mário Soares, o PS salienta, numa declaração publicada na sua página oficial, que "acaba de sofrer a maior das perdas imagináveis, a sua maior referência, o fundador e militante número 1, figura maior e indelével do socialismo democratico português e europeu". "Este é um momento de profunda dor para todos os socialistas, que sabemos partilhada por tantos e tantos portugueses, que reconhecem em Mário soares uma figura maior da nossa democracia", diz o partido com sede no Largo do Rato.


07 de janeiro de 2017 às 16:34
CDS-PP destaca “papel único na definição do Portugal democrático Europeu"

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, lamentou hoje a morte do antigo Presidente da República Mário Soares, destacando o seu "papel único na definição do Portugal Democrático Europeu". Esta foi a mensagem enviada à comunicaçáo social:

"Mário Soares teve um papel único na definição do Portugal democrático e europeu. Em muitas alturas o CDS teve grandes divergências políticas com o Dr. Mário Soares, mas não esquecemos o seu papel fundador no Portugal Democrático, especialmente no difícil período revolucionário em que se opôs à hegemonia política e totalitária - e em que, tendo vencido, ajudou a democracia a vencer e a ser consolidada em Portugal. O CDS apresenta sentidas condolências à sua família e aos amigos do Dr. Mário Soares". 

07 de janeiro de 2017 às 16:33
Presidente do Sporting lamenta morte do ex-Presidente da República

O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, lamentou hoje a morte de Mário Soares, observando que o antigo Presidente da República e primeiro-ministro foi um dos homens a quem Portugal deve a conquista da democracia. "Morreu Mário Soares, ex-Presidente da República, ex-primeiro-ministro e um dos homens a quem devemos a conquista da nossa democracia. Com todos os seus defeitos e virtudes - era um ser humano como todos nós - não deixou de ser um estadista", indica o Facebook oficial de Bruno de Carvalho.

07 de janeiro de 2017 às 16:33
Governo da Madeira homenageia "estadista"

O Governo Regional da Madeira lamentou hoje a morte do antigo Presidente da República Mário Soares, homenageando o "estadista", que "sempre lutou pela democracia", pelos "relevantes serviços prestados ao país". "O Governo Regional da Madeira lamenta a morte do Dr. Mário Soares, e expressa sentidas e profundas condolências à família e amigos", diz o executivo madeirense numa nota divulgada pela presidência do executivo regional.

07 de janeiro de 2017 às 16:32
Benfica expressa profundo pesar

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, expressou hoje o profundo pesar pela morte do antigo Presidente da República Mário Soares, aos 92 anos. "Nesta hora de enorme perda para o país e para a lusofonia de uma grande personalidade, fundadora da democracia portuguesa, promotora da adesão de Portugal à União Europeia e titular dos principais cargos políticos de Portugal, em meu nome pessoal e do Sport Lisboa e Benfica expresso o mais profundo pesar pelo falecimento do Dr. Mário Soares e apresento à família e ao Partido Socialista, de que foi fundador, as mais sentidas condolências", lê-se no comunicado do clube ‘encarnado’.

07 de janeiro de 2017 às 16:32
As frases marcantes

Leia as 17 frases de Mário Soares que ajudam a perceber o pensamento e as convicções do fundador do PS e ex-Presidente da República. 

07 de janeiro de 2017 às 16:30
O percurso político de Mário Soares
O percurso político de Mário Soares

07 de janeiro de 2017 às 16:30
A cronologia

Nasceu no ano da morte de Lenine. Fazer uma viagem pela sua vida é viajar pela história da democracia portuguesa. Veja aqui a cronologia com a vida de Mário Soares em imagens.

07 de janeiro de 2017 às 16:28
Perfil: O político total
Perfil: O político total

Aqui pode ler o perfil de Mário Soares, escrito por Fernando Sobral. 

07 de janeiro de 2017 às 16:25
Mário Soares morre aos 92 anos




A sua opinião23
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Gatunos 07.01.2017

Menos um que terei de pagar uma pensão de reforma milionária, subvenções vitalícias, motorista, etc eu que tenho um salario de escravo e pago impostos como um escravo.
Estes democratas do regime parido na revolução dos cravos, pariram 3 bancarrota, assassinaram a nossa moeda do escudo, assassinaram as fronteiras, assassinaram grande parte da industria, construção naval, pescas, etc, assassinaram a soberania e a independência de Portugal , assassinaram o futuro das próximas gerações que já nascem penhoradas e falidas.

comentários mais recentes
JARANES 12.01.2017

O VERDADEIRO SOCIALISMO
Ficamos a saber pela voz da filha de Mário Soares que este tinha por hábito deslocar-se a França, levando com ele desvalidos das zonas pobres de Lisboa e levava-os a almoçar e jantar nos restaurantes chiques de Paris e fulaneava com eles pelo Cartier Latin.
Tudo muito chique e muito socialista.

soros-bq 09.01.2017

“A ditadura perfeita terá as
aparências de uma democracia,
uma prisão sem muros na qual
os prisioneiros não sonharão
sequer com a fuga. Um sistema
de escravatura onde, graças
ao consumo e divertimento,
os escravos terão amor à sua
escravidão.”
Aldous Huxley

Anónimo 08.01.2017

onde anda a miss ricardo salgado?

Rammstein 08.01.2017

Menos 1 a mamar do Estado. Boas noticias para o défice.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
Momentos Chave
pub