União Europeia Merkel: Acordo de comércio livre entre México e UE é “grande oportunidade”

Merkel: Acordo de comércio livre entre México e UE é “grande oportunidade”

A chanceler alemã, Angela Merkel, defendeu, na sexta-feira, no México, que a renegociação do acordo de comércio livre entre aquele país e a União Europeia constitui uma "grande oportunidade".
Merkel: Acordo de comércio livre entre México e UE é “grande oportunidade”
reuters
Lusa 10 de junho de 2017 às 10:19

"Nós não temos um acordo global e é uma grande oportunidade", declarou Merkel, durante uma conferência de imprensa conjunta com o Presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, no arranque de uma visita oficial ao México, a segunda ao país desde 2008.


Este acordo de comércio livre, que entrou em vigor em 2000, veio permitir a eliminação gradual de barreiras alfandegárias e conduziu a um crescimento das trocas comerciais e dos investimentos entre o México e a União Europeia (UE).


As duas partes encetaram, no ano passado, conversações com vista a dinamizar as trocas comerciais, modernizando o acordo, com Enrique Peña Nieto a pedir o apoio de Angela Merkel para que esse objectivo "possa ser concretizado até ao final do ano".

A renegociação do acordo deve incluir nomeadamente a questão do comércio electrónico e da propriedade intelectual.

O México procura diversificar os seus parceiros comerciais face à incerteza que pesa sobre a sua relação com os Estados Unidos desde a chegada à Casa Branca de Donald Trump.


A visita da chanceler alemã ao México também tem como objectivo ampliar as relações económicas entre os dois países, cujo comércio bilateral ascendeu, no ano passado, a 17,8 mil milhões de dólares norte-americanos.


"A Alemanha é o maior parceiro económico europeu" do México, sublinhou Peña Nieto.


Merkel elogiou o "forte compromisso para com o comércio livre" por parte de Peña Nieto, numa aparente crítica velada à atitude proteccionista do Presidente dos Estados Unidos.


Donald Trump anunciou a revisão do Tratado de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA), que junta Estados Unidos, Canadá e México desde 1994, considerando-o demasiado favorável ao seu vizinho do sul.


"Os EUA têm um défice comercial com o México de 60 mil milhões de dólares. Desde o início o NAFTA foi um acordo apenas para um lado, com despedimentos em massa e perdas para as empresas", afirmou Trump, poucos dias depois de chegar à Casa Branca.


Inúmeras empresas alemãs, incluindo fabricantes automóveis, estão estabelecidas no México, beneficiante dessa porta de entrada para o mercado norte-americano, que as isenta de taxas aduaneiras.


Merkel apelou para que os interesses dessas empresas alemãs sejam tidos em consideração durante a renegociação desse tratado que "deverá ter início em Agosto", segundo Enrique Peña Nieto.


Merkel realçou, por outro lado, que a Alemanha "tem todo o interesse em que México e Estados Unidos cooperem bem".


A chanceler alemã, que lidera uma delegação oficial e de empresários, iniciou na sexta-feira uma visita ao México, que termina hoje, procedente da Argentina.

 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 10.06.2017

Estou a ver onde ela quer chegar; Mas ao Trump e que ela nao vai tapar os olhos; a NAFTA vai ser renegociada de forma a nao encher mais barrigas a pansudos; vai passar a ser NAFFTA; got it?

comentários mais recentes
anonimo 16.06.2017

Depende do que for mais lucrativo para ambas as partes, a lei da oferta e da procura impera. Com os ataques que os EUA fazem ao México, não é de admirar que tal acordo se venha a realizar.

GLINTT 10.06.2017

A nossa tecnológica GLINTT vai ser a próxima a duplicar, as campeãs de prejuízos já subiram 100% e a GLINTT que dá lucro e já foi alvo de OPA subiu 30%. Pode ser alvo de outra OPA da Farminveste para a tirar da Bolsa. Mas deviam agora pagar 1€ cada acção. Já valeu 5€ em 2004.

Anónimo 10.06.2017

Estou a ver onde ela quer chegar; Mas ao Trump e que ela nao vai tapar os olhos; a NAFTA vai ser renegociada de forma a nao encher mais barrigas a pansudos; vai passar a ser NAFFTA; got it?

Conselheiro de Trump 10.06.2017

Nao creio q o Mexico tenha a equivalencia de Espanha,afinal estamos a falar de que.Gostaria q dissessem antes:e urgente a uniao dos estados como temos a EU uniao europeia,Nao estou a ver guerras entres paises dentro da EU.Se cada continente se intercalar fica mais forte e e mais facil para o negocio

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub