Conjuntura Marques Mendes: Portugal deve ter crescido mais de 2,4% no arranque do ano

Marques Mendes: Portugal deve ter crescido mais de 2,4% no arranque do ano

Se se confirmar o crescimento, que amanhã será anunciado pelo INE na estimativa rápida, o comentador diz que a economia avançou à boleia do investimento e das exportações, uma receita contrária à defendida pelos socialistas.
Marques Mendes: Portugal deve ter crescido mais de 2,4% no arranque do ano
Miguel Baltazar/Negócios
Paulo Zacarias Gomes 14 de maio de 2017 às 21:32

O comentador televisivo Luís Marques Mendes disse este domingo à noite, no seu comentário habitual no jornal da noite da SIC, que a economia portuguesa deverá ter crescido mais de 2,4% no primeiro trimestre, com base na opinião de várias organizações, o que, a confirmar-se, poderá fazer com que seja o ritmo mais elevado de crescimento em sete anos.

"Se isso acontecer, é uma excelente notícia," afirmou. 

O valor – que esta segunda-feira deverá ser tornado público pelo Instituto Nacional de Estatística na estimativa rápida – terá sido conseguido, de acordo com o antigo líder social-democrata, com a aceleração das exportações e do investimento, apesar de um menor crescimento do consumo.

A revelação do comentador surge dois dias depois de também as instituições que acompanham a economia nacional anteciparem que o PIB terá subido mais de 2% no primeiro trimestre. As previsões das entidades citadas pelo Negócios oscilavam entre subidas de 2,1% e 2,7%.

Marques Mendes refere que este é resultado de uma "estratégia de crescimento correcta", embora "contrária" à que o Governo defendia, que era crescer na base do consumo.

O comentador deu ainda conta de que o Governo e os parceiros que o suportam na Assembleia da República vão acordar todas as matérias essenciais em termos de proposta de Orçamento do Estado para 2018 antes das autárquicas de 1 de Outubro, deixando para depois a divulgação do acordo e os pormenores.

Marques Mendes referiu que os principais pontos a fechar se prendem com o descongelamento de carreiras da função pública e a revisão dos escalões do IRS, em que não deverá haver acordo antes das eleições. E o que dá também ao PCP e Bloco espaço de manobra para o "discurso sem se dizer que está amarrado a um acordo".

Na arena política das autárquicas, o antigo ministro de Cavaco Silva criticou ainda Assunção Cristas pela proposta de criação de 20 novas estações no metro de Lisboa, "uma surpresa muito negativa", que "cheira a campanha eleitoral" e soa a "oportunismo". "É preciso estudar" o valor e onde se obtém o financiamento. Iniciativas deste género, disse, descredibilizam os seus autores e "são contraproducentes".




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado SÍTIO MUITO MANHOSO 15.05.2017


... mais uma notícia de que o profecta da desgraça e ladrão de reformados e de quem trabalha se vai queixar ao seu amigo DIABO !
Tudo o que é bom para Portugal é mau para o PROFECTA DA DESGRAÇA ! ! !

comentários mais recentes
Toma anão 15.05.2017

Engole lá mais um elefante Carrega Costa

SÍTIO MUITO MANHOSO 15.05.2017


... mais uma notícia de que o profecta da desgraça e ladrão de reformados e de quem trabalha se vai queixar ao seu amigo DIABO !
Tudo o que é bom para Portugal é mau para o PROFECTA DA DESGRAÇA ! ! !

Ciifrão 15.05.2017

Jornalismo da caca.

Anónimo 14.05.2017

Azia para o cara de velha.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub