Justiça Membro do SIS acusado de espionagem para a Rússia

Membro do SIS acusado de espionagem para a Rússia

O Ministério Público deduziu acusação contra Frederico Carvalhão Gil, funcionário do SIS, e contra um cidadão russo dos serviços de espionagem do seu país, que está em parte incerta. Em causa crimes agravados de espionagem, violação de segredo de Estado e corrupção.
Membro do SIS acusado de espionagem para a Rússia
Filomena Lança 08 de junho de 2017 às 16:34

A Operação Top Secret, no âmbito da qual foi detido em Itália, há cerca de um ano, o espião português Frederico Carvalhão Gil (na foto), conheceu esta quinta-feira, 8 de Junho, um novo desenvolvimento, com o Ministério Público a avançar com uma acusação formal pelos crimes de espionagem, violação de segredo de Estado e de corrupção activa e passiva agravados.

 

Juntamente com o membro das secretas portuguesas, foi acusado um funcionário dos quadros do Serviço Externo da Federação Russa, o SVR.

 

Segundo a acusação, "o arguido funcionário do SIS foi recrutado pelo SVR para, a troco de pagamento de quantias em dinheiro, prestar informações cobertas pelo segredo de Estado a que acedia em razão das suas funções", informa a Procuradoria-Geral da República num comunicado emitido hoje.

 

O ex-funcionário do SIS foi detido em Roma em 21 de Maio de 2016 e entregue às autoridades portuguesas em 5 de Junho. Foi colocado então em prisão preventiva, medida de coacção posteriormente substituída por prisão domiciliária com vigilância electrónica. Quando ao espião russo, apesar dos pedidos de Portugal, Itália recusou entrega-lo às autoridades portuguesas e acabou por ser libertado. Actualmente, diz a PGR, é desconhecido o seu paradeiro.

 

Segundo a PGR, o Ministério Público conseguiu apurar que entre espião português e o oficial da SVR foram realizados três encontros. Um deles, precisamente a 21 de Maio  do ano passado, altura em que a Polícia Judiciária mandou a Itália três elementos para vigiarem o encontro, marcado para Roma, em conjunto com as autoridades locais.

 

Com a detenção dos dois suspeitos, foram apreendidos documentos, dinheiro e outros objectos que ambos tinham em seu poder e nos respectivos quartos de hotel.  Entre eles, na posse do agente russo, "um documento manuscrito que lhe havia sido entregue pelo funcionário do SIS, contendo informação que foi considerada protegida pelo segredo de Estado". O português tinha na sua posse 10 mil euros recebido do russo "como contrapartida das informações que indevidamente recebera". 


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

O normal em Portugal. O funcionário público apropria-se da coisa pública, seja do posto de trabalho em si, o que com a ajuda dos sindicatos e da lei laboral em vigor o torna blindado a alterações de procura e oferta de mercado ditadas pelos gostos, hábitos, preferências, necessidades e expectativas da população e das instituições, incluindo aquelas que se dão como resultado do constante avanço tecnológico, sejam dos activos fixos tangíveis e intangíveis a que puder deitar a mão. É uma mentalidade que não só não é criadora de valor como é assumidamente extactora de valor e inerentemente anti-mercado. É como aquela gaja das festas privadas no Mosteiro dos Jerónimos e o clube dos excedentários à prova de mercado concorrencial feito de oferta e procura que tomou conta de tanto serviço, secretaria e gabinete do sector público.

Anónimo Há 2 semanas

Individuo sem corpo, sem cérebro, sem espirito e alma de Portugal demorático, livre e em segurança.

Marta Guimaraes Há 2 semanas

Ó surpreso!
Cala a boca retornado ressabiado. Para lixo já chega o que escreves no Observador com o nick victor guerra.

pub
pub
pub
pub