Conjuntura Menos de 100 mil decidiram ir viver lá fora

Menos de 100 mil decidiram ir viver lá fora

O número emigrantes caiu para baixo da barreira dos 100 mil pela primeira vez desde 2011. O ano passado contribuiu para esta recuo mas foi 2015 que deu um impulso decisivo para esta tendência.
Menos de 100 mil decidiram ir viver lá fora
Bruno Simão/Negócios
Marta Moitinho Oliveira 16 de junho de 2017 às 17:59
97.151 pessoas que viviam em Portugal decidiram no ano passado emigrar, revelou esta sexta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE). Esta é a primeira vez que o universo de pessoas que decidem procurar uma nova vida no estrangeiro fica abaixo da barreira dos 100 mil quando se analisam os dados da emigração temporária e permanente. 

Foi em 2011 que o INE começou a divulgar dados mais completos sobre a emigração em Portugal, contemplando tanto a emigração permanente, como a saída temporária de pessoas para o estrangeiro. Deste último grupo fazem parte os residentes que saem do país com o objectivo de ficar noutro país por um período inferior a um ano.

Desde essa data até 2015, o somatório das duas realidades (os que saem de forma permanente e os que tentam uma saída de curto prazo) foi sempre superior a 100 mil pessoas, com o pico a verificar-se em 2014 quando 134.624 pessoas saíram para tentar viver noutro país.

2015 marca neste caso uma viragem, com uma redução de 25% do número de pessoas que decidem emigrar. No ano seguinte, a tendência de queda continuou, com uma quebra de 4% no número de pessoas que optou pela emigração, conseguindo desta forma passar para baixo da barreira dos 100 mil.

Tal como em anos anteriores, a emigração de curto prazo é a que mais pesa na emigração total, representando cerca de 60% do total. 

A tendência de redução da emigração resulta essencialmente da queda entre o número de pessoas que opta pela emigração temporária. Em 2015, a emigração de curto prazo recuou 28% e a emigração permanente reduziu-se em 19%. No ano seguinte, a emigração temporária recuou 3% enquanto a emigração permanente caiu 5%.

A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Jose Há 1 semana

"Com a verdade me enganas". Se Portugal fosse assim um poiso tão bom, como diz o Marcelo e o Costa, deveria atriar mais emigrantes, do Brasil, da Síria ou da Ucrânia. Afinal, ainda saíram quase 100.000 em 2016. Afinal, a Geringonça continua a correr com muitos portugueses. Ficam cá os velhos e os FP

Anónimo Há 1 semana

Agora tambem Ja perce bi porque os portugueses continuam a emigrar; sao atraidos pela nova potencia economica mundial< a CHINA!>; ja' ultrapassou os EUA.

Pois é Há 1 semana

Agora já percebi como é que o desemprego diminuiu neste País! Bem me parecia que era fruta a mais! Continuamos a Viver numa Grande Mentira!

Anónimo Há 1 semana

Conclusão, quanto menos cá ficam, menos imigram. E em percentagem como ficamos?

ver mais comentários
pub