União Europeia May destaca "efeitos negativos" dos estímulos do BoE e defende nova estratégia de crescimento

May destaca "efeitos negativos" dos estímulos do BoE e defende nova estratégia de crescimento

No congresso dos conservadores May apresentou também uma nova "visão" para o partido: distribuir a riqueza de forma mais uniforme e torná-lo no partido "das pessoas comuns da classe trabalhadora".
May destaca "efeitos negativos" dos estímulos do BoE e defende nova estratégia de crescimento
Reuters
Rita Faria 05 de Outubro de 2016 às 13:30

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, considerou esta quarta-feira, 5 de Outubro, que as medidas de emergência colocadas no terreno pelo Banco de Inglaterra (BoE, na sigla original) para proteger a economia desde a crise financeira global tiveram efeitos colaterais negativos. Como tal, a governante defende a necessidade de adoptar uma nova abordagem para estimular o crescimento.

 

"Ainda que a política monetária com taxas de juro super baixas e alívio quantitativo tenham proporcionado os medicamentos de emergência necessários após o ‘crash’ financeiro, temos de reconhecer que tem havido alguns efeitos colaterais negativos", afirmou May, num discurso proferido no congresso anual do Partido Conservador.

 

A chefe do Executivo britânico sublinhou que "as pessoas com activos ficaram mais ricas" e que os aforradores "ficaram mais pobres". "Tem de haver uma mudança, e nós vamos consegui-la", afirmou.

 

O governador do Banco de Inglaterra, Mark Carney, já havia dito anteriormente que a capacidade dos bancos centrais para continuarem a ajudar as economias é limitada e que os governos precisam de tomar medidas para garantir o crescimento a longo prazo.

 

Apesar de não ter mantido a meta do anterior ministro das Finanças, George Osborne, de atingir um excedente orçamental em 2020, May reiterou que o seu Governo vai "continuar a apontar para um orçamento equilibrado".

 

Com o objectivo de alcançar a desejada mudança no país, May apresentou aquilo que chamou de uma nova "visão" para os conservadores: distribuir a riqueza de forma mais uniforme e tornar o Partido Conservador no partido "das pessoas comuns da classe trabalhadora".

 

No dia de encerramento do congresso, May sublinhou ser necessário resolver os problemas que levaram milhões de britânicos a votar a favor da saída da União Europeia – uma decisão que acredita ter sido, em grande medida, um protesto contra "os ricos e poderosos".




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
nb 05.10.2016

Ou talvez, um tiro nos pés. O tempo o dirá, mas a desinformação e o alarmismo, foram grandes.

pub
pub
pub
pub