Política Monetária Membro do BCE considera “imperativo” o regresso à normalidade da política monetária

Membro do BCE considera “imperativo” o regresso à normalidade da política monetária

A alemã Sabine Lautenschlaeger avisa que a política ultra expansionista não tem apenas o efeito pretendido. "Também tem efeitos colaterais indesejáveis, como o aumento do risco de bolhas nos preços dos activos", afirma.
Membro do BCE considera “imperativo” o regresso à normalidade da política monetária
Bloomberg
Rita Faria 30 de junho de 2017 às 13:22

Sabine Lautenschlaeger, membro do conselho executivo do Banco Central Europeu (BCE), defendeu esta sexta-feira, 30 de Junho, a importância do regresso à normalidade da política monetária, recordando que os juros baixos e os demais estímulos têm efeitos colaterais "indesejáveis".

"Considero imperativo que a política monetária regresse ao normal assim que seja justificado", afirmou Lautenschlaeger, citada pela Bloomberg. "Ainda que a inflação não esteja num caminho sustentável em direcção ao nosso objectivo, existem todas as condições. É só uma questão de tempo e paciência".

Os comentários da executiva alemã no conselho do BCE surgem depois de, esta manhã, o Eurostat ter revelado que a taxa de inflação na Zona Euro desacelerou de 1,4%, em Maio, para 1,3% em Junho, um valor ainda distante da meta do BCE – uma taxa de inflação abaixo mas próxima de 2%.

"A política monetária já devia estar a fazer preparativos para o regresso à normalidade. E deve adaptar a sua comunicação em conformidade com isso", acrescentou Lautenschlaeger, lembrando que a política monetária ultra expansionista não tem apenas o efeito pretendido, "mas também efeitos colaterais indesejáveis, entre os quais o aumento do risco de bolhas nos preços dos activos".

O tema do início da retirada dos estímulos do banco central tem dominado a atenção dos mercados esta semana, depois de o presidente do BCE, Mario Draghi, ter garantido, no 4º Fórum de Bancos Centrais em Sintra, que os factores que estão a pesar sobre a inflação são "temporários".

O responsável máximo da autoridade monetária passou uma mensagem de confiança sobre a recuperação europeia, levando os investidores a considerarem que o BCE se estará a preparar para começar a reduzir os estímulos à economia. Essa perspectiva foi reforçada pelos dados da inflação na Alemanha, conhecidos ontem, que levaram os juros da dívida da generalidade dos países do euro a registar fortes subidas.

Contudo, o retrato geral das grandes economias do euro diverge do da Alemanha. Em Espanha, a taxa de inflação desceu de 2% para 1,6%, em Itália de 1,6% para 1,2% e em França de 0,9% para 0,8%. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 30.06.2017

Parece que ainda há alguém no BCE com algum juízo na cabeça.

pub