Orçamento do Estado Mexidas nos escalões de IRS sem data marcada

Mexidas nos escalões de IRS sem data marcada

O Governo não deverá mexer nos escalões de IRS no Orçamento do Estado para 2017. O sinal é dado pelo secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, em entrevista ao Negócios/Antena 1.

"É um exercício muito difícil de fazer. Com neutralidade fiscal é impossível, porque não há nenhuma intenção de carregar mais em cima, porque isso não é objectivamente possível", disse o governante.

 

"Esse é um objectivo nosso, é um objectivo que resulta das posições conjuntas, não tem nenhum compromisso sobre o ano em que essa actualização tem que ser feita", adiantou.

Em 2013, o Governo de Passos Coelho reduziu de oito para cinco o número de escalões de IRS, uma decisão que configurou o "enorme aumento de impostos". O Programa de Governo aprovado pela esquerda no Parlamento prevê que um aumento da progressividade do IRS, nomeadamente através do aumento do número de escalões.

 

No dia da posse do Executivo, a 26 de Novembro do ano passado, o Diário de Notícias avançou que as mexidas nos escalões ficariam para 2017, já que é matéria que "precisa de estudo", justificou o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade.

 

Apesar de sinalizar que ainda não será no próximo ano que serão revistos os escalões, Pedro Nuno Santos garante que haverá uma descida da carga fiscal e adianta que, além da redução da sobretaxa, pode haver mais mudanças. Porém, não quis entrar em detalhes.

 

A seis dias da entrega do Orçamento do Estado para 2017, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, que faz a ponte com os partidos à esquerda do PS na Assembleia, garante que o documento – mas principalmente a execução orçamental de 2016 – vai permitir acabar com a especulação em torno do cumprimento das metas orçamentais.

 

Na mesma entrevista, que a Antena 1 passará no domingo à hora do almoço e o Negócios publica na íntegra na edição impressa de segunda-feira, Pedro Nuno Santos critica a postura do PSD e fala sobre a avaliação que o Governo faz ao fraco crescimento económico. 

 




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado SIMOESbenfica Há 4 semanas

Caro Dr. António Costa, esta era uma medida, prometida pelo seu Governo, que a chamada classe média, tão bombardeada pelo anterior Governo, mais esperava de si. Não é assim tão difícil mexer nos escalões, mesmo mantendo as receitas globais. Era uma medida de elementar justiça. Acha justo que uma pessoa que ganhe 81.000 euros, por exemplo, EUR 5.785,00 mensais, pague a mesma taxa (48%), que o Jorge Jesus que ganha cerca de 7.000.000 de Euros por ano, EUR 500.000 por mês? Onde está a justiça? A alteração dos escalões era uma medida que a classe média, que ganhará entre EUR 2.500,00 e EUR 6.000,00 por mês, mais esperava...

comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas


PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

SIMOESbenfica Há 4 semanas

Caro Dr. António Costa, esta era uma medida, prometida pelo seu Governo, que a chamada classe média, tão bombardeada pelo anterior Governo, mais esperava de si. Não é assim tão difícil mexer nos escalões, mesmo mantendo as receitas globais. Era uma medida de elementar justiça. Acha justo que uma pessoa que ganhe 81.000 euros, por exemplo, EUR 5.785,00 mensais, pague a mesma taxa (48%), que o Jorge Jesus que ganha cerca de 7.000.000 de Euros por ano, EUR 500.000 por mês? Onde está a justiça? A alteração dos escalões era uma medida que a classe média, que ganhará entre EUR 2.500,00 e EUR 6.000,00 por mês, mais esperava...

AVerVamos Há 4 semanas

Resumo dos engasgos do Sec. de estado dos Assuntos Parlamentares;
1- Huum, haa, hee, huumm, humm, haa.
2 - Se o aumento efectuado pelo governo anterior é assim tão ruim, e se é injusto, e sendo um governo das ESQUERDAS. Então, se efectivamente a execução orçamental de 2016 está a correr bem, e prevê-se o mesmo para 2017, não precisam de pensar muito! Basta revogarem para os escalões para o tempo dos de Sócrates. É simples!! Ou existirá na realidade outros motivos para não efetuar a alteração dos escalões??? Sabes muito, mas a única coisa que sabem é atirar areia para os olhos dos distraidos!

A ladianha do merceeiro..

Anónimo Há 4 semanas

Os actos que o ladrao 44 levou a seu termo, tiraram-lhe crediblidade para alem da governacao que deixou, secalhar pela ganancia do roubo.Mas quem esteve atento percebeu que quando disse que fez(deixou)trabalho ,estava acusar o actual 1 ministro de PARASITA.Comeca aquecer.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub