Mundo México garante que não pagará construção de muro fronteiriço

México garante que não pagará construção de muro fronteiriço

O México não pagará "de forma nenhuma e em nenhuma circunstância" por um muro que seja construído na fronteira com os Estados Unidos, garantiu hoje o Governo mexicano, em resposta a declarações do Presidente Donald Trump no Twitter.
México garante que não pagará construção de muro fronteiriço
Reuters
Lusa 27 de agosto de 2017 às 22:56

Esta determinação de não pagar é "um princípio de soberania e de dignidade nacional" e não "parte de uma estratégia de negociações", sublinhou a secretária de Estado das Relações Exteriores do México.

 

O Presidente norte-americano divulgou mensagens na rede social Twitter, afirmando que os Estados Unidos necessitam de um muro fronteiriço porque o México é o país "com mais crime do mundo".

 

"Sendo o México uma das nações com mais crime do mundo temos de ter O MURO. O México pagará por ele através de reembolso/outros", escreveu.

 

A secretária das Relações Exteriores do México reiterou que a violência gerada pelo tráfico ilegal de drogas, armas e dinheiro entre os dois países "é um problema de ambos" que só terminará se for tratada a raiz das suas causas: a grande procura de drogas nos Estados Unidos e a oferta do México e de outros países.

 

As organizações criminosas internacionais causaram a morte de milhares de mexicanos, entre os quais membros das Forças Armadas, Marinha e polícias, e de milhares de norte-americanos, lembrou a dirigente mexicana.

 

"Somente com base em princípios de responsabilidade partilhada, trabalho em equipa e confiança mútua poderemos superar este problema", acrescentou.

 

A secretária de Estado mexicana aproveitou ainda para expressar solidariedade para com os Estados Unidos pelos danos causados pelo furacão 'Harvey' no Texas e adiantou ter oferecido ajuda "como devem fazer sempre os bons vizinhos em momentos de dificuldade".

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar