Economia Medina: "Autárquicas são sobre governação de uma cidade"

Medina: "Autárquicas são sobre governação de uma cidade"

Fernando Medina, eleito presidente da Câmara de Lisboa, reclamou esta noite "uma grande vitória em Lisboa".
Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Simão/Negócios Bruno Colaço Bruno Colaço Bruno Colaço Bruno Colaço Bruno Simão Bruno Simão Bruno Simão Bruno Simão Bruno Simão Bruno Simão Bruno Simão
Alexandra Machado 02 de outubro de 2017 às 01:16

Fernando Medina, eleito presidente da Câmara de Lisboa, cargo que desempenhava mas por suceder a António Costa quando este assumiu a liderança do PS, salientou "uma grande vitória em Lisboa", dizendo que o PS ganhou "força para continuar o nosso projecto político. Ganhámos força e energia para aplicar o programa" que, disse, dinamiza a economia, cria emprego, e projecta Lisboa. 

O PS conquistou mais duas juntas de freguesia em Lisboa, passando de 19 para 21 e fica com maioria na assembleia municipal. Além de ter conquistado a câmara de Lisboa pela quarta vez. 


O resultado, salienta, dá ao partido "força para continuar", prometendo a "atitude de sempre, de falar verdade, olhos nos olhos" e uma atitude de "coragem, não ter medo de decidir, agir e construir o futuro da cidade de Lisboa".

 
Tendo o primeiro-ministro e líder do PS à sua frente, Medina assegurou querer a descentralização de competência. "Podemos gerir melhor que a administração central", uma certeza que levou Medina a dizer que o próximo mandato será marcado "pela certeza que vamos melhorar o transporte público".

Voltou, no discurso de vitória, às suas promessas eleitorais, de habitação acessível, SNS de qualidade (com construção de 14 centros de saúde e melhoria da rede de cuidados primários), ou ainda uma escola pública de qualidade.

"Estes resultados dão-nos força para cumprirmos o nosso programa", salientou, realçando que os "resultados não mudam a nossa natureza política, de afirmar a convicção de que a cidade é feita diversidade".

E prometeu diálogo com as restantes forças. E a procura de pontos de união. "Um maior denominador comum para que Lisboa possa avançar. O diálogo é necessário, a concertação é necessária, mas ao serviço da nossa cidade".

Nas perguntas que foram transmitidas pelas televisões Medina realçou que as autárquicas "são sobre governação de uma cidade". E já depois destas transmissões, segundo cita a Lusa, Medina admitiu que caso o PS tenha maioria na autarquia poderá atribuir pelouros aos vereadores da oposição, "caso haja essa vontade", de forma a ter "apoio para políticas" a concretizar.

"A esta hora ainda não está fechado o número de vereadores [no executivo]. Se o PS tiver maioria absoluta como desejo e como é expectável, é minha intenção abrir diálogo com as várias forças políticas, disponibilizando-me [...] para um pacto para a atribuição de pelouros, caso haja essa vontade", declarou.

Falando no hotel Altis da Rua Castilho, de Lisboa, onde decorre a noite eleitoral do partido, Fernando Medina reforçou: "Qualquer que seja o resultado, procuraremos alargar a base política, no sentido de termos mais apoio para as políticas que vamos concretizar".




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 2 semanas

AH AH AH... MEDINA PERDEU A MAIORIA ABSOLUTA E OS JORNALEIROS AVENÇADOS ATIRAM-SE AO PASSOS COELHO...

pub