Zona Euro Merkel quer manter Schäuble como ministro das Finanças

Merkel quer manter Schäuble como ministro das Finanças

Se for reeleita a 24 de Setembro, a chanceler alemã deverá manter o seu braço direito no Governo, que está no cargo desde 2009.
Merkel quer manter Schäuble como ministro das Finanças
Negócios com Bloomberg 13 de setembro de 2017 às 10:13

Angela Merkel deverá manter Wolfgang Schäuble no cargo de ministro das Finanças da maior economia europeia, caso seja reeleita nas eleições do final deste mês, avança a Bloomberg esta quarta-feira, 13 de Setembro, citando fontes próximas do Executivo alemão.

De acordo com a agência noticiosa, Schäuble já sinalizou o seu interesse em permanecer com a pasta das Finanças, e a chanceler alemã estará disposta a pagar um preço político mais elevado para manter o seu braço direito no Governo. Ainda assim, a nomeação do governante dependerá sempre de negociações dentro da coligação, após as eleições.

No cargo desde 2009, o político de 75 anos é visto como uma das figuras mais poderosas do euro e um dos rostos da disciplina orçamental no bloco.

"Wolfgang Schäuble é um político de alma e coração e um homem com sentido de dever", afirma Hans-Peter Repnik, antigo político da CDU.

Ainda que as sondagens revelem que a coligação encabeçada pela CDU de Merkel está no bom caminho para vencer as eleições de 24 de Setembro, a formação do governo exigirá negociações entre os partidos.  

A Bloomberg adianta que, a menos de duas semanas das eleições, o futuro de Schäuble é alvo de um intenso debate em Berlim, na medida em que influenciará políticas ao nível da Zona Euro, as relações entre França e a Alemanha e até a força da chanceler ao nível interno.

"Se Merkel se envolver numa maior integração da Zona Euro, Schäuble seria um forte aliado neste debate", refere Jacob Funk Kirkegaard, do Peterson Institute for International Economics, citado pela agência noticiosa.

"Com Schäuble a bordo, seria mais fácil para Merkel chegar a um acordo com Macron. Ninguém na Alemanha tem um histórico tão longo de políticas pró-europeias", acrescenta Kirkegaard. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
surpreso 13.09.2017

Espero bem que SIM!

pub