Economia Meios aéreos de combate a incêndios disponíveis todo o ano

Meios aéreos de combate a incêndios disponíveis todo o ano

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira, 14 de Dezembro, uma resolução que autoriza a abertura de um concurso para os meios aéreos de combate a incêndios para 2018 e 2019. O custo será de 60 milhões de euros e passa-se de 41 para 50 os meios disponíveis.
Meios aéreos de combate a incêndios disponíveis todo o ano
Bruno Simão
Filomena Lança 14 de dezembro de 2017 às 14:17

O Governo pretende gastar 60 milhões de euros em meios aéreos de combate a incêndios nos anos de 2018 e 2019, afirmou esta quinta-feira, 14 de Dezembro, o ministro da Administração Interna. Eduardo Cabrita falava aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros que aprovou uma resolução que autoriza a abertura de um concurso público internacional e onde se define também a necessária despesa, neste caso com carácter plurianual.

 

E nos próximos dois anos haverá "aspectos inovadores", anunciou Eduardo Cabrita. Haverá, desde logo, um aumento dos helicópteros, de 41 para 50. Por outro lado, "passam a estar disponíveis não só no período crítico, mas ao longo de todo o ano" e, também "mais horas por dia", ou seja, "durante todo o período em que exista luminosidade que permita a operação".

 

Outra novidade é que "prevê-se pela primeira vez a existência de dois aviões ligeiros que irão acompanhar toda a operação de todos os meios aéreos num incêndio de grande dimensão", explicou o ministro.

 

Finalmente, foi anunciado que "este concurso envolve pela primeira vez um helicóptero ligeiro para a Região Autónoma da Madeira", onde deverá ficar em permanência.

 

Eduardo Cabrita salientou que foi também hoje publicado em DRE despacho que "constitui um grupo de trabalho que nos próximos 45 dias vai definir a forma como a força aérea passará, no médio prazo a exercer a operação e comando de meios aéreos de combate a incêndios", uma medida aprovada já este ano, no pacote de alterações aprovadas pelo Governo em matéria de incêndios. Enquanto isso não acontece, "é urgente ter resposta para 2018 e 2019", daí o Governo avançar já com o concurso público para os meios aéreos de combate.

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 14.12.2017

Lá vão estes leprosos da esquerda reaccionária meter mais uns milhões nos offshores. Este é um dos que se vê que é um ministro inteligente. Através desta foto se vê.

Paga Zé 14.12.2017

As alugadoras tanto andaram que conseguiram, menos serviço e mais dinheiro. Paga Zé

fpublico condenado a 48 anos trabalho/descontos 14.12.2017

os pilotos da força aerea portuguesa em vez de passarem os dias a jogar as cartas ou brincar as guerras virtuais, podem e devem ir apagar incendios pq fica mais barato do que pagar aos espertalhões ....

Anónimo 14.12.2017

Vamos levar a que o governo angolano devolva aquilo que é de 100.000 portugueses! 30 segundos (literalmente) do vosso tempo bastam:
http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT87641

ver mais comentários
pub