União Europeia Merkel adverte Londres que acesso recíproco a mercados é decisivo num acordo pós-Brexit

Merkel adverte Londres que acesso recíproco a mercados é decisivo num acordo pós-Brexit

A liberdade de circulação de bens e capitais é inseparável da de pessoas, relembra a chanceler alemã.
Merkel adverte Londres que acesso recíproco a mercados é decisivo num acordo pós-Brexit
Negócios com Lusa 06 de Outubro de 2016 às 12:08

Angela Merkel advertiu nesta quinta-feira, 6 de Outubro, que as negociações da saída do Reino Unido da União Europeia, Brexit, "não vão ser fáceis" e que o acesso recíproco aos mercados é decisivo e condicionado à livre circulação de pessoas.


A chanceler alemã intervinha no congresso anual da Federação da Indústria Alemã (BDI), organização que tem manifestado grande preocupação quanto aos termos da futura relação comercial entre o Reino Unido e a UE.


"Não vão ser negociações fáceis", disse Merkel, recordando que as conversações só se vão iniciar depois de Londres accionar o artigo 50.º do Tratado de Lisboa, o que a primeiro-ministra britânica, Theresa May, anunciou para Março de 2017.

Nessas conversações, disse Merkel, o grau de acesso recíproco aos respectivos mercados será uma questão chave.


O acesso ao mercado comum europeu, vital para a economia britânica, é inseparável da livre circulação de pessoas, que o Reino Unido quer limitar.


Merkel frisou que aquelas são duas liberdades fundamentais da UE que não se podem desligar, porque tal criaria um perigoso precedente em que "cada país faz o que quer".

 
A chanceler tem repetidamente afirmado que a negociação do pós-Brexit tem de ser realizada com o maior cuidado, porque a saída de um primeiro país ao fim de mais de meio século de contínua integração e alargamento pode ser "um ponto de ruptura na história da União Europeia". "

Os britânicos decidiram, por 52% dos votos, a saída do Reino Unido da União Europeia no referendo realizado em 23 de Junho. 

 

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

O anonimo das 12.32 deve ser dono da cofina,pois diz para comprar fortemente, quando a cofina já está na sarjeta.Tenha juizo amigo e vá apregoar essa para outro lado

Anónimo Há 4 semanas

COFINA:potencial subida,pela aproximação de mínimo:forte cashflow operacional,de 4,77 M€ no 1ºSem./16 (pág.24 em http://www.cofina.pt/~/media/Files/C/Cofina/investors/reports/2016res/cofina-rc-jun-16.pdf ),q permite dividendo (0,015 €/ação),e abater dívida (2 M€ no 2ºTrim./16).COMPRAR FORTEMENTE.

Anónimo Há 4 semanas


PS DEIXA MORRER UTENTES DO SNS... PARA DAR MAIS DINHEIRO À FP:

- PS aumenta despesa com salários da FP em 500 milhões de Euros;

- PS reduz horário da FP para 35 horas;

- PS corta orçamento dos Hospitais Públicos.

pub
pub
pub
pub