Marques Mendes: Excepção para os gestores da Caixa é "gravíssimo" se não for um lapso

O ex-líder da CGD diz que "alguém tem de explicar" porque aos gestores da CGD foi concedida uma excepção que os "desobriga" de efectuar três declarações.
Marques Mendes: Excepção para os gestores da Caixa é "gravíssimo" se não for um lapso
Miguel Baltazar
Negócios 23 de Outubro de 2016 às 21:08

Marques Mendes classificou hoje de "gravíssimo" o facto de o Governo ter "desobrigado" os gestores da Caixa Geral de Depósitos (CGD) de efectuarem três declarações – para o TC, para a PGR e para a Inspecção de Geral de Finanças – tal como é definido para os gestores públicos.

 

O Governo "desobrigou" os gestores da Caixa destas três exigências, pelo que das "duas uma: ou isto é um lapso e tem de ser corrigido, ou isto é intencional e é gravíssimo", afirmou o comentador na SIC.

 

Para o ex-líder do PSD, este facto é "gravíssimo, porque foi omitido até hoje por quem fez a lei; gravíssimo que passemos a ter um regime de excepção para a Caixa que ninguém compreende; gravíssimo porque é trocar a transparência pelo secretismo, o escrutínio pela opacidade. Alguém tem de explicar isto e com rapidez", afirmou.

 

Os gestores públicos têm actualmente que fazer três declarações: uma para o TC (declaração de rendimentos), outra para a PGR (sobre incompatibilidades e impedimentos) e uma terceira para a Inspecção Geral de Finanças (sobre participações que detenham em qualquer empresa). Segundo Marques Mendes, o Decreto-lei que foi implementado para permitir a nomeação da actual gestão da CGD retira esta três exigências, uma alteração que terá "passado despercebida a quase toda a gente".

 

Sobre a polémica relacionada com o salário do presidente da CGD, Marques Mendes assinala que "tem de haver equilíbrio e bom senso". Neste "caso concreto não houve esse equilíbrio. Pelo que veio a público, o anterior Presidente da Caixa ganhava por ano cerca de 200 mil euros; e o actual irá ganhar mais de 400 mil. Eu diria que nem 8 nem 80". 




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado AVerVamos Há 1 semana

Ser-se geringonço não é uma fataladidade! É uma opção de vida que está bem de acordo com os esquemas, já inúmeros, que este governo tem levado a cabo! Existe uma opacidade em tanta coisa deste GANG que chega a assustar!! Ser-se geringonço é também ser-se opaco, ou deveras limitado.

comentários mais recentes
Aqui o limitado Há 1 semana

Vai votar geringonça, sou opaco? Não sei mas gang foi aquela coisa que até feriados roubou.

Anónimo Há 1 semana

E o Bloco.. assina por baixo? .. o Bloco nao tem dentes, ladra mas nao morde

Anónimo Há 1 semana


Um governo de ladrões

PS - PCP - BE -- ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

Asneiras atrás de asneiras… roubos atrás de roubos!

AVerVamos Há 1 semana

Ser-se geringonço não é uma fataladidade! É uma opção de vida que está bem de acordo com os esquemas, já inúmeros, que este governo tem levado a cabo! Existe uma opacidade em tanta coisa deste GANG que chega a assustar!! Ser-se geringonço é também ser-se opaco, ou deveras limitado.

ver mais comentários
pub