Política Medina celebra a República com elogios à geringonça e a Marcelo

Medina celebra a República com elogios à geringonça e a Marcelo

Nos festejos da implantação da República, o autarca lisboeta aproveitou para elogiar a actual maioria parlamentar, que "está a contribuir para a normalização da vida do país", e também o Presidente, cuja actuação permite "alargar maiorias de solução e não ampliar minorias de bloqueio".
Medina celebra a República com elogios à geringonça e a Marcelo
Miguel Baltazar/Negócios
David Santiago 05 de Outubro de 2016 às 11:39

Hasteada a bandeira, Fernando Medina foi o primeiro a discursar no regresso do dia 5 de Outubro a feriado nacional, novamente celebrado numa cerimónia aberta à população. Ora, o presidente da Câmara de Lisboa fez questão de começar por sublinhar isso mesmo, afirmando que se está a festejar a implantação da República "como devemos, numa praça aberta ao povo".

Notando que "a vida da República é a vida dos seus ideais", Medina passou de seguida aos elogios à maioria parlamentar e ao Presidente. Primeiro sustentou que "a solução política saída do quadro parlamentar está a dar resposta" aos anseios dos portugueses e à vontade expressa nas legislativas de há um ano. 

O também dirigente socialista e homem próximo do primeiro-ministro, António Costa, salientou a importância das políticas seguidas pelo actual Executivo, tais como a reposição de rendimentos e direitos sociais sem que tal tenha colocado em causa os "compromissos europeus". 

"A nova maioria parlamentar está a contribuir para a normalização da vida do país", resumiu. Seguiu-se o elogio ao papel de Marcelo Rebelo de Sousa, com Fernando Medina a dizer que a "actuação do Presidente da República tem ido no mesmo sentido", o de "alargar maiorias de solução e não ampliar minorias de bloqueio". Pelo que o autarca lisboeta considera que as acções do Presidente muito têm contribuído para o reforço da confiança no pais".

No edifício dos Paços do Concelho, Medina proferiu um discurso de 13 minutos em que valorizou os contributos dados por "este novo ciclo", que classificou de "importante conquista cívica e política". O dirigente socialista sustentou ainda que agora que está consolidado este novo ciclo, é "chegada a hora de uma nova mobilização, para o desenvolvimento e bem-estar dos portugueses", o que na opinião de Fernando Medina deve ser prosseguido mediante a aposta na "educação, ciência, tecnologia, cultura, educação, abertura, mobilização e coesão", e assim assegurar uma "visão de futuro" para a comunidade. Sendo que apontou como grande desafio a "coesão social, condição para o desenvolvimento".

O autarca não deixou de valorizar também o trabalho que vem sendo desenvolvido na capital, cujos destinos Medina assumiu há cerca de um ano e meio. "Em Lisboa estamos a agarrar todas as oportunidades do presente para construir um futuro melhor", destacando o trabalho feito em matéria de requalificação da habitação social e a aposta em garantir melhor habitação para a classe média". 

Por fim, Fernando Medina falou também dos desafios com que a Europa e o mundo ocidental se deparam, abordando, em concreto, os sinais de nacionalismo e xenofobia verificados um pouco por todo o Velho Continente. Por isso, Medina proclamou ser fundamental ter "coragem de defender sociedades mais abertas", afiançando que "num tempo de muros, seremos uma cidade de pontes e de luz. Porque "assim estaremos do lado certo da história e honraremos a República". 

(Notícia actualizada às 11:51 com mais declarações) 




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado AVerVamos 05.10.2016

Mais um capo que não foi eleito, mas lá ficou com o lugar..Ao invés de tapar os buracos vergonhosos que existem nas ruas secundárias da capital, anda a plantar flores!!

comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas


PS DEIXA MORRER UTENTES DO SNS... PARA DAR MAIS DINHEIRO À FP:

- PS aumenta despesa com salários da FP em 500 milhões de Euros;

- PS reduz horário da FP para 35 horas;

- PS corta orçamento dos Hospitais Públicos.

beachboy 05.10.2016

...põs a cidade a ferro e fogo com obras como se não houvesse amanhã...
...em que o transito está permanentemente parado em todo o lado e a toda a hora...
...ainda por cima quer finaciar projectos judeus e muçulmanos...
...quando temos um estado separados das confições religiosas, desde à muito tempo...
...arrogante e prepotente...
...tem de ira para a rua já ! ! !...

rosinda 05.10.2016

Tudo o que fazem em llisboa nao e contar com os liboetas e contar com os turistas!
Quando chega o dia das eleicoes para a camera deviam ir buscar os turistas para votar!

Anónimo 05.10.2016

Está na hora de correr com este giringonceiro , seja pelo PCP Pelo CDS ou PSD. Lisboa está a uns anos para trás a regredir.. E a C.M não está mais endividada porque o Relvas se lembrou de dar uns bons milhões pelos terrenos do Benfica.Rua com este.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub