Política Monetária Membro do BCE diz que inflação de um mês "não vai alterar a posição" do banco central

Membro do BCE diz que inflação de um mês "não vai alterar a posição" do banco central

Yves Mersch defende que ainda é cedo para dizer que a batalha contra a inflação baixa e o fraco crescimento da economia da Zona Euro acabou.
Membro do BCE diz que inflação de um mês "não vai alterar a posição" do banco central
Rita Faria 06 de janeiro de 2017 às 13:46

Yves Mersch, membro da comissão executiva do Banco Central Europeu (BCE), defendeu esta sexta-feira, 6 de Janeiro, que ainda é prematuro declarar vitória na luta contra a debilidade económica da Zona Euro, apesar dos recentes sinais de subida da inflação na região.

"As estatísticas relativas a um mês não vão alterar a nossa posição", afirmou Mersch numa conferência em Paris, citado pela Reuters.

O membro do banco central acrescentou ainda que os salários não estão a crescer rápido o suficiente para alimentar a pressão inflacionista.

Os comentários de Yves Mersch surgem depois de ter sido revelado, esta quarta-feira, que a inflação na Zona Euro subiu de 0,6%, em Novembro, para 1,1%, em Dezembro. Já na Alemanha, a maior economia da região da moeda única, o crescimento dos preços acelerou para 1,7%, um nível já próximo da meta de 2% do banco central.

Os números provocaram uma subida generalizada dos juros da dívida dos países do euro – em particular, Portugal - devido aos receios de que a subida da inflação acima do esperado leve o BCE a retirar antecipadamente os estímulos à economia.

Na Alemanha, um grupo de economistas já defende essa reversão na política monetária do banco central, considerando que chegou a altura de normalizar os juros.

"É tempo de normalizar [a política monetária]," defendeu o economista-chefe do DZ Bank, Stefan Bielmeier, ao jornal Bild.


"Quanto mais cedo a taxa de inflação atingir o objectivo de 2%, mais depressa o BCE pode aumentar as taxas de juro. E os aforradores também tirariam partido disso", afirmou ao mesmo jornal Marcel Fratzsche, do DIW Institute. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub