Saúde Médicos acusam Ministério da Justiça de usar conflitos na Saúde para não negociar

Médicos acusam Ministério da Justiça de usar conflitos na Saúde para não negociar

Os sindicatos dos médicos acusaram hoje o Ministério da Justiça de provocação, ao cancelaram uma reunião dedicada aos profissionais de Medicina Legal sem avisar todas as estruturas sindicais, usando um argumento que apelidam de "disparatado".
Médicos acusam Ministério da Justiça de usar conflitos na Saúde para não negociar
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 27 de setembro de 2017 às 20:54

"O Ministério da Justiça, numa atitude sem precedentes em processos reivindicativos desta natureza, decidiu ontem anular a reunião, avisando somente uma das organizações sindicais, o que determinou que a delegação da FNAM só tenha tomado conhecimento desta situação na recepção do referido ministério", criticaram hoje as duas estruturas sindicais representativas dos médicos num comunicado conjunto.

 

O SIM -Sindicato Independente dos Médicos e a FNAM - Federação Nacional dos Médicos tinham hoje agendada uma reunião com o Ministério da Justiça para discutir a "organização do trabalho dos médicos de Medicina Legal", que "iria hoje realizar-se, finalmente", ao fim de dois anos a solicitar ser recebidos pela tutela.

 

A reunião foi desconvocada na terça-feira e "a razão expressa pelo Ministério da Justiça para tomar esta decisão foi a emissão nos últimos dias de pré-avisos de greve pelos sindicatos médicos".

 

"A atitude do Ministério da Justiça tem de ser entendida, face ao disparatado argumento apresentado, como mais um exemplo de recusa disfarçada em assumir a negociação futura de processos inseridos na contratação colectiva. Para isso, até os conflitos com outros ministérios servem de pretexto para inviabilizar reuniões centradas na contratação colectiva", acusam os sindicatos dos médicos.

 

SIM e FNAM defendem em comunicado que a posição do Ministério da Justiça dificulta um acordo entre os sindicatos e a tutela.

 

"Os sindicatos médicos denunciam esta forma de estar na política governamental de um ministério que assume uma atitude de fuga à negociação da contratação colectiva e que acaba por não conseguir disfarçar os seus preocupantes preconceitos anti-sindicais", conclui o comunicado.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

É triste ver os médicos e os enfermeiros aproveitarem-se das pessoas estar doentes, explorando a situação para beneficio próprio.

pub