Política Merkel: "A Alemanha é mais forte do que o terrorismo"

Merkel: "A Alemanha é mais forte do que o terrorismo"

Na sua mensagem de ano novo, a chanceler alemã prometeu "segurança na liberdade" e reiterou que o país é "respeitador e aberto".
Merkel: "A Alemanha é mais forte do que o terrorismo"
Reuters
Negócios 31 de dezembro de 2016 às 11:30

Angela Merkel disse aos alemães este sábado, na sua mensagem de ano novo, que o terrorismo é a maior ameaça que o país enfrenta, mas sublinhou que a Alemanha "é mais forte do que o terrorismo" e que "o governo tudo fará para assegurar segurança na liberdade".

 

A chanceler alemã salientou, citada pelo The Guardian, que 2016 foi "um ano de duros testes", sendo o terrorismo extremista islâmico o mais duro de todos. Disse, contudo, que está "confiante na Alemanha".

 

No passado dia 19 de Dezembro, recorde-se, 12 pessoas morreram quando um refugiado tunisino, Anis Amri, lançou um camião sobre uma multidão que se encontrava num mercado de Natal, em Berlim. O Daesh, auto-proclamado Estado Islâmico, reivindicou o ataque.

 

"É particularmente amargo e repugnante quando os ataques terroristas são perpetrados por pessoas que pedem protecção ao nosso país", declarou Merkel, que enfrenta fortes críticas pela sua decisão de deixar entrar no país, em 2015, mais de um milhão de refugiados e migrantes.

 

No entanto, prosseguiu, "ao continuarmos a nossa vida e o nosso trabalho, estamos a dizer aos terroristas: vocês são assassinos e estão cheios de ódio, mas não determinarão a forma como nós vivemos e como queremos viver". "Nós somos livres, respeitadores e abertos", frisou.

 

A chanceler referiu ainda a importância de a Alemanha ajudar quem realmente precisa da sua protecção e procura o país para se instalar e integrar, aludindo às imagens de devastação na cidade síria de Aleppo.

 

Relativamente à União Europeia, Merkel destacou que "está mais forte do que nunca", apesar dos desafios com que se confrontou este ano, como a decisão do Reino Unido de sair do bloco europeu.

 

Merkel procura conquistar um quarto mandato como chanceler nas eleições do próximo ano, que se realizam em Setembro. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Já vi. Não te cabe um feijão no cu. Tens medo de ficar como o teu ministro da finanças o Nazi rodinhas.

Anónimo Há 3 semanas

Esta e o holland apos a eleição de Trump vieram a publico diaboliza-lo agora qe aguentem os ataques em nome de valores referidos e n abdicáveis.A radicalizaçao politica europeia levará com certeza a mais incidentes fatídicos se n forem tomadas medidas excecionais.

Anónimo Há 3 semanas

Facil nao e defacto,mas se estivermos atentos verificado q os atentados na Europa:Franca,Belgica e por ultimo Alemanha for executados por gente dos paises do magrebe.Sera q estou a dar uma ajuda para pormos fim a este desflagelo,pelo menos diminuilo?Pare-s de atacar o mal com dinheir desproporcional

pub