União Europeia Migrações: Amnistia denuncia abusos graves criados pela pressão da UE sobre Itália

Migrações: Amnistia denuncia abusos graves criados pela pressão da UE sobre Itália

A pressão da União Europeia para que Itália seja "mais dura" com migrantes e refugiados deu origem a abusos graves, incluindo espancamentos e expulsões ilegais, denunciou a Amnistia Internacional (AI).
Migrações: Amnistia denuncia abusos graves criados pela pressão da UE sobre Itália
Reuters
Lusa 03 de Novembro de 2016 às 00:20

No relatório "Itália dos 'hotspots': Como a abordagem emblemática da UE leva a violações dos direitos dos refugiados e migrantes", a organização aponta casos de espancamentos, choques elétricos e humilhações sexuais que demonstram como a abordagem baseada nos centros de registo ('hotspots') não só não limita o direito a pedir asilo como leva a abusos.

 

Para elaborar o documento, especialistas da AI realizaram quatro missões no terreno em várias localidades de Itália e entrevistaram mais de 170 refugiados, migrantes, funcionários e membros de outras organizações não-governamentais.

 

"Na sua determinação para reduzir o movimento crescente de refugiados e migrantes para outros Estados-membros, a UE levou as autoridades italianas aos limites - e para além dos limites - da legalidade", explicou Matteo de Bellis, investigador da organização, num comunicado divulgado com o relatório.

 

"O resultado é que pessoas traumatizadas, que chegam a Itália depois de viagens dilacerantes, estão a ser sujeitas a avaliações erradas e em alguns casos abusos chocantes às mãos da polícia, assim como a expulsões ilegais", acrescentou.

 

A chamada "abordagem 'hotspots'" foi idealizada para identificar e recolher as impressões digitais dos migrantes recém-chegados aos países da "linha da frente" da UE - Itália e Grécia -, para avaliar rapidamente a necessidade de protecção de cada pessoa e decidir se ela deve pedido asilo ou ser repatriada. O relatório aponta falhas graves em cada um destes processos.

 

Para reduzir a pressão sobre estes países, a abordagem 'hotspots' foi combinada com um esquema de distribuição dos refugiados pelos restantes Estados-membros, mas os resultados são desanimadores.

 

Até agora, apenas 1.200 pessoas foram recolocadas a partir de Itália, contra as 40.000 que deviam ser abrangidas, ao mesmo tempo que cerca de 150.000 novos migrantes e refugiados chegaram ao país só em 2016.

 

Na investigação das condições de acolhimento, a AI detectou casos de registo coercivo das impressões, através de detenções arbitrárias, intimidação e força física excessiva, aplicados a homens, mulheres e até crianças.

 

Nesses processos, a organização recolheu testemunhos nomeadamente do uso de choques eléctricos e humilhação sexual e apela a uma avaliação independente das práticas correntes.

 

Depois, os migrantes são interrogados por funcionários que decidirão se devem ser repatriados ou candidatar-se a asilo e, neste processo, a organização detectou falhas graves na forma como as entrevistas são conduzidas, que potenciam o repatriamento de pessoas expostas a graves violações dos direitos humanos no país de origem.

 

"A 'abordagem hotspots', desenhada em Bruxelas e executada em Itália, aumentou, em vez de diminuir, a pressão sobre os Estados da linha da frente. E está a ter como consequência violações chocantes dos direitos de pessoas desesperadamente vulneráveis em relação às quais as autoridades italianas têm responsabilidade directa e os líderes europeus política", disse Matteo de Bellis.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub