União Europeia May quer modelo original na "nova parceria estratégica" do Reino Unido com a UE

May quer modelo original na "nova parceria estratégica" do Reino Unido com a UE

A primeira-ministra britânica, Theresa May, quer um modelo original para a relação do Reino Unido com União Europeia, segundo um discurso que fará hoje e onde apresentará a sua "visão para uma nova parceria estratégica com a Europa".
May quer modelo original na "nova parceria estratégica" do Reino Unido com a UE
Reuters
Lusa 17 de janeiro de 2017 às 00:27

"Vamos continuar a ser parceiros de confiança, aliados de boa vontade e amigos próximos. Queremos comprar os vossos produtos, vender-vos os nossos, fazer trocas comerciais convosco da forma mais livre possível e trabalhar com cada um para garantir que estamos mais seguros, mais protegidos e mais prósperos graças a uma amizade prolongada", vai dizer Theresa May esta terça-feira, segundo partes do discurso em Londres adiantadas pelo seu gabinete.

 

O Governo britânico quer "uma parceria nova e equilibrada - entre um Reino Unido independente, que se auto-governa e global, e os nossos amigos e aliados na UE", vinca May, reivindicando um modelo original.

 

"Não queremos ser membros parciais da União Europeia, nem ser membros associados da União Europeia, nem algo que nos deixe meio-dentro, meio-fora. Não apretendemos adoptar um modelo já usado por outros países. Não pretendemos agarrar-nos a bocados do que temos enquanto membros quando estamos a sair", avisa.

 

No discurso a realizar esta manhã em Lancaster House, num edifício onde se realizam grandes cimeiras internacionais, Theresa May diz acreditar que o resultado do referendo de 23 de junho, que ditou a saída do país da UE, representa uma vontade dos britânicos de "mudança" e um desejo de um "futuro melhor", resumindo: "Eles votaram para sair da União Europeia e abraçar o mundo".

 

A primeira-ministra quer, por isso, fazer do 'Brexit' uma oportunidade para transformar o país social e economicamente e construir uma sociedade mais justa, ao mesmo tempo que projeta "uma potência comercial grande e global que é respeitada em todo o mundo e forte, confiante e unida internamente". "Eu quero que este Reino Unido saia deste período de mudança mais forte, mais justo, mais unido e mais virado para fora do que antes. Quero que sejamos um país seguro, próspero e tolerante", declara.

 

O discurso de Theresa May é muito aguardado porque se espera que torne mais claras algumas linhas de negociação de Londres no processo de saída da UE.

 

Em Outubro, a primeira-ministra já tinha manifestado a determinação em retomar o controlo da política de imigração, incluindo dos cidadãos europeus, e acabar com a soberania do Tribunal Europeu de Justiça. No entanto, também mostrou interesse em manter, tanto quanto possível, o acesso dos bens e serviços britânicos ao mercado único, deixando alguma indefinição sobre qual dos interesses iria predominar.

 

O discurso antecede também a decisão do Supremo Tribunal britânico, que deverá anunciar ainda este mês a decisão sobre se o artigo 50.º do Tratado de Lisboa pode ser activado pelo governo ou se necessita de autorização prévia do Parlamento britânico. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Hugo Há 1 semana

O que tu queres sei eu Theresa, é sol na eira e chuva no nabal! Não quiseram sair? Saiam logo de uma vez! Sete meses depois do referendo e ainda nada??

pub
pub
pub
pub