Impostos Marques Mendes recomenda prorrogação do prazo de pagamento do adicional ao IMI

Marques Mendes recomenda prorrogação do prazo de pagamento do adicional ao IMI

O comentador recomendou ao Governo e aos partidos, este domingo no habitual espaço de comentário na SIC, que prorroguem o prazo de pagamento do adicional ao IMI.
Marques Mendes recomenda prorrogação do prazo de pagamento do adicional ao IMI
Bruno Simão
Negócios 13 de agosto de 2017 às 21:27

"Aqui está um bom exemplo de duas coisas: arrogância do Estado e falta de respeito pelos contribuintes". É esta a opinião de Marques Mendes sobre a taxa adicional ao IMI, que no seu comentário habitual na SIC, esta noite, recomendou ao Governo e aos partidos que prorroguem o prazo de pagamento deste novo imposto. Em sua opinião, isso "não prejudicaria ninguém, o Fisco receberia o que tem a receber".

 

"Desde o fim do ano passado que os contribuintes sabiam que haveria uma taxa adicional ao IMI para pagar sobre património que ultrapassasse os 600 mil euros ou 1,2 milhões euros se se tratar de um casal (imposto Mortágua). O que muitos contribuintes não sabiam é que para os casais beneficiarem de tributação conjunta (ou seja, de isenção até 1,2 milhões) tinham de apresentar uma declaração às Finanças. E, agora, são surpreendidos com a notícia de que podem ter de pagar mais do que seria exigível", comentou Marques Mendes.

 

Apesar de o desconhecimento da lei não ser argumento, o antigo líder do PSD questionou se, "sendo um imposto novo, não era dever das Finanças terem feito uma campanha de informação e esclarecimento dos contribuintes?"

 

"Será que as Finanças pensam que os contribuintes são todos advogados, fiscalistas ou técnicos de contas que andam com o Diário da República debaixo do braço? E com tantos cruzamentos de dados que as Finanças fazem, não podiam, eles próprios, verificar quantos são os titulares dos imoveis, evitando uma declaração dos contribuintes?", perguntou Marques Mendes.

 

Recorde-se que o imposto para quem tem património de elevado valor apanhou alguns proprietários distraídos, sendo emblemático o caso de casais que se esqueceram de pedir às Finanças a tributação conjunta, que confere uma isenção maior, e que agora receberam a conta do Fisco para pagar.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp 13.08.2017

Se existe o imposto mortagua,porque nao se cria o imposto MARMITA:todo o pensionado da funcao publica que recebe mensalmente acima de 800 euros passa a receber 12 meses por ano em vez dos 14.em qualquer pais do mundo um pensionado recebe apenas 12 meses sobretudo nos paises ricos isso acontece.