Saúde Médicos dão menos de um mês ao Governo antes de convocarem nova greve nacional

Médicos dão menos de um mês ao Governo antes de convocarem nova greve nacional

Os médicos deram hoje menos de um mês ao Governo para resolver as principais reivindicações que têm feito ou avançarão para uma nova greve nacional, que seria a segunda este ano.
Médicos dão menos de um mês ao Governo antes de convocarem nova greve nacional
Correio da Manhã
Lusa 01 de agosto de 2017 às 19:06

"Caso as negociações não se traduzam a curto prazo em resultados inequivocamente positivos, as organizações sindicais médicas estão preparadas para desencadearem os adequados mecanismos legais de convocação de uma nova greve nacional dos médicos", afirmou o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, numa declaração no final da reunião do Fórum Médico, que hoje decorreu em Lisboa.

 

Questionado sobre o que significa o "curto prazo", Miguel Guimarães respondeu que os médicos esperam soluções durante o mês de agosto.

 

O presidente da Federação Nacional dos Médicos (FNAM) foi mais longe, considerando que a próxima reunião, em 11 de agosto, com o Ministério da Saúde é um encontro "do tudo ou nada".

 

Mário Jorge Neves disse ainda que desde a greve nacional de dois dias que ocorreu em maio o Governo tem andado de "adiamento em adiamento".

 

"Estamos em princípio de agosto com a mesma situação que tínhamos há um ano e meio", afirmou.

 

Os sindicatos mostraram-se disponíveis para que três das suas principais reivindicações sejam faseadas em três datas diferentes até ao fim da legislatura.

 

Em causa está a redução da lista de utentes por médico de família, que actualmente se situa nos 1.900 utentes por médico, enquanto os sindicatos pretendem regressar a valores próximos dos 1.500.

 

A limitação do trabalho suplementar a 150 horas anuais, em vez das atuais 200 e a imposição de um limite de 12 horas de trabalho em serviço de urgência são outras das matérias essenciais para os sindicatos e que já estiveram na origem da greve de Maio.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub