Mundo Marques Mendes diz que Portugal não será alvo de retaliações económicas e diplomáticas de Angola

Marques Mendes diz que Portugal não será alvo de retaliações económicas e diplomáticas de Angola

O comentador político considera que Angola e Portugal estão "condenados a entenderem-se" e que no futuro "tudo se ajustará".
Marques Mendes diz que Portugal não será alvo de retaliações económicas e diplomáticas de Angola
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 21 de janeiro de 2018 às 21:11

Luís Marques Mendes avançou este domingo, 21 de Janeiro, que Portugal não será alvo de retaliações económicas e diplomáticas por parte de Angola, devido ao julgamento da Operação Fizz, que terá início amanhã.

"No imediato, há uma tensão forte no ar. Mas, ao que apurei, não haverá da parte de Angola retaliações económicas e diplomáticas. Apenas suspensão de visitas ao alto nível a Portugal e a Angola dos respectivos Chefes de Estado e Primeiros-Ministros", afirmou o antigo dirigente do PSD no espaço semanal de comentário político na SIC.

Marques Mendes acredita mesmo que no futuro, "tudo se ajustará". "Angola e Portugal estão ‘condenados a entender-se’. Precisam um do outro", concluiu.

Sobre o julgamento, Marques Mendes defende que amanhã acontecerá uma de duas hipóteses: "ou o julgamento é suspenso até que o Tribunal da Relação decida" – sobre o recurso da defesa da decisão de realizar o julgamento em Portugal – ou haverá uma separação de processos, "fazendo com que o julgamento se inicie em relação a vários arguidos e fique em banho maria em relação a Manuel Vicente".

"Juridicamente a questão é controversa. Em princípio, o julgamento deveria ser feito em Angola, de acordo com uma Convenção Judiciária celebrada em 1997 entre Portugal e Angola. Só que o MP alega que lá, em Angola, não haverá julgamento porque os crimes de que Manuel Vicente está acusado estariam amnistiados", justifica o comentador.

Na Operação Fizz, o ex-vice-presidente angolano, Manuel Vicente é acusado de corrupção activa em co-autoria com o advogado Paulo Blanco e Armindo Pires, branqueamento de capitais, em co-autoria com Paulo Blanco, Armindo Pires e Orlando Figueira e falsificação de documento, com os mesmos arguidos.


A Procuradoria-Geral da República recusou transferir o processo para Angola, ao abrigo de convenções judiciárias com a CPLP, o que levou o Presidente angolano, João Lourenço, a classificar como "uma ofensa" a atitude da Justiça portuguesa, advertindo que as relações entre os dois países vão "depender muito" da resolução do caso.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 22.01.2018

Este MM é um nojo. Quando elogia a Marques Vidal fala do processo contra o Socrates. E os vistos gold que envolve o Macedo? E por pouco iria mete lo também ao barulho? Quando a Angola porque não divulgas quanto os vários escritório de advogados com quem trabalhas faturam com esta gente?

General Ciresp 22.01.2018

Alguma coisa me diz q este julgamento vai ser igual aquelas partidas de futebol subornadas.Enquanto o jornalista nao for capaz de destrucar esta nota de 500 por moedas de 0,50centimos,ou 1 euro nunca isto chegara ao maior numero de portugueses.Dai a queda de venda dos diarios,julgo.Simples e curto.

Blá blá bla 22.01.2018

Bla blá blá

Ciifrão 21.01.2018

O senhor sabe tudo, não o ouço para não me confundir.

pub