Política Merkel recandidata-se à liderança do partido para "trazer estabilidade e rumo"

Merkel recandidata-se à liderança do partido para "trazer estabilidade e rumo"

A chanceler alemã, Angela Merkel, anunciou este domingo a recandidatura à liderança do seu partido, União Democrata Cristã (CDU).
Merkel recandidata-se à liderança do partido para "trazer estabilidade e rumo"
Negócios 20 de Novembro de 2016 às 19:05

Após 11 anos no cargo, a decisão de anunciar uma candidatura a um quarto mandato à frente do seu partido - e à frente dos destinos da Alemanha, como chanceler - "é tudo menos trivial: para o país, para o partido e para mim, pessoalmente", afirmou este domingo Angela Merkel numa conferência de imprensa, após ter estado reunida com membros da CDU para comunicar essa decisão.

O jornal alemão Bild tinha já avançado hoje que Merkel deveria recandidatar-se à liderança da CDU, tendo a própria confirmado a decisão quando se reuniu com o partido.

 

Pouco depois, em conferência de imprensa, Angela Merkel declarou que procura um quarto mandato como chanceler alemã para oferecer "orientação em tempos difíceis". Quando falou com o partido, sublinhou o mesmo: quer ser reeleita para "trazer estabilidade e rumo nestes tempos difíceis".

 

Agora, a sua candidatura irá a votos na convenção anual da CDU, em Essen, em inícios de Dezembro.

"Estas eleições serão mais difíceis do que nunca, pelo menos desde a reunificação da Alemanha", disse Merkel. "Iremos defrontar-nos com desafios de todos os lados", acrescentou, falando sobre "a forte polarização da nossa sociedade" e sobre o facto de a União Europeia se confrontar com "fortes tensões" devido à cride do euro, à questão dos refugiados e à saída do Reino Unido como membro (Brexit).

De acordo com uma sondagem publicada hoje pelo jornal Bild, 55% dos alemães concorda que Merkel lidere o país numa quarta legislatura, 13 pontos mais do que os registados numa sondagem de Agosto. 

Isto apesar de a CDU ter passado por alguns desaires eleitorias nos últimos meses. Por exemplo, no início de Setembro, sofreu uma pesada derrota no estado de Mecklenburg-Vorpommern, onde Angela Merkel nasceu, ficando em terceiro lugar e atrás do partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha. A 18 de Setembro a CDU registou a pior votação de sempre em Berlim.

 

Se as eleições fossem hoje, segundo aquela sondagem realizada pelo instituto Emnid, a CDU e a CSU conseguiriam 33% dos votos, ficando nove pontos à frente dos sociais-democratas.

 

Com eles no Parlamento estariam, como agora, Os Verdes (12%) e A Esquerda (9%), e entrariam a Alternativa para a Alemanha (Afd), com 13% dos votos e regressariam os liberais do FDP com 5%.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Ela ainda nao ganhou,imagine-se que perca, fica-se com uma EU que mais parece 1 lata de SALSICHAS que nem os gatos lhe tocam.Embora deva ser dito que o politico alemao seja de que forca seja em nada se compara ao canil,ou peixaria portuguesa,la como se queira chamar.Nao precisam de troca casacas tc.

O Trampa vai acabar com o resta da europa Há 2 semanas

Só me apetece dizer....ora Foda-se. Estamos fudidos. O rodinhas Schauble e ela vão continuar a mandar e destruir esta mierda.Os alemães nunca viveram tão bem à custa da MISÉRIA dos outros, desde Hitler.
Construam o MURO novamente e mandem para o outro lado essa filha de um Pastor alemão

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub