Orçamento do Estado Marques Mendes: derrama de IRC vai aumentar e há mexidas nos recibos verdes

Marques Mendes: derrama de IRC vai aumentar e há mexidas nos recibos verdes

O agravamento da derrama estadual paga pelas empresas com lucros superiores a 35 milhões de euros vai mesmo avançar, garantiu Luís Marques Mendes no seu espaço de comentário de domingo à noite na SIC. E vai haver mudanças nos recibos verdes.
Marques Mendes: derrama de IRC vai aumentar e há mexidas nos recibos verdes
André Veríssimo 05 de novembro de 2017 às 20:52

Segundo o comentador, a proposta do PCP e do BE "vai mesmo ser aprovada" na discussão do Orçamento do Estado na especialidade e há "cerca de 70 empresas abrangidas por este agravamento fiscal". A proposta em cima da mesa prevê a subida, dos sete para os nove pontos percentuais, da taxa que incide sobre o montante de lucro que excede os 35 milhões de euros.

 

Marques Mendes considera este agravamento "um erro. Não contribui para baixar o desemprego nem para criar mais emprego". O aumento da derrama é também contestado pelas associações patronais.

 

O próprio ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, também não vê a medida com bons olhos, considerando na entrevista à Antena 1 e ao Negócios que ela "é claramente contra a descida da carga fiscal".

Também o presidente da CIP - Confederação Empresarial de Portugal, António Saraiva, criticou a "ameaça" de aumento da carga fiscal no Orçamento do Estado (OE) para 2018, através daquela que classificou, no passado dia 26 de Outubro, como "história mirabolante" do agravamento da derrama estadual.

Segundo António Saraiva, os patrões sentem-se "perseguidos e estigmatizados" na derrama do IRC.

 

O ex-ministro e antigo líder do PSD avança também que, na especialidade, haverá  mudanças na tributação dos recibos verdes face à proposta do Orçamento do Estado. Segundo Marques Mendes, "a solução final será de geometria variável: o ‘bónus’ actual [de 25% para rendimentos até 200 mil euros] manter-se-á para rendimentos mais baixos e para algumas actividades e acabará noutros casos". O bónus será mantido, por exemplo, para agricultores e comerciantes, e poderá acabar para médicos ou advogados.

 

Marques Mendes avança ainda que o reforço de verbas por causa dos fogos florestais será repartido entre o Orçamento do Estado deste ano e o de 2018.




A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Continua o ataque ao recibos verdes.. agora estão a afinar a mira, mas não deixa de ser um ataque. Para ficar completo umas reportagens de médicos corruptos e pronto, o povo já fica a concordar com o ataque. O PS, Bloco e PCP a utilizarem as melhores táticas do bloco soviético.

Estou apertado . . . Há 2 semanas

Posso dar um Peido ? não me vão taxar por isso ? e um arroto ? Se isto não é o comunismo, . . . venha ele então para ver se acho alguma diferença

Senda Comunista Há 2 semanas

Neste paizinho só se pode ser empresário se apresentar prejuizo ou der jobs for thee boys ou ter cambalacho com aparelhos partidários : de outro modo é um capitalista a sugar até ao tutano

Bufo Há 2 semanas

O rodas baixas tem todo o aspecto de um autentico Bufo . . . passa a vida a Bufar e pelos vistos governa-se bem a BUFAR . . . . Ganda Noia !

ver mais comentários
pub