Política Marques Mendes diz que decisão de Passos Coelho é "muito digna"

Marques Mendes diz que decisão de Passos Coelho é "muito digna"

O antigo líder do PSD Luís Marques Mendes considerou hoje que a decisão do actual presidente do partido, Pedro Passos Coelho, de não se recandidatar ao cargo é uma decisão "muito digna".
Marques Mendes diz que decisão de Passos Coelho é "muito digna"
Lusa 03 de outubro de 2017 às 21:45

"Eu já no domingo à noite tinha antecipado este cenário, a não candidatura de Passos Coelho", apontou Marques Mendes, questionado pelos jornalistas sobre a decisão do actual presidente dos sociais-democratas, conhecida esta tarde.

 

Na sua opinião, esta "é uma decisão muito digna".

 

"Ele merece ser cumprimentado pela dignidade de ter colocado os interesses do partido acima de qualquer tentação de se agarrar ao lugar", considerou Luís Marques Mendes, falando à margem da inauguração da nova sede da sociedade que integra, a Abreu Advogados, situada na frente ribeirinha de Lisboa, e que constituiu um investimento de 13 milhões de euros.

 

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, anunciou hoje na reunião da Comissão Política Nacional, que não se irá recandidatar ao cargo nas próximas eleições directas, disseram à Lusa fontes sociais-democratas presentes neste órgão.

 

Contactada pela Lusa, fonte oficial do PSD remeteu uma resposta para a intervenção inicial de Passos Coelho no Conselho Nacional, que será aberta à comunicação social.

 

Na noite das eleições autárquicas, no domingo, nas quais o PSD obteve o seu pior resultado de sempre, Passos Coelho reiterou que não se iria demitir na sequência de resultados de eleições locais, mas prometeu uma "reflexão ponderada" sobre se iria ou não recandidatar-se ao cargo nas directas previstas para o início do próximo ano.

 

Hoje de manhã, reuniu-se a comissão permanente do PSD - o núcleo duro da direcção -- e, à tarde, a comissão política. Esta noite está reunido o Conselho Nacional, num hotel em Lisboa.

 

No domingo, num comentário aos resultados das eleições autárquicas, Luís Marques Mendes, afirmou que não ficaria surpreendido se Pedro Passos Coelho comunicasse a sua saída da liderança dos sociais-democratas, face aos resultados das eleições autárquicas.

 

Em declarações na SIC Notícias, Marques Mendes qualificou o resultado do PSD nestas eleições como "uma hecatombe, um terremoto", e considerou que, se Passos Coelho quiser continuar à frente do partido, "a vida dele vai ser um inferno completo" e "vai ter dificuldade, numas directas, de se manter na liderança".

 

Quanto ao futuro do futuro, Mendes remeteu mais considerações para o seu habitual comentário televisivo.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 04.10.2017

A decisão de Passos Coelho é digna. Não se conhecem a esse SENHOR indignidades. Bem menos digna e desleal são os comentários que vais debitando, à Nação, todos os domingos. Não foi a segurança de Passos Coelho na condução dos interesses do País e, deveres do partido, que conduziram à sua retirada. Foi sim a deslealdade dos seus militantes e, sobretudo, a verborreia de alguns barões e baronetas, minando a solidez da liderança. A liderança do líder esteve sempre sólida e no lugar. Oxalá a sucessão a copie, não teimando em fazer tombar, quem ainda vai tendo forças que invertam o caminho do abismo!!!

comentários mais recentes
ahahahhaah 04.10.2017

Chamar digno a um filha da puta do pior é engraçado.

Anónimo 04.10.2017

A decisão de Passos Coelho é digna. Não se conhecem a esse SENHOR indignidades. Bem menos digna e desleal são os comentários que vais debitando, à Nação, todos os domingos. Não foi a segurança de Passos Coelho na condução dos interesses do País e, deveres do partido, que conduziram à sua retirada. Foi sim a deslealdade dos seus militantes e, sobretudo, a verborreia de alguns barões e baronetas, minando a solidez da liderança. A liderança do líder esteve sempre sólida e no lugar. Oxalá a sucessão a copie, não teimando em fazer tombar, quem ainda vai tendo forças que invertam o caminho do abismo!!!

pub