Economia Theresa May considera "errado" veto de Trump à imigração

Theresa May considera "errado" veto de Trump à imigração

Depois de o Governo britânico ter posto de parte adoptar uma política semelhante à da nova administração norte-americana, é agora a primeira-ministra quem, de viva voz, condena o veto migratório dos EUA.
Theresa May considera "errado" veto de Trump à imigração
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 09 de fevereiro de 2017 às 15:29
A primeira-ministra britânica considera que a decisão do presidente Donald Trump de impedir temporariamente a entrada de cidadãos de sete países de maioria muçulmana e de suspender o programa de acolhimento de refugiados foi "errada" e contribui para "dividir" e afastou a possibilidade de o Reino Unido tomar uma medida semelhante. 

"Pensamos que foi errada, que divide, não é uma política que o Reino Unido adoptasse," afirmou esta quinta-feira, 9 de Fevereiro, Theresa May, em resposta a perguntas de jornalistas. Não é a primeira vez que May se pronuncia sobre a polémica decisão, mas a qualificação  de "errado" é inédita.

Dois dias depois da assinatura da ordem executiva de Trump, Downing Street reagiu afirmando que o governo britânico não concordava com a medida e que não aplicaria um mecanismo semelhante em solo britânico.

"A política de imigração nos EUA é uma matéria para o governo dos EUA, da mesma forma que a política de imigração neste país deve ser estabelecida pelo nosso governo. (...) Mas não concordamos com este tipo de abordagem e não será o que adoptaremos," afirmou na altura um porta-voz.

A ordem executiva de Donald Trump, que limitou temporariamente a entrada de refugiados e também de imigrantes do Irão, Iraque, Sudão, Iémen, Síria, Líbia e Somália, foi anunciada horas depois do seu encontro com Theresa May em Washington, o primeiro com um alto representante internacional.

Na altura, no final do encontro com a primeira-ministra britânica, Trump garantiu que a relação com o Reino Unido "nunca foi tão forte". O veto migratório acabou por afectar cidadãos britânicos com dupla nacionalidade, o que levou o governo de Londres a admitir protestar junto do governo norte-americano se os interesses dos seus cidadãos fossem postos em causa pela decisão.

Os efeitos da ordem executiva de Donald Trump estão suspensos desde o início do mês por decisão de um juiz, que foi entretanto contestada pela Casa Branca. O tribunal de recurso de São Francisco está desde terça-feira a analisar o processo, aguardando-se por uma decisão, embora o caso possa acabar no Supremo Tribunal. 



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 09.02.2017

A lei de imigracao que Trump quer criar e' exactamente a que ela criou ao sair da UE; a quem quer ela tapar os olhos?? ela quer e' continuar a mandar os dela aos milhares para os USA!!

pub