Angola Marques Mendes: Parecer da PGR defende que Manuel Vicente tem que ser julgado em Portugal

Marques Mendes: Parecer da PGR defende que Manuel Vicente tem que ser julgado em Portugal

O parecer do conselho consultivo da PGR aponta para que o antigo vice-presidente de Angola não tenha imunidade diplomática. O comentador suspeita que o primeiro-ministro não o vai homologar.
Marques Mendes: Parecer da PGR defende que Manuel Vicente tem que ser julgado em Portugal
Negócios 03 de dezembro de 2017 às 21:01

António Costa pediu ao conselho consultivo da PGR um parecer para determinar se Manuel Vicente beneficia de imunidade diplomática no caso em que está a ser acusado, devido ao facto de ter sido vice-presidente de Angola.

 

De acordo com Marques Mendes, o parecer "é no sentido de confirmar a tese do Ministério Público, ou seja, que não há lugar a imunidade diplomática", pelo que Manuel Vicente teria que "ser julgado em Portugal pelos crimes de que está acusado".

 

Contudo, para este parecer ter valor jurídico, terá que ser homologado por António Costa. E o comentador da SIC diz a este respeito que suspeita que o primeiro-ministro não vai homologar o parecer "para dar uma mensagem de simpatia político-diplomática em relação a Angola, tentando desanuviar o ambiente existente".

 

Se for este o caso, a decisão de Costa "não tem quaisquer consequências jurídicas no processo", que continua, mas o primeiro-ministro "dá politicamente um sinal de simpatia e de desanuviamento das relações com Angola".

 

Caso opte por homologar o parecer do conselho consultivo da PRG, Costa "reforça os argumentos do Ministério Público mas enfurece as autoridades de Angola", conclui Marques Mendes.

 

Na semana passada, o chefe da diplomacia angolana defendeu a transferência para a Justiça do país do processo que em Portugal envolve o ex-vice-Presidente da República, Manuel Vicente.

O ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, alertou que Angola não está à procura de "briga", mas que não vai fugir dela, para defender a soberania e dignidade do país.

 

Em causa está o caso "Operação Fizz", processo em que o ex-vice-Presidente de Angola e ex-presidente do conselho de administração da Sonangol, Manuel Vicente (na foto), é suspeito de ter corrompido, em Portugal, Orlando Figueira, quando este era procurador do DCIAP, departamento do Ministério Público, que investiga a criminalidade mais grave, organizada e sofisticada, designadamente de natureza económica.

 

Manuel Vicente é acusado de ter praticado alegados pagamentos no valor de 760 mil euros, ao então magistrado para obter decisões favoráveis em dois inquéritos que tramitaram no DCIAP.

 

Manuel Vicente está acusado de corrupção activa na forma agravada, branqueamento de capitais e falsificação de documentos.




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT87641
30 segundos da vossa atenção bastam para ajudar na regularização dos salários dos mais de 100.000 (!) portugueses a trabalhar em Angola e a trazer o dinheiro de volta para o nosso país

Anónimo Há 1 semana

Nada de transferência para Angola. cometeu em solo português, em beneficio proprio e não para o bem do povo Angolano, que sempre crucificaram com os saques. deve ser julgado lá. até porque, quando cometeu, não era vice presidente. Quem não deve, não teme.

Apolinário Há 1 semana

os Criminosos devem ser responsabilizados, para salvaguardo do interesse público

Pois, acabe-se com o MP Há 1 semana

Não serve para nada, arquiva tudo e só dá despesa. Extinga-se o MP.

ver mais comentários
pub